Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Antecipação da sessão para 2ªf dificulta quórum, diz Eduardo Bolsonaro sobre PEC



11/11/2019 | 17:29


O líder do PSL na Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), disse que a bancada trabalha para avançar com a proposta de emenda constitucional que trata da segunda instância na Câmara. Uma sessão da Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) foi marcada para às 14h desta segunda-feira, 11, para tratar o tema, mas até às 17h o quórum mínimo de 34 deputados não tinha sido atingindo para dar início aos trabalhos.

"Já é uma rotina diferenciada quando tem feriado aqui o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) chama sessão para segunda, isso tende a dificultar, os parlamentares tendem a readequar sua rotina, às vezes chegam mais tarde. Mas se for bem costurado e bem tratado, até amanhã a gente consegue esse voto", afirmou Eduardo.

"O que a gente está fazendo aqui junto com presidente da CCJ, Felipe Franceschini (PSL-PR), é contando quais deputados votariam a favor da prisão em segunda instância. É trabalhar para ver se pelo menos essa semana a gente consegue dar essa satisfação para a sociedade que está revoltada não só com a saída do Lula, mas com a possibilidade de saída de mais criminosos", disse.

Eduardo ponderou que acha difícil vencer todos os requerimentos do chamado kit obstrução para que a PEC seja votada ainda essa semana. "Os apoiadores do Lula vão obstruir a prisão em segunda instância porque eles sabem que daqui a pouco vai haver o julgamento do sítio em Atibaia em segunda instância", disse.

Sobre a possibilidade do texto que está na CCJ ser considerado inconstitucional, Eduardo minimizou a questão. "Se nós aqui que somos o poder legislativo, somos os competentes para inovar até mesmo a Constituição, eu não vejo de maneira alguma inconstitucionalidade nisso. Acho que até o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, já sinalizou nesse sentido, quando ele disse que cabe ao Congresso fazer algum tipo de reparação se assim for pertinente", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Antecipação da sessão para 2ªf dificulta quórum, diz Eduardo Bolsonaro sobre PEC


11/11/2019 | 17:29


O líder do PSL na Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), disse que a bancada trabalha para avançar com a proposta de emenda constitucional que trata da segunda instância na Câmara. Uma sessão da Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) foi marcada para às 14h desta segunda-feira, 11, para tratar o tema, mas até às 17h o quórum mínimo de 34 deputados não tinha sido atingindo para dar início aos trabalhos.

"Já é uma rotina diferenciada quando tem feriado aqui o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) chama sessão para segunda, isso tende a dificultar, os parlamentares tendem a readequar sua rotina, às vezes chegam mais tarde. Mas se for bem costurado e bem tratado, até amanhã a gente consegue esse voto", afirmou Eduardo.

"O que a gente está fazendo aqui junto com presidente da CCJ, Felipe Franceschini (PSL-PR), é contando quais deputados votariam a favor da prisão em segunda instância. É trabalhar para ver se pelo menos essa semana a gente consegue dar essa satisfação para a sociedade que está revoltada não só com a saída do Lula, mas com a possibilidade de saída de mais criminosos", disse.

Eduardo ponderou que acha difícil vencer todos os requerimentos do chamado kit obstrução para que a PEC seja votada ainda essa semana. "Os apoiadores do Lula vão obstruir a prisão em segunda instância porque eles sabem que daqui a pouco vai haver o julgamento do sítio em Atibaia em segunda instância", disse.

Sobre a possibilidade do texto que está na CCJ ser considerado inconstitucional, Eduardo minimizou a questão. "Se nós aqui que somos o poder legislativo, somos os competentes para inovar até mesmo a Constituição, eu não vejo de maneira alguma inconstitucionalidade nisso. Acho que até o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, já sinalizou nesse sentido, quando ele disse que cabe ao Congresso fazer algum tipo de reparação se assim for pertinente", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;