Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Carlos da Costa: Vouchers de treinamento trarão alinhamento oferta-demanda



11/11/2019 | 18:06


O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, avaliou que os vouchers de treinamento propostos nesta segunda-feira pelo governo trarão alinhamento entre oferta e demanda de trabalho. A medida foi antecipada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Pelo programa, as empresas terão vouchers para que treinem os empregados e novos contratados em áreas que realmente são necessárias para a companhia. A meta é qualificar 4,5 milhões de trabalhadores em quatro anos.

"A medida coloca trabalhador e empresário no centro do processo. Esse casamento entre os dois trará mais eficiência e mais competências socioemocionais nessa relação", afirmou o secretário. "Estimamos a criação de 1 milhão de novos empregos líquidos apenas nessa primeira onda de qualificação, e haverá outras", completou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Carlos da Costa: Vouchers de treinamento trarão alinhamento oferta-demanda


11/11/2019 | 18:06


O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, avaliou que os vouchers de treinamento propostos nesta segunda-feira pelo governo trarão alinhamento entre oferta e demanda de trabalho. A medida foi antecipada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Pelo programa, as empresas terão vouchers para que treinem os empregados e novos contratados em áreas que realmente são necessárias para a companhia. A meta é qualificar 4,5 milhões de trabalhadores em quatro anos.

"A medida coloca trabalhador e empresário no centro do processo. Esse casamento entre os dois trará mais eficiência e mais competências socioemocionais nessa relação", afirmou o secretário. "Estimamos a criação de 1 milhão de novos empregos líquidos apenas nessa primeira onda de qualificação, e haverá outras", completou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;