Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Serviços operam 10,7% abaixo do pico registrado em novembro de 2014, diz IBGE



12/11/2019 | 10:47


A alta de 1,2% no volume de serviços prestados na passagem de agosto para setembro diminuiu a distância a percorrer para que o volume de serviços prestados no País volte ao patamar mais alto já registrado pela Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada nesta terça-feira, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O volume de serviços prestados opera 10,7% abaixo do ponto mais alto da série histórica, registrado em novembro de 2014.

"A entrada dessa informação elimina as perdas de 2019 e fica 0,1% acima do patamar de dezembro de 2018. O setor está ainda um pouco mais acima do patamar pré-greve de caminhoneiros, 1,1% acima de abril de 2018", ressaltou Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços no IBGE.

O segmento de serviços ficou positivo em quatro dos nove meses de 2019, recuando em cinco deles. Em relação ao volume de serviços prestados no encerramento do ano passado, apenas a atividade de transportes - especialmente o transporte rodoviário de cargas - está no negativo.

"Apenas o setor de transportes tem perda em relação ao patamar de dezembro de 2018, está 1,8% abaixo do nível que encerrou o ano passado", apontou Lobo.

Segundo o pesquisador do IBGE, os serviços como um todo têm encontrado dificuldade de manter uma recuperação mais consistente desde 2017. No entanto, a trajetória ascendente nos últimos meses dentro da série histórica com ajuste sazonal "é um movimento diferenciado".

"Ainda não podemos afirmar que o setor de serviços vai se distanciar do comportamento errático que vinha apresentando desde 2017 até agora. Ele se iguala a poucos pontos de 2017. Mas ainda está distante do ponto mais alto. Há um longo caminho a ser percorrido para recuperar aquele patamar que era observado em 2014", ponderou Lobo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Serviços operam 10,7% abaixo do pico registrado em novembro de 2014, diz IBGE


12/11/2019 | 10:47


A alta de 1,2% no volume de serviços prestados na passagem de agosto para setembro diminuiu a distância a percorrer para que o volume de serviços prestados no País volte ao patamar mais alto já registrado pela Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada nesta terça-feira, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O volume de serviços prestados opera 10,7% abaixo do ponto mais alto da série histórica, registrado em novembro de 2014.

"A entrada dessa informação elimina as perdas de 2019 e fica 0,1% acima do patamar de dezembro de 2018. O setor está ainda um pouco mais acima do patamar pré-greve de caminhoneiros, 1,1% acima de abril de 2018", ressaltou Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços no IBGE.

O segmento de serviços ficou positivo em quatro dos nove meses de 2019, recuando em cinco deles. Em relação ao volume de serviços prestados no encerramento do ano passado, apenas a atividade de transportes - especialmente o transporte rodoviário de cargas - está no negativo.

"Apenas o setor de transportes tem perda em relação ao patamar de dezembro de 2018, está 1,8% abaixo do nível que encerrou o ano passado", apontou Lobo.

Segundo o pesquisador do IBGE, os serviços como um todo têm encontrado dificuldade de manter uma recuperação mais consistente desde 2017. No entanto, a trajetória ascendente nos últimos meses dentro da série histórica com ajuste sazonal "é um movimento diferenciado".

"Ainda não podemos afirmar que o setor de serviços vai se distanciar do comportamento errático que vinha apresentando desde 2017 até agora. Ele se iguala a poucos pontos de 2017. Mas ainda está distante do ponto mais alto. Há um longo caminho a ser percorrido para recuperar aquele patamar que era observado em 2014", ponderou Lobo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;