Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY sobem e índices batem recordes com otimismo sobre acordo EUA-China



15/11/2019 | 19:09


As bolsas de Nova York tiveram alta nesta sexta-feira, 15, com os índices batendo recordes de fechamento com esperanças renovadas em torno de um acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China. Os investidores reagiram com otimismo a falas de representantes do governo de Donald Trump sinalizando que a conclusão da "fase 1" do acordo pode estar próxima. As bolsas de Nova York já operaram com ganhos no início do pregão, e os três índices também registraram recordes de valorização intraday.

O Dow Jones subiu 0,80%, aos 28.004,89 pontos, rompendo a marca dos 28 mil pontos. Na comparação semanal, o índice teve alta de 1,16%. O S&P 500 avançou 0,88%, aos 3.120,46 pontos, atingindo ganho de 0,89% na semana. O Nasdaq teve alta de 0,73%, aos 8.540,83 pontos, e ficou em alta de 0,77% na comparação semanal.

Destaque para as ações dos setores de saúde, impulsionadas pelas falas do presidente dos EUA, Donald Trump, que assinou um decreto para aumentar a transparência no setor de saúde, além de prometer um "grande corte de impostos" voltado para a classe média, a fim de estimular a economia americana. Trump disse, contudo, que a medida está condicionada a uma vitória do Partido Republicano para retomar o controle da Câmara dos Representantes nas próximas eleições. Os papéis da UnitedHealth subiram 5,30%. As ações da Cigna Corp. valorizaram 3,33% e as da HCA Helthcare subiram 2,65%.

As empresas de serviços de comunicação também apresentaram ganhos nesta sexta-feira. Hoje o diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, expressou otimismo sobre sua empresa, dizendo que ela está preparada para enfrentar a concorrência de rivais, como a Disney+. "Nós realmente não nos distraímos com a concorrência", disse Sarandos. As ações da empresa valorizaram 1,87%. A Disney lançou esta semana seu serviço de streaming Disney+, com valor de US$ 6,99 ao mês, incluindo uma variedade de programas das marcas Star Wars e Marvel e um catálogo profundo de filmes de animação e programas originais. Enquanto a Apple Inc. também lançou no início deste mês seus próprios serviços de streaming. Os papéis da Disney fecharam em queda de 1,69%.

O apetite por risco também foi apoiado pela afirmação do secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, nesta sexta-feira, de que um acordo comercial com a China será feito "com toda possibilidade". O Departamento do Comércio dos EUA divulgou hoje as vendas no varejo, com alta de 0,3% em outubro ante setembro. O resultado superou a expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam aumento de 0,2% no período. Ficaram em segundo plano indicadores importantes, como a queda de 0,8% na produção industrial entre outubro e setembro, ante expectativa de recuo de 0,5% dos analistas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY sobem e índices batem recordes com otimismo sobre acordo EUA-China


15/11/2019 | 19:09


As bolsas de Nova York tiveram alta nesta sexta-feira, 15, com os índices batendo recordes de fechamento com esperanças renovadas em torno de um acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China. Os investidores reagiram com otimismo a falas de representantes do governo de Donald Trump sinalizando que a conclusão da "fase 1" do acordo pode estar próxima. As bolsas de Nova York já operaram com ganhos no início do pregão, e os três índices também registraram recordes de valorização intraday.

O Dow Jones subiu 0,80%, aos 28.004,89 pontos, rompendo a marca dos 28 mil pontos. Na comparação semanal, o índice teve alta de 1,16%. O S&P 500 avançou 0,88%, aos 3.120,46 pontos, atingindo ganho de 0,89% na semana. O Nasdaq teve alta de 0,73%, aos 8.540,83 pontos, e ficou em alta de 0,77% na comparação semanal.

Destaque para as ações dos setores de saúde, impulsionadas pelas falas do presidente dos EUA, Donald Trump, que assinou um decreto para aumentar a transparência no setor de saúde, além de prometer um "grande corte de impostos" voltado para a classe média, a fim de estimular a economia americana. Trump disse, contudo, que a medida está condicionada a uma vitória do Partido Republicano para retomar o controle da Câmara dos Representantes nas próximas eleições. Os papéis da UnitedHealth subiram 5,30%. As ações da Cigna Corp. valorizaram 3,33% e as da HCA Helthcare subiram 2,65%.

As empresas de serviços de comunicação também apresentaram ganhos nesta sexta-feira. Hoje o diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, expressou otimismo sobre sua empresa, dizendo que ela está preparada para enfrentar a concorrência de rivais, como a Disney+. "Nós realmente não nos distraímos com a concorrência", disse Sarandos. As ações da empresa valorizaram 1,87%. A Disney lançou esta semana seu serviço de streaming Disney+, com valor de US$ 6,99 ao mês, incluindo uma variedade de programas das marcas Star Wars e Marvel e um catálogo profundo de filmes de animação e programas originais. Enquanto a Apple Inc. também lançou no início deste mês seus próprios serviços de streaming. Os papéis da Disney fecharam em queda de 1,69%.

O apetite por risco também foi apoiado pela afirmação do secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, nesta sexta-feira, de que um acordo comercial com a China será feito "com toda possibilidade". O Departamento do Comércio dos EUA divulgou hoje as vendas no varejo, com alta de 0,3% em outubro ante setembro. O resultado superou a expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam aumento de 0,2% no período. Ficaram em segundo plano indicadores importantes, como a queda de 0,8% na produção industrial entre outubro e setembro, ante expectativa de recuo de 0,5% dos analistas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;