Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

TCE rejeita contas de 2017 de Atila Jacomussi

Relator aponta alto índice de deficit orçamentário sem controle de gastos; defesa pode recorrer na corte ou na Câmara de Mauá


Júnior Carvalho
Do dgabc.com.br

12/11/2019 | 18:05


A primeira câmara do TCE (Tribunal de Contas do Estado) rejeitou a contabilidade de 2017 da Prefeitura de Mauá, primeiro ano de gestão do prefeito Atila Jacomussi (PSB). Cabe recurso no próprio tribunal e, se o parecer negativo for mantido, o socialista ficará na dependência de absolvição da Câmara.

Segundo o relator das contas no TCE, conselheiro Samy Wurman, houve “expressivo deficit orçamentário”, na ordem de 32%, “demonstrando que o orçamento foi superestimado”. Ele alertou que a administração Atila, a despeito de vislumbrar problemas de arrecadação – a peça foi formulada na gestão do ex-prefeito Donisete Braga (ex-PT, atual Pros) –, o governo não adotou mecanismos de contenção de despesas ou limitação de empenho financeiro.

A avaliação das contas esteve presente na sessão da semana passada, mas a defesa do socialista argumentou que havia herdado diversos problemas financeiros, como restos a pagar. Apesar das recomendações de órgãos de controle pela emissão do parecer negativo, Wurman acolheu pedido dos advogados de Atila para que houvesse transferência de data do julgamento.

A equipe do Diário entrou em contato com a Prefeitura de Mauá e aguarda manifestação do governo Atila. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

TCE rejeita contas de 2017 de Atila Jacomussi

Relator aponta alto índice de deficit orçamentário sem controle de gastos; defesa pode recorrer na corte ou na Câmara de Mauá

Júnior Carvalho
Do dgabc.com.br

12/11/2019 | 18:05


A primeira câmara do TCE (Tribunal de Contas do Estado) rejeitou a contabilidade de 2017 da Prefeitura de Mauá, primeiro ano de gestão do prefeito Atila Jacomussi (PSB). Cabe recurso no próprio tribunal e, se o parecer negativo for mantido, o socialista ficará na dependência de absolvição da Câmara.

Segundo o relator das contas no TCE, conselheiro Samy Wurman, houve “expressivo deficit orçamentário”, na ordem de 32%, “demonstrando que o orçamento foi superestimado”. Ele alertou que a administração Atila, a despeito de vislumbrar problemas de arrecadação – a peça foi formulada na gestão do ex-prefeito Donisete Braga (ex-PT, atual Pros) –, o governo não adotou mecanismos de contenção de despesas ou limitação de empenho financeiro.

A avaliação das contas esteve presente na sessão da semana passada, mas a defesa do socialista argumentou que havia herdado diversos problemas financeiros, como restos a pagar. Apesar das recomendações de órgãos de controle pela emissão do parecer negativo, Wurman acolheu pedido dos advogados de Atila para que houvesse transferência de data do julgamento.

A equipe do Diário entrou em contato com a Prefeitura de Mauá e aguarda manifestação do governo Atila. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;