Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Assembleia de SP é fechada para o público por ordem do presidente Cauê Macris



05/12/2019 | 20:56


A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) foi fechada para o público nesta quinta-feira, 5, por determinação do presidente da Casa, deputado Cauê Macris (PSDB). O fechamento ocorreu um dia depois de uma briga generalizada tomar conta da tribuna no plenário, e após deputadas da oposição ocuparem a mesa da Presidência em um protesto contra Macris.

Dezenas de pessoas ficaram para o lado de fora do plenário após Macris determinar o fechamento das galerias que dão acesso à plateia. Ocorria uma sessão extraordinária para a discussão da reforma da previdência estadual, proposta pelo governo João Doria, e servidores públicos que iriam acompanhar a discussão ficaram trancados para o lado de fora.

Após pedidos da oposição pela abertura dos portões, Macris se recusou a negociar. Ele alegou que havia uma recomendação da Polícia Militar pelo fechamento, que se estendeu a todo o prédio da Assembleia. A sessão foi suspensa por volta das 20h.

Imagens do plenário mostravam a maior parte das cadeiras reservadas ao público vazias. As portas chegaram a ser abertas 15 minutos antes da sessão, mas logo foram fechadas e poucas pessoas conseguiram entrar. Cauê Macris deu a entender que decidiu fechar as portas após encontrar a mesa da presidência ocupada por deputadas.

"Fui cerceado da minha atividade de presidir uma sessão legítima, convocada de maneira democrática, por algumas pessoas", ele disse ao microfone, durante a sessão. "Não vou admitir esse tipo de bagunça na Assembleia Legislativa. É uma posição autoritária e antidemocrática por parte das deputadas."

Nos corredores, houve confusão e gritos de ordem pedindo a abertura da galeria. Um requerimento que pediu o fechamento das galerias durante a sessão circulou entre parlamentares desde a noite de quarta, assinado por deputados governistas.

O texto tem como base um artigo do regimento da Assembleia, que diz que os espectadores "deverão guardar silêncio". As sessões que discutem a Previdência estadual têm sido tumultuadas e, na noite de quarta, deputados chegaram às vias de fato após provocações de Arthur do Val (sem partido) na tribuna, que chamou sindicalistas e esquerdistas de "vagabundos".

"Gerou um clima generalizado de desconfiança", disse o deputado Ênio Tatto (PT), sobre o pedido de fechamento do plenário.

A assessoria do presidente da casa, Cauê Macris, negou que o tucano tenha cerceado a entrada de manifestantes. Argumentou que o número de entrada de pessoas foi limitado por questões de segurança.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Assembleia de SP é fechada para o público por ordem do presidente Cauê Macris


05/12/2019 | 20:56


A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) foi fechada para o público nesta quinta-feira, 5, por determinação do presidente da Casa, deputado Cauê Macris (PSDB). O fechamento ocorreu um dia depois de uma briga generalizada tomar conta da tribuna no plenário, e após deputadas da oposição ocuparem a mesa da Presidência em um protesto contra Macris.

Dezenas de pessoas ficaram para o lado de fora do plenário após Macris determinar o fechamento das galerias que dão acesso à plateia. Ocorria uma sessão extraordinária para a discussão da reforma da previdência estadual, proposta pelo governo João Doria, e servidores públicos que iriam acompanhar a discussão ficaram trancados para o lado de fora.

Após pedidos da oposição pela abertura dos portões, Macris se recusou a negociar. Ele alegou que havia uma recomendação da Polícia Militar pelo fechamento, que se estendeu a todo o prédio da Assembleia. A sessão foi suspensa por volta das 20h.

Imagens do plenário mostravam a maior parte das cadeiras reservadas ao público vazias. As portas chegaram a ser abertas 15 minutos antes da sessão, mas logo foram fechadas e poucas pessoas conseguiram entrar. Cauê Macris deu a entender que decidiu fechar as portas após encontrar a mesa da presidência ocupada por deputadas.

"Fui cerceado da minha atividade de presidir uma sessão legítima, convocada de maneira democrática, por algumas pessoas", ele disse ao microfone, durante a sessão. "Não vou admitir esse tipo de bagunça na Assembleia Legislativa. É uma posição autoritária e antidemocrática por parte das deputadas."

Nos corredores, houve confusão e gritos de ordem pedindo a abertura da galeria. Um requerimento que pediu o fechamento das galerias durante a sessão circulou entre parlamentares desde a noite de quarta, assinado por deputados governistas.

O texto tem como base um artigo do regimento da Assembleia, que diz que os espectadores "deverão guardar silêncio". As sessões que discutem a Previdência estadual têm sido tumultuadas e, na noite de quarta, deputados chegaram às vias de fato após provocações de Arthur do Val (sem partido) na tribuna, que chamou sindicalistas e esquerdistas de "vagabundos".

"Gerou um clima generalizado de desconfiança", disse o deputado Ênio Tatto (PT), sobre o pedido de fechamento do plenário.

A assessoria do presidente da casa, Cauê Macris, negou que o tucano tenha cerceado a entrada de manifestantes. Argumentou que o número de entrada de pessoas foi limitado por questões de segurança.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;