Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria perde 10.753 vagas na região


Lucas Tieppo
Especial para o Diário

05/05/2009 | 07:00


A indústria de transformação, setor onde está incluído o segmento automobilístico, foi a grande vilã na perda dos 12.170 postos de trabalho na região do ABC no primeiro trimestre do ano.

De acordo com o Observatório do Emprego e do Trabalho, da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho de São Paulo, a região do ABC perdeu 10.753 postos de trabalho na indústria de transformação nos primeiros três meses de 2009. Somente em março, o setor perdeu 3.832 vagas.

Na comparação entre março e fevereiro deste ano, foram perdidas 3.509 vagas. O resultado foi amenizado pelas contratações nos setores de construção e educação.

O secretário de Estado do Emprego e Relações do Trabalho, Guilherme Afif Domingos, creditou os números negativos à falta de crédito. "O comércio desempregou em março, o que era comum apenas nos primeiros dois meses do ano. A causa é o problema do crédito, embora já exista uma retomada. As grandes empresas de varejo, que buscavam o crédito fora do País, passaram a buscar o crédito interno. Isso atrapalhou o comércio menor, que passou a demitir. Também tivemos um aumento efetivo no desemprego devido à indústria de transformação".

Segundo Afif, a atuação do governo estadual para amenizar o desemprego vai acontecer na qualificação dos trabalhadores com a disponibilização de 40 mil vagas em cursos - todas com bolsa -, além de fazer a identificação dos setores mais atingidos.

Hélio Zylberstajn, presidente do Ibret (Instituto Brasileiro de Relações de Emprego e Trabalho), ressaltou que o saldo positivo de 38 mil empregos criados em março, sendo 34 mil deles em São Paulo, se deve à sazonalidade. "Cerca de 60% destas vagas foram na educação, agricultura e agronegócio que são setores sazonais e não refletem recuperação efetiva. A retomada ainda não aconteceu", afirmou Zylberstajn.

O coordenador da Fundação Seade, Alexandre Jorge Loloian, explicou que o aumento no desemprego na região se deve ao retorno à busca de uma vaga de pessoas que estavam fora do mercado e ainda não conseguiram ocupação. "O que ocorreu foi o retorno da chamada mão de obra secundária ao mercado, como jovens e mulheres, mas que ainda não encontraram ocupação", explicou.

(Supervisão Marcos Seabra)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;