Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Celso Barros se diz injustiçado no Flu e garante que não renunciará



22/11/2019 | 21:21


Um dia após ser afastado pelo presidente do Fluminense, o vice Celso Barros veio a público nesta sexta-feira para criticar Mario Bittencourt. Em entrevista coletiva, ele se disse injustiçado pelo presidente do clube carioca e garantiu que não renunciará.

"Acredito que o presidente tem o direito de tomar as decisões. É legítimo. Mas me sinto injustiçado", afirmou Barros, que se disse "traído". "Não sei quanto votos da nossa eleição foram por minha causa, mas tenho a minha importância. Ao me tirar do futebol, ele traiu um compromisso de campanha."

Na quinta, Bittencourt concedeu coletiva para anunciar o afastamento de Barros e também para assegurar que Marcão será o técnico do time até o final do Campeonato Brasileiro. O vice vinha criticando publicamente o desempenho do treinador à frente da equipe na competição.

Nesta sexta, Barros fez questão de destacar que não pretende deixar o cargo de vice-presidente do Flu. "Ouvi no clube que tinha a chance de eu renunciar. Afirmo aqui: não vou deixar a vice-presidência geral. Não vou renunciar. Agora, estou refletindo muito se quero voltar ao futebol. Nesse modelo que o Fluminense tem, não me interessa. Eu não pude fazer absolutamente nada do que eu pensava." Bittencourt, ao afastar o seu vice, também o tirou do cargo de vice de futebol.

Barros disse nesta sexta que não pediu a saída de Marcão, efetivado após ser interino logo depois da demissão de Oswaldo de Oliveira. "Não pedi a saída do Marcão em momento algum. Quando eu disse na publicação que mudanças nem são ruins, até pelo Marcão: saímos do Oswaldo para ele e melhorou. Ele tem um aproveitamento bom. De repente, com ele estaríamos livres hoje, se projetássemos os números, provavelmente estaríamos. Mas no futebol não tem provável, é dinâmico, a vida é assim, cheia de altos e baixos. Eu também não opinei nem que sim nem que não sobre sua efetivação."

O Fluminense é o primeiro clube dentro da zona de rebaixamento com 35 pontos e vive uma situação delicada no Brasileirão. Mas está apenas um ponto atrás de Cruzeiro e Ceará, ambos fora da degola. Nesta segunda-feira, o time tem confronto decisivo contra o CSA, em Maceió.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Celso Barros se diz injustiçado no Flu e garante que não renunciará


22/11/2019 | 21:21


Um dia após ser afastado pelo presidente do Fluminense, o vice Celso Barros veio a público nesta sexta-feira para criticar Mario Bittencourt. Em entrevista coletiva, ele se disse injustiçado pelo presidente do clube carioca e garantiu que não renunciará.

"Acredito que o presidente tem o direito de tomar as decisões. É legítimo. Mas me sinto injustiçado", afirmou Barros, que se disse "traído". "Não sei quanto votos da nossa eleição foram por minha causa, mas tenho a minha importância. Ao me tirar do futebol, ele traiu um compromisso de campanha."

Na quinta, Bittencourt concedeu coletiva para anunciar o afastamento de Barros e também para assegurar que Marcão será o técnico do time até o final do Campeonato Brasileiro. O vice vinha criticando publicamente o desempenho do treinador à frente da equipe na competição.

Nesta sexta, Barros fez questão de destacar que não pretende deixar o cargo de vice-presidente do Flu. "Ouvi no clube que tinha a chance de eu renunciar. Afirmo aqui: não vou deixar a vice-presidência geral. Não vou renunciar. Agora, estou refletindo muito se quero voltar ao futebol. Nesse modelo que o Fluminense tem, não me interessa. Eu não pude fazer absolutamente nada do que eu pensava." Bittencourt, ao afastar o seu vice, também o tirou do cargo de vice de futebol.

Barros disse nesta sexta que não pediu a saída de Marcão, efetivado após ser interino logo depois da demissão de Oswaldo de Oliveira. "Não pedi a saída do Marcão em momento algum. Quando eu disse na publicação que mudanças nem são ruins, até pelo Marcão: saímos do Oswaldo para ele e melhorou. Ele tem um aproveitamento bom. De repente, com ele estaríamos livres hoje, se projetássemos os números, provavelmente estaríamos. Mas no futebol não tem provável, é dinâmico, a vida é assim, cheia de altos e baixos. Eu também não opinei nem que sim nem que não sobre sua efetivação."

O Fluminense é o primeiro clube dentro da zona de rebaixamento com 35 pontos e vive uma situação delicada no Brasileirão. Mas está apenas um ponto atrás de Cruzeiro e Ceará, ambos fora da degola. Nesta segunda-feira, o time tem confronto decisivo contra o CSA, em Maceió.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;