Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cepal corta projeção para crescimento da AL e Caribe em 2019 de 0,5% para 0,1%



11/11/2019 | 14:40


A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) da ONU cortou a sua projeção para o crescimento médio na região em 2019 de 0,5% para 0,1%. Para 2020, o órgão espera uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) da região de 1,4%.

"Com isso, se cumpririam sete anos em que América Latina e Caribe permaneceriam situados em um patamar de baixo crescimento, que se traduziu, por sua vez, em uma deterioração dos níveis de renda média per capita", aponta a Cepal em comunicado emitido nesta segunda-feira. "O PIB per capita da região se veria reduzido em 4% entre 2014 e 2019, o que implica uma queda anual média de 0,8%."

Quando considera apenas a América do Sul, a projeção da Cepal é de uma contração média do PIB de 0,2% em 2019, que seria a primeira leitura negativa desde 2016. Para 2020, a estimativa é de expansão de 1,3%.

A Comissão destaca que a dinâmica da atividade econômica na América Latina e Caribe está inserida no contexto de diminuição da contribuição da economia global ao crescimento da região em 2019, "situação que muito provavelmente se manterá para o próximo ano".

"Não só o volume de comércio global e o nível de atividade global vêm desacelerando de forma pronunciada - afetando a demanda por exportações que enfrentam a América Latina e o Caribe - como também se viram afetados pela baixa dos preços das matérias-primas que muitos países da região exportam", descreve a Cepal. "Ademais, os episódios de aumentos na volatilidade financeira influíram em momentos negativamente nas condições financeiras e nos fluxos de financiamento disponíveis para os países."

Diante das debilidades externas representadas das tensões comerciais e da alta incerteza global, o organismo aponta que os componentes da demanda interna terão um peso relativo maior sobre a dinâmica de crescimento no futuro. "Às dificuldades que enfrentam as economias da região para expandir o espaço tanto fiscal como monetário, somam-se as crescentes demandas por mudanças estruturais para enfrentar as profundas desigualdades que persistem na região."

O comunicado da Cepal não faz qualquer menção às crises políticas deflagradas na América do Sul recentemente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cepal corta projeção para crescimento da AL e Caribe em 2019 de 0,5% para 0,1%


11/11/2019 | 14:40


A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) da ONU cortou a sua projeção para o crescimento médio na região em 2019 de 0,5% para 0,1%. Para 2020, o órgão espera uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) da região de 1,4%.

"Com isso, se cumpririam sete anos em que América Latina e Caribe permaneceriam situados em um patamar de baixo crescimento, que se traduziu, por sua vez, em uma deterioração dos níveis de renda média per capita", aponta a Cepal em comunicado emitido nesta segunda-feira. "O PIB per capita da região se veria reduzido em 4% entre 2014 e 2019, o que implica uma queda anual média de 0,8%."

Quando considera apenas a América do Sul, a projeção da Cepal é de uma contração média do PIB de 0,2% em 2019, que seria a primeira leitura negativa desde 2016. Para 2020, a estimativa é de expansão de 1,3%.

A Comissão destaca que a dinâmica da atividade econômica na América Latina e Caribe está inserida no contexto de diminuição da contribuição da economia global ao crescimento da região em 2019, "situação que muito provavelmente se manterá para o próximo ano".

"Não só o volume de comércio global e o nível de atividade global vêm desacelerando de forma pronunciada - afetando a demanda por exportações que enfrentam a América Latina e o Caribe - como também se viram afetados pela baixa dos preços das matérias-primas que muitos países da região exportam", descreve a Cepal. "Ademais, os episódios de aumentos na volatilidade financeira influíram em momentos negativamente nas condições financeiras e nos fluxos de financiamento disponíveis para os países."

Diante das debilidades externas representadas das tensões comerciais e da alta incerteza global, o organismo aponta que os componentes da demanda interna terão um peso relativo maior sobre a dinâmica de crescimento no futuro. "Às dificuldades que enfrentam as economias da região para expandir o espaço tanto fiscal como monetário, somam-se as crescentes demandas por mudanças estruturais para enfrentar as profundas desigualdades que persistem na região."

O comunicado da Cepal não faz qualquer menção às crises políticas deflagradas na América do Sul recentemente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;