Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Dezembro: mês da luta contra a Aids


Do Diário do Grande ABC

08/12/2019 | 12:06


A data foi estipulada em 1988, cinco anos após a descoberta do HIV.

De acordo com o Boletim Epidemiológico de HIV e Aids divulgado em 2018 pela Unaids, a agência da ONU (Organização das Nações Unidas) especializada na epidemia, nos últimos oito anos houve aumento considerável no número de pessoas infectadas pelo vírus. Atualmente, estima-se que 866 mil pessoas vivam com o HIV no Brasil. Mas foi a partir de 2013 que o governo federal passou a apoiar e financiar o tratamento para o HIV/Aids em todo o País. 

Sobre a prevenção no País, campanhas e diversas outras ações tomaram corpo, a fim de conscientizar a população. Dentre elas, a distribuição de preservativos masculinos e femininos, ações de cunho educativo e ampliação do acesso a novas tecnologias, como o ‘teste rápido’ (incluindo fluido oral), profilaxia pós-exposição (PEP) e profilaxia pré-exposição (PreP).

As principais vias de contaminação são: relação sexual sem preservativo e o uso comum de seringas ou agulhas, pois permitem contato direto com as secreções ou sangue de um soropositivo. Além disso, o HIV pode ser transmitido de mãe para filho, durante a gravidez, o parto ou a amamentação. Mas é possível diminuir o risco de transmissão para o bebê através de tratamento específico durante a gravidez. 

Os primeiros sintomas da infecção pelo HIV aparecem de três a seis semanas após o contágio e incluem: febre alta, dor de garganta e tosse seca. Esses sintomas duram em média 14 dias e desaparecem completamente após esse período, podendo ser confundidos, muitas vezes, com gripe ou até mesmo simples resfriado. Outros sintomas só aparecem depois de oito a dez anos após a contaminação, em decorrência da imunodeficiência e podem ser identificados através de febre persistente, sudorese noturna, emagrecimento sem outra causa aparente, diarreia, tosse seca prolongada, ínguas por mais de três meses, além de cansaço, dor de cabeça, dores nas articulações ou músculos, candidíase oral ou genital persistente. 

Por isso, é extremamente importante prevenir a contaminação pelo HIV, além de realizar o diagnóstico precoce, para que haja tempo hábil de tratamento e prevenção das complicações oportunistas. O exame é gratuito nas unidades do SUS (Sistema Único de Saúde), postos de saúde, campanhas do governo, em centros de testagem e aconselhamento.

A Aids ainda não tem cura, e apesar de ser possível conviver com ela e manter-se bem com a adesão ao tratamento, a prevenção sem dúvida é essencial. Portanto, se previna, use camisinha, e se teste, é de graça, é rápido!

Juliane Gomes é médica infectologista do HSANP, centro hospitalar da Zona Norte de São Paulo.

Protesto

Bolsonaro discursava no Planalto prometendo benefícios aos idosos. Um aposentado presente gritava em altos brados, se dirigindo ao presidente: ‘Enganador, incompetente’. Então, um engravatado, de óculos escuros, chegou junto ao manifestante e disse: ‘O senhor está preso’. ‘Mas preso por quê’, respondeu o manifestante. ‘Eu sou segurança do presidente, e o senhor está lhe difamando.’ O manifestante respondeu: ‘Senhor, desculpe. Eu não estava falando ao nosso presidente. Eu reclamava do presidente Donald Trump’. O segurança respondeu: ‘Não queira me enganar, pois o único presidente incompetente e trapalhão que temos é este mesmo daqui do Brasil. Por isso, teje preso’. Viva o Brasil!

João de Deus Martinez

Santo André

Efeitos

O Brasil não passou pela revolução industrial nem a tecnológica e hoje sente os efeitos dessa tragédia. Precisamos, cada vez mais, de pessoas com estudos, formadas, educadas, preparadas, aptas para a qualquer momento deslanchar. Lembram da música Quem Sabe Faz a Hora, Não Espera Acontecer?

