Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Parlamentares pró-democracia são intimados e presos em Hong Kong



09/11/2019 | 10:26


Sete parlamentares pró-democracia de Hong Kong estão presos ou poderão ser presos neste sábado, 9, na mais recente ação da polícia local, aumentando a indignação popular na ex-colônia britânica. Na sexta-feira, 8, a morte do estudante Alex Chow em decorrência de repressão policial gerou mais protestos contra o governo.

Segundo comunicado da polícia, três dos sete parlamentares foram em maio, acusados de obstruir uma assembleia local sobre um projeto lei de extradição de cidadãos suspeitos à China. Os outros legisladores foram intimados a se apresentarem em delegacias neste sábado para serem presos.

Os parlamentares criticaram a repressão do governo e avaliam que o movimento foi calculado, com o objetivo de provocar mais violência e resultar no adiamento ou cancelamento das eleições locais, marcadas para 24 de novembro. A votação é vista como termômetro do sentimento da população a respeito do território semi-autônomo chinês.

"Diremos não a seus planos", afirmou a parlamentar Tanya Chan, durante coletiva. "É um referendo de fato para todos os eleitores de Hong Kong votarem e dizerem não à brutalidade policial e ao nosso sistema injusto", destacou.

Segundo ela, a eleição também será uma mensagem crucial a Pequim, acusada por manifestantes de interferir nas liberdades e direitos de Hong Kong, estabelecidos quando a ex-colônia britânica voltou ao controle chinês, em 1997.

Gary Fan, um dos legisladores que foi intimado pela polícia, afirmou que sua prisão é uma tática para aumentar os ânimos e indignação popular. "As pessoas podem ver, claramente