Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Delator cita propina de R$ 6 mi a mulher de desembargador do Rio



14/11/2019 | 07:47


O ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio de Janeiro (Fetranspor) Lélis Teixeira disse em delação premiada ter participado de negociações que teriam resultado em propinas de até R$ 6 milhões à advogada Gláucia Iorio Araújo Guimarães, mulher do desembargador Mário Guimarães Neto, do Tribunal de Justiça do Rio.

As tratativas, segundo Teixeira, visavam "influenciar" o magistrado a tomar decisão a favor de empresários do setor de transporte em uma disputa com a prefeitura do Rio sobre uma licitação de linhas de ônibus aberta em 2008.

As informações foram divulgadas pela revista digital Crusoé e confirmadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Gláucia, afirmou Teixeira, "se comprometeu a falar com o marido e a dar um retorno a respeito da viabilidade de se obter uma decisão suspendendo o processo licitatório".

Conforme o presidente da Fetranspor, ela disse que "poderia fazer com que seu marido decidisse em favor dos interesses das empresas de ônibus".

Em 2009, Guimarães Neto deu provimento à realização da licitação desde que os empresários fossem indenizados. No entanto, disse o delator, a medida inviabilizou a licitação porque o município "não teria condições de indenizar as empresas".

Defesa

Guimarães Neto afirmou que nem ele nem sua mulher conhecem Teixeira e classificou a declaração do delator de "estapafúrdia". Gláucia Guimarães não respondeu à reportagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Delator cita propina de R$ 6 mi a mulher de desembargador do Rio


14/11/2019 | 07:47


O ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio de Janeiro (Fetranspor) Lélis Teixeira disse em delação premiada ter participado de negociações que teriam resultado em propinas de até R$ 6 milhões à advogada Gláucia Iorio Araújo Guimarães, mulher do desembargador Mário Guimarães Neto, do Tribunal de Justiça do Rio.

As tratativas, segundo Teixeira, visavam "influenciar" o magistrado a tomar decisão a favor de empresários do setor de transporte em uma disputa com a prefeitura do Rio sobre uma licitação de linhas de ônibus aberta em 2008.

As informações foram divulgadas pela revista digital Crusoé e confirmadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Gláucia, afirmou Teixeira, "se comprometeu a falar com o marido e a dar um retorno a respeito da viabilidade de se obter uma decisão suspendendo o processo licitatório".

Conforme o presidente da Fetranspor, ela disse que "poderia fazer com que seu marido decidisse em favor dos interesses das empresas de ônibus".

Em 2009, Guimarães Neto deu provimento à realização da licitação desde que os empresários fossem indenizados. No entanto, disse o delator, a medida inviabilizou a licitação porque o município "não teria condições de indenizar as empresas".

Defesa

Guimarães Neto afirmou que nem ele nem sua mulher conhecem Teixeira e classificou a declaração do delator de "estapafúrdia". Gláucia Guimarães não respondeu à reportagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;