Alberto Utida

Capital

Invejoso

O Palmeiras é time que a gente não sabe se é grande ou não, porque, em alguns pontos, age como pequeno, apesar do aporte de milhões de reais da ‘tia’ Leila no clube. Será que não há ninguém no Verdão capaz de pensar e ir atrás de reforços e treinador? Tem sempre que invejar do Santos? Já tinha acontecido em relação a Borja, Guerra e Keno, jogadores que o Peixe ventilou trazer, mas o Palmeiras atravessou o negócio e atrapalhou o time da Vila Belmiro. Agora é com o técnico Sampaoli (Esportes, dia 3), o qual se tornou plano A mesmo ainda no comando do Peixe. Por essas e outras que torço para o Verdão ser tricampeão da Série B.

Thiago Santos

São Caetano

Cortem sim!

Seria louvável a iniciativa da Câmara de Santo André de cortar um assessor de cada gabinete da casa (Política, dia 5). Porém, com certeza esse número poderia – e deveria – ser maior. Afinal, nove pessoas para fazer o quê? Qual é o trabalho do assessor que se precise de tanto? Vereador faz o quê? E ainda tem assistentes? Realmente é muita mamata. Os parlamentares deveriam sentir vergonha e eles mesmo pedirem para diminuir esse contingente. Urgente!

Luiz Carlos Wagner

Santo André

Vereador e funk

Ao ler neste Diário sobre o pisoteamento de pessoas em baile funk em Paraisópolis (Setecidades, dia 2), cheguei à conclusão de que é preciso entender os dois lados e buscar solução para que essas tragédias não mais aconteçam. É preciso dar jeito de melhor organizar esses pancadões, até para que os jovens tenham opção de baixo custo ao lazer. Do outro lado, não é toda comunidade que é favorável a esses bailes. Acaba criando atrito, com a intervenção da polícia sendo geralmente desastrosa. Em Santo André, por exemplo, existem espaços enormes que poderiam abrigar esses eventos, com policiamento, Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), bombeiros, ambulância, enfim. Não precisa ser todo fim de semana. Não se pode alegar falta de dinheiro, porque, na cidade, há muito gasto com salário de vereador e, existem, inclusive, afastados que ainda recebem seus proventos, e seus assessores, que não são poucos. 

Mário Campos

Santo André

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dezembro: mês da luta contra a Aids

Do Diário do Grande ABC

08/12/2019 | 12:06


A data foi estipulada em 1988, cinco anos após a descoberta do HIV.

De acordo com o Boletim Epidemiológico de HIV e Aids divulgado em 2018 pela Unaids, a agência da ONU (Organização das Nações Unidas) especializada na epidemia, nos últimos oito anos houve aumento considerável no número de pessoas infectadas pelo vírus. Atualmente, estima-se que 866 mil pessoas vivam com o HIV no Brasil. Mas foi a partir de 2013 que o governo federal passou a apoiar e financiar o tratamento para o HIV/Aids em todo o País. 

Sobre a prevenção no País, campanhas e diversas outras ações tomaram corpo, a fim de conscientizar a população. Dentre elas, a distribuição de preservativos masculinos e femininos, ações de cunho educativo e ampliação do acesso a novas tecnologias, como o ‘teste rápido’ (incluindo fluido oral), profilaxia pós-exposição (PEP) e profilaxia pré-exposição (PreP).

As principais vias de contaminação são: relação sexual sem preservativo e o uso comum de seringas ou agulhas, pois permitem contato direto com as secreções ou sangue de um soropositivo. Além disso, o HIV pode ser transmitido de mãe para filho, durante a gravidez, o parto ou a amamentação. Mas é possível diminuir o risco de transmissão para o bebê através de tratamento específico durante a gravidez. 

Os primeiros sintomas da infecção pelo HIV aparecem de três a seis semanas após o contágio e incluem: febre alta, dor de garganta e tosse seca. Esses sintomas duram em média 14 dias e desaparecem completamente após esse período, podendo ser confundidos, muitas vezes, com gripe ou até mesmo simples resfriado. Outros sintomas só aparecem depois de oito a dez anos após a contaminação, em decorrência da imunodeficiência e podem ser identificados através de febre persistente, sudorese noturna, emagrecimento sem outra causa aparente, diarreia, tosse seca prolongada, ínguas por mais de três meses, além de cansaço, dor de cabeça, dores nas articulações ou músculos, candidíase oral ou genital persistente. 

