Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Pior que um assalto à mão armada', diz Izabella Camargo sobre demissão da Globo



10/12/2019 | 10:18


Izabella Camargo considera que a demissão dela da TV Globo foi "a coisa mais violenta que aconteceu na vida". A declaração foi dada durante entrevista ao programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, nesta segunda-feira, 9.

"Foi pior que assalto à mão armada. Imagine que você tem moral e acabou de receber elogios. Você pensa que está batendo um bolão. Aí, acontece uma situação e te falam que você não serve mais", relatou.

Em novembro de 2018, após voltar de uma licença médica por síndrome de Burnout, Izabella foi demitida da emissora. Ela chegou a trabalhar como assessora do gabinete do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, no governo de Jair Bolsonaro. Tempos depois, foi exonerada do cargo. "Eu só saí do ministério porque eu quero falar sobre (Burnout). Essa é uma bandeira que não posso deixar quieta", justificou na ocasião.

Ao entrar com um processo trabalhista, Izabella teve de ser recontratada pela TV Globo. Sobre isso, a jornalista considera que "rompeu um sistema". "Coloquei um dedo na ferida, rompi um sistema. Quando eu trabalhava na TV, as pessoas me paravam para tirar uma foto. Hoje, param para me agradecer por ter rompido o sistema", avaliou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Pior que um assalto à mão armada', diz Izabella Camargo sobre demissão da Globo


10/12/2019 | 10:18


Izabella Camargo considera que a demissão dela da TV Globo foi "a coisa mais violenta que aconteceu na vida". A declaração foi dada durante entrevista ao programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, nesta segunda-feira, 9.

"Foi pior que assalto à mão armada. Imagine que você tem moral e acabou de receber elogios. Você pensa que está batendo um bolão. Aí, acontece uma situação e te falam que você não serve mais", relatou.

Em novembro de 2018, após voltar de uma licença médica por síndrome de Burnout, Izabella foi demitida da emissora. Ela chegou a trabalhar como assessora do gabinete do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, no governo de Jair Bolsonaro. Tempos depois, foi exonerada do cargo. "Eu só saí do ministério porque eu quero falar sobre (Burnout). Essa é uma bandeira que não posso deixar quieta", justificou na ocasião.

Ao entrar com um processo trabalhista, Izabella teve de ser recontratada pela TV Globo. Sobre isso, a jornalista considera que "rompeu um sistema". "Coloquei um dedo na ferida, rompi um sistema. Quando eu trabalhava na TV, as pessoas me paravam para tirar uma foto. Hoje, param para me agradecer por ter rompido o sistema", avaliou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;