Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Iraque vira base de mísseis do Irã, dizem EUA

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


06/12/2019 | 06:10


O Irã está se aproveitando do caos político do Iraque para montar no país vizinho um arsenal oculto de mísseis balísticos de curto alcance. O objetivo seria afirmar o poder iraniano no Oriente Médio, de acordo com relatórios secretos de oficiais de inteligência americanos. Conforme os documentos, os iranianos estão se aproveitando dos protestos violentos que têm ocorrido nas últimas semanas no Iraque para montar o estoque de mísseis.

Segundo os relatórios, o arsenal representa uma ameaça aos aliados e parceiros americanos na região, incluindo Israel e Arábia Saudita. A bateria de mísseis começa a ser montada no momento em que os EUA tentam reconstruir sua presença militar na região e responder aos ataques a navios-tanque e instalações que os oficiais de inteligência atribuíram ao Irã. Desde maio, o governo Trump enviou cerca de 14 mil soldados para a região.

Irã e Iraque foram atingidos nas últimas semanas por violentos protestos da população. No Iraque, há, até mesmo, atos contra o que qualificam de ingerência iraniana. De acordo com os documentos da inteligência dos EUA, Teerã estaria fazendo ataques na região, mas disfarçando a origem para reduzir o risco de uma resposta. Os mísseis de curto alcance chegam a uma distância de até 970 km, o que significa que um disparo dos arredores de Bagdá pode atingir Jerusalém.

Europa. Reino Unido, França e Alemanha acusaram ontem o Irã de desenvolver mísseis balísticos com capacidade nuclear, de acordo com uma carta enviada ao secretário-geral da ONU, António Guterres. "Esta carta é uma mentira desesperada", reagiu, no Twitter, Mohammad Javad Zarif, ministro iraniano das Relações Exteriores. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Iraque vira base de mísseis do Irã, dizem EUA


06/12/2019 | 06:10


O Irã está se aproveitando do caos político do Iraque para montar no país vizinho um arsenal oculto de mísseis balísticos de curto alcance. O objetivo seria afirmar o poder iraniano no Oriente Médio, de acordo com relatórios secretos de oficiais de inteligência americanos. Conforme os documentos, os iranianos estão se aproveitando dos protestos violentos que têm ocorrido nas últimas semanas no Iraque para montar o estoque de mísseis.

Segundo os relatórios, o arsenal representa uma ameaça aos aliados e parceiros americanos na região, incluindo Israel e Arábia Saudita. A bateria de mísseis começa a ser montada no momento em que os EUA tentam reconstruir sua presença militar na região e responder aos ataques a navios-tanque e instalações que os oficiais de inteligência atribuíram ao Irã. Desde maio, o governo Trump enviou cerca de 14 mil soldados para a região.

Irã e Iraque foram atingidos nas últimas semanas por violentos protestos da população. No Iraque, há, até mesmo, atos contra o que qualificam de ingerência iraniana. De acordo com os documentos da inteligência dos EUA, Teerã estaria fazendo ataques na região, mas disfarçando a origem para reduzir o risco de uma resposta. Os mísseis de curto alcance chegam a uma distância de até 970 km, o que significa que um disparo dos arredores de Bagdá pode atingir Jerusalém.

Europa. Reino Unido, França e Alemanha acusaram ontem o Irã de desenvolver mísseis balísticos com capacidade nuclear, de acordo com uma carta enviada ao secretário-geral da ONU, António Guterres. "Esta carta é uma mentira desesperada", reagiu, no Twitter, Mohammad Javad Zarif, ministro iraniano das Relações Exteriores. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;