Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar recua ante rivais após Fed manter juros e em meio a declarações de Powell



11/12/2019 | 19:48


Após ter operado em alta na manhã desta quarta-feira, 11, o dólar passou a recuar ante outras moedas principais durante a tarde, em meio à manutenção do atual nível da taxa de juros nos Estados Unidos pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e à coletiva de imprensa do presidente da instituição, Jerome Powell.

Próximo ao horário de fechamento das bolsas de Nova York, o dólar caía a 108,56 ienes, o euro avançava a US$ 1,1138 e a libra registrava alta a US$ 1,3205.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) da autoridade monetária americana anunciou hoje a manutenção dos Fed funds na faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano. Além disso, a maioria dos dirigentes vê os juros estáveis até o fim de 2020.

Depois da divulgação do comunicado, a moeda americana bateu novas mínimas com declarações de Powell. O banqueiro central afirmou que a inflação abaixo da meta poderia levar a uma "dinâmica não saudável" e que, apesar de as perspectivas para a economia dos Estados Unidos continuarem positivas, os investimentos e as exportações seguem "fracos".

O Wells Fargo destaca que o mais importante da decisão de hoje do Fed é a sinalização de que "as taxas provavelmente permanecerão baixas por um extenso período de tempo". Já a Pantheon afirmou que permanece "com a visão de que os dados não pressionarão o Fed a cortar taxas novamente tão cedo".

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA, que subiu 0,3% em novembro ante outubro, não chegou a afetar o mercado de câmbio.

A libra, por sua vez, voltou a subir graças à fraqueza do dólar, após ter caído durante a manhã em reação a uma pesquisa de opinião que mostrou queda na vantagem dos conservadores na eleição geral do Reino Unido amanhã. Uma possível vitória do partido do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, é vista como sinal de que o acordo dele para o Brexit avançaria no Parlamento.

Já o peso chileno se fortaleceu hoje ante o dólar, influenciado pela alta nos preços do cobre. O Chile é um importante exportador do metal básico. No final da tarde em Nova York, a moeda americana caía a 770,32 pesos, após ter ultrapassado a marca de 800 pesos em semanas anteriores, em meio aos protestos no país sul-americano.

Ante outras divisas emergentes, o dólar recuava a 19,1263 pesos mexicanos, a 14,6920 rands sul-africanos e a 59,7573 pesos argentinos, no final da tarde em Nova York.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar recua ante rivais após Fed manter juros e em meio a declarações de Powell


11/12/2019 | 19:48


Após ter operado em alta na manhã desta quarta-feira, 11, o dólar passou a recuar ante outras moedas principais durante a tarde, em meio à manutenção do atual nível da taxa de juros nos Estados Unidos pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e à coletiva de imprensa do presidente da instituição, Jerome Powell.

Próximo ao horário de fechamento das bolsas de Nova York, o dólar caía a 108,56 ienes, o euro avançava a US$ 1,1138 e a libra registrava alta a US$ 1,3205.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) da autoridade monetária americana anunciou hoje a manutenção dos Fed funds na faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano. Além disso, a maioria dos dirigentes vê os juros estáveis até o fim de 2020.

Depois da divulgação do comunicado, a moeda americana bateu novas mínimas com declarações de Powell. O banqueiro central afirmou que a inflação abaixo da meta poderia levar a uma "dinâmica não saudável" e que, apesar de as perspectivas para a economia dos Estados Unidos continuarem positivas, os investimentos e as exportações seguem "fracos".

O Wells Fargo destaca que o mais importante da decisão de hoje do Fed é a sinalização de que "as taxas provavelmente permanecerão baixas por um extenso período de tempo". Já a Pantheon afirmou que permanece "com a visão de que os dados não pressionarão o Fed a cortar taxas novamente tão cedo".

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA, que subiu 0,3% em novembro ante outubro, não chegou a afetar o mercado de câmbio.

A libra, por sua vez, voltou a subir graças à fraqueza do dólar, após ter caído durante a manhã em reação a uma pesquisa de opinião que mostrou queda na vantagem dos conservadores na eleição geral do Reino Unido amanhã. Uma possível vitória do partido do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, é vista como sinal de que o acordo dele para o Brexit avançaria no Parlamento.

Já o peso chileno se fortaleceu hoje ante o dólar, influenciado pela alta nos preços do cobre. O Chile é um importante exportador do metal básico. No final da tarde em Nova York, a moeda americana caía a 770,32 pesos, após ter ultrapassado a marca de 800 pesos em semanas anteriores, em meio aos protestos no país sul-americano.

Ante outras divisas emergentes, o dólar recuava a 19,1263 pesos mexicanos, a 14,6920 rands sul-africanos e a 59,7573 pesos argentinos, no final da tarde em Nova York.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;