Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

País já registrou 710 mortes por dengue este ano, 256 em SP



13/11/2019 | 20:22


Foram registradas, até o dia 2 de novembro, 710 mortes por dengue este ano no Brasil, conforme novo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde. O número é 5,4 vezes maior que as 132 mortes registradas no mesmo período do ano passado. Outros 371 óbitos estão em investigação. O Estado de São Paulo já teve confirmados 256 óbitos este ano, segundo a pasta - no mesmo período de 2018, tinham sido apenas 6 mortes.

No País, no período, houve notificação de 1,5 milhão de casos prováveis de dengue, o que representa 716 casos a cada 100 mil habitantes. No ano passado, eram 223,9 mil casos - 107,4 por 100 mil. Em São Paulo, este ano, foram 442,2 mil, coeficiente de 963,1 casos por 100 mil moradores. No mesmo período de 2018, eram 15,2 mil casos - 33,5 por 100 mil habitantes.

Em 20 dias, desde o último levantamento, foram notificados 15,2 mil novos casos e 21 mortes por dengue no País, o que levou o Ministério da Saúde a fazer um apelo à população para continuar, de forma permanente, a mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, que também transmite a chikungunya e a zika. "O período de verão é o mais propício à proliferação do mosquito por causa das chuvas e, consequentemente, é a época de maior risco de infecção. No entanto, a recomendação é não descuidar nenhum dia do ano e manter todas as posturas possíveis em ação para prevenir os focos", informou.

Conforme a pasta, mesmo no período do inverno, quando a curva de incidência no País retorna ao canal endêmico, observou-se um discreto aumento nos casos prováveis de dengue, quando se esperava uma redução. Essa tendência atingiu também o Sudeste, incluindo o Estado de São Paulo, onde o inverno registrou temperaturas acima da média. Em municípios paulistas, foram confirmadas nove mortes por dengue nas últimas semanas. O Estado registrou forte avanço do sorotipo 2 da doença, em regiões onde não circulava há anos.

A cidade de São José do Rio Preto lidera o ranking paulista da dengue, com 32,6 mil casos confirmados e 19 mortes. Em letalidade, a liderança é de Bauru, que registrou 26 mil casos e 32 mortes. O Estado de São Paulo, no entanto, não registra mortes por chikungunya e zika este ano. No País, a chikungunya matou 81 pessoas este ano - outros 51 óbitos estão em investigação. A zika causou a morte de três pessoas, todas no Estado de Paraíba.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

País já registrou 710 mortes por dengue este ano, 256 em SP


13/11/2019 | 20:22


Foram registradas, até o dia 2 de novembro, 710 mortes por dengue este ano no Brasil, conforme novo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde. O número é 5,4 vezes maior que as 132 mortes registradas no mesmo período do ano passado. Outros 371 óbitos estão em investigação. O Estado de São Paulo já teve confirmados 256 óbitos este ano, segundo a pasta - no mesmo período de 2018, tinham sido apenas 6 mortes.

No País, no período, houve notificação de 1,5 milhão de casos prováveis de dengue, o que representa 716 casos a cada 100 mil habitantes. No ano passado, eram 223,9 mil casos - 107,4 por 100 mil. Em São Paulo, este ano, foram 442,2 mil, coeficiente de 963,1 casos por 100 mil moradores. No mesmo período de 2018, eram 15,2 mil casos - 33,5 por 100 mil habitantes.

Em 20 dias, desde o último levantamento, foram notificados 15,2 mil novos casos e 21 mortes por dengue no País, o que levou o Ministério da Saúde a fazer um apelo à população para continuar, de forma permanente, a mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, que também transmite a chikungunya e a zika. "O período de verão é o mais propício à proliferação do mosquito por causa das chuvas e, consequentemente, é a época de maior risco de infecção. No entanto, a recomendação é não descuidar nenhum dia do ano e manter todas as posturas possíveis em ação para prevenir os focos", informou.

Conforme a pasta, mesmo no período do inverno, quando a curva de incidência no País retorna ao canal endêmico, observou-se um discreto aumento nos casos prováveis de dengue, quando se esperava uma redução. Essa tendência atingiu também o Sudeste, incluindo o Estado de São Paulo, onde o inverno registrou temperaturas acima da média. Em municípios paulistas, foram confirmadas nove mortes por dengue nas últimas semanas. O Estado registrou forte avanço do sorotipo 2 da doença, em regiões onde não circulava há anos.

A cidade de São José do Rio Preto lidera o ranking paulista da dengue, com 32,6 mil casos confirmados e 19 mortes. Em letalidade, a liderança é de Bauru, que registrou 26 mil casos e 32 mortes. O Estado de São Paulo, no entanto, não registra mortes por chikungunya e zika este ano. No País, a chikungunya matou 81 pessoas este ano - outros 51 óbitos estão em investigação. A zika causou a morte de três pessoas, todas no Estado de Paraíba.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;