Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham em leve alta, com negociações EUA-China e Trump em foco



05/12/2019 | 19:07


As bolsas de Nova York oscilaram entre perdas e ganhos, ao longo do pregão desta quinta-feira, 5, com foco nos sinais sobre a evolução do diálogo entre Estados Unidos e China. No meio da tarde, algumas declarações do presidente americano, Donald Trump, deram certo impulso os índices acionários, que fecharam o dia levemente positivos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,10%, em 27.677,79 pontos, o Nasdaq avançou 0,05%, a 8.570,70 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,15%, a 3.117,43 pontos.

O Ministério do Comércio chinês afirmou mais cedo que as discussões sobre comércio com os EUA continuam em andamento e que os dois lados mantêm "contato próximo". Sem outras notícias mais palpáveis, porém, o fôlego visto nos mercados de Nova York foi modesto e eles chegaram a ficar em território negativo.

No meio da tarde, Trump afirmou que "algo poderia acontecer" em relação às tarifas sobre produtos chineses programadas para entrar em vigor no dia 15. Ele ponderou, contudo, que "não estamos discutindo ainda", acrescentando que as negociações estão "prosseguindo bem". Segundo a agência Dow Jones Newswires, o diálogo segue ocorrendo, mas há divergências sobre as compras agrícolas do país asiático de itens americanos. O BBVA enfatizou em relatório que os mercados têm tido uma semana volátil, ao sabor do noticiário sobre as negociações das potências. Segundo a LPL Research, a expectativa por um acordo limitado até o dia 15 tem melhorado o sentimento.

Entre os setores, o de energia teve desempenho mais negativo. Nesse caso, há expectativa pela decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, que amanhã devem anunciar se pretendem ou não cortar mais sua oferta ao mercado para apoiar os preços da commodity. Entre as petroleiras americanas, Chevron recuou 0,52%, ExxonMobil caiu 0,35% e ConocoPhillips, 1,30%.

Por outro lado, os setores de tecnologia e serviços de comunicação avançaram, embora sem sinal único. Apple avançou 1,47% e Facebook, 0,33%, mas Amazon caiu 1,15% e IBM recuou 0,06%. No setor industrial, Boeing recuou 0,91%, pressionando o índice Dow Jones.

Agora, há expectativa pela divulgação do payroll, na manhã desta sexta-feira. Além de um sinal importante da economia americana, o dado de criação de empregos é crucial para a trajetória dos juros no país.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham em leve alta, com negociações EUA-China e Trump em foco


05/12/2019 | 19:07


As bolsas de Nova York oscilaram entre perdas e ganhos, ao longo do pregão desta quinta-feira, 5, com foco nos sinais sobre a evolução do diálogo entre Estados Unidos e China. No meio da tarde, algumas declarações do presidente americano, Donald Trump, deram certo impulso os índices acionários, que fecharam o dia levemente positivos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,10%, em 27.677,79 pontos, o Nasdaq avançou 0,05%, a 8.570,70 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,15%, a 3.117,43 pontos.

O Ministério do Comércio chinês afirmou mais cedo que as discussões sobre comércio com os EUA continuam em andamento e que os dois lados mantêm "contato próximo". Sem outras notícias mais palpáveis, porém, o fôlego visto nos mercados de Nova York foi modesto e eles chegaram a ficar em território negativo.

No meio da tarde, Trump afirmou que "algo poderia acontecer" em relação às tarifas sobre produtos chineses programadas para entrar em vigor no dia 15. Ele ponderou, contudo, que "não estamos discutindo ainda", acrescentando que as negociações estão "prosseguindo bem". Segundo a agência Dow Jones Newswires, o diálogo segue ocorrendo, mas há divergências sobre as compras agrícolas do país asiático de itens americanos. O BBVA enfatizou em relatório que os mercados têm tido uma semana volátil, ao sabor do noticiário sobre as negociações das potências. Segundo a LPL Research, a expectativa por um acordo limitado até o dia 15 tem melhorado o sentimento.

Entre os setores, o de energia teve desempenho mais negativo. Nesse caso, há expectativa pela decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, que amanhã devem anunciar se pretendem ou não cortar mais sua oferta ao mercado para apoiar os preços da commodity. Entre as petroleiras americanas, Chevron recuou 0,52%, ExxonMobil caiu 0,35% e ConocoPhillips, 1,30%.

Por outro lado, os setores de tecnologia e serviços de comunicação avançaram, embora sem sinal único. Apple avançou 1,47% e Facebook, 0,33%, mas Amazon caiu 1,15% e IBM recuou 0,06%. No setor industrial, Boeing recuou 0,91%, pressionando o índice Dow Jones.

Agora, há expectativa pela divulgação do payroll, na manhã desta sexta-feira. Além de um sinal importante da economia americana, o dado de criação de empregos é crucial para a trajetória dos juros no país.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;