Por isso, é extremamente importante prevenir a contaminação pelo HIV, além de realizar o diagnóstico precoce, para que haja tempo hábil de tratamento e prevenção das complicações oportunistas. O exame é gratuito nas unidades do SUS (Sistema Único de Saúde), postos de saúde, campanhas do governo, em centros de testagem e aconselhamento.

A Aids ainda não tem cura, e apesar de ser possível conviver com ela e manter-se bem com a adesão ao tratamento, a prevenção sem dúvida é essencial. Portanto, se previna, use camisinha, e se teste, é de graça, é rápido!

Juliane Gomes é médica infectologista do HSANP, centro hospitalar da Zona Norte de São Paulo.

Protesto

Bolsonaro discursava no Planalto prometendo benefícios aos idosos. Um aposentado presente gritava em altos brados, se dirigindo ao presidente: ‘Enganador, incompetente’. Então, um engravatado, de óculos escuros, chegou junto ao manifestante e disse: ‘O senhor está preso’. ‘Mas preso por quê’, respondeu o manifestante. ‘Eu sou segurança do presidente, e o senhor está lhe difamando.’ O manifestante respondeu: ‘Senhor, desculpe. Eu não estava falando ao nosso presidente. Eu reclamava do presidente Donald Trump’. O segurança respondeu: ‘Não queira me enganar, pois o único presidente incompetente e trapalhão que temos é este mesmo daqui do Brasil. Por isso, teje preso’. Viva o Brasil!

João de Deus Martinez

Santo André

Efeitos

O Brasil não passou pela revolução industrial nem a tecnológica e hoje sente os efeitos dessa tragédia. Precisamos, cada vez mais, de pessoas com estudos, formadas, educadas, preparadas, aptas para a qualquer momento deslanchar. Lembram da música Quem Sabe Faz a Hora, Não Espera Acontecer?

Alberto Utida

Capital

Invejoso

O Palmeiras é time que a gente não sabe se é grande ou não, porque, em alguns pontos, age como pequeno, apesar do aporte de milhões de reais da ‘tia’ Leila no clube. Será que não há ninguém no Verdão capaz de pensar e ir atrás de reforços e treinador? Tem sempre que invejar do Santos? Já tinha acontecido em relação a Borja, Guerra e Keno, jogadores que o Peixe ventilou trazer, mas o Palmeiras atravessou o negócio e atrapalhou o time da Vila Belmiro. Agora é com o técnico Sampaoli (Esportes, dia 3), o qual se tornou plano A mesmo ainda no comando do Peixe. Por essas e outras que torço para o Verdão ser tricampeão da Série B.

Thiago Santos

São Caetano

Cortem sim!

Seria louvável a iniciativa da Câmara de Santo André de cortar um assessor de cada gabinete da casa (Política, dia 5). Porém, com certeza esse número poderia – e deveria – ser maior. Afinal, nove pessoas para fazer o quê? Qual é o trabalho do assessor que se precise de tanto? Vereador faz o quê? E ainda tem assistentes? Realmente é muita mamata. Os parlamentares deveriam sentir vergonha e eles mesmo pedirem para diminuir esse contingente. Urgente!

Luiz Carlos Wagner

Santo André

Vereador e funk

Ao ler neste Diário sobre o pisoteamento de pessoas em baile funk em Paraisópolis (Setecidades, dia 2), cheguei à conclusão de que é preciso entender os dois lados e buscar solução para que essas tragédias não mais aconteçam. É preciso dar jeito de melhor organizar esses pancadões, até para que os jovens tenham opção de baixo custo ao lazer. Do outro lado, não é toda comunidade que é favorável a esses bailes. Acaba criando atrito, com a intervenção da polícia sendo geralmente desastrosa. Em Santo André, por exemplo, existem espaços enormes que poderiam abrigar esses eventos, com policiamento, Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), bombeiros, ambulância, enfim. Não precisa ser todo fim de semana. Não se pode alegar falta de dinheiro, porque, na cidade, há muito gasto com salário de vereador e, existem, inclusive, afastados que ainda recebem seus proventos, e seus assessores, que não são poucos. 

Mário Campos

Santo André

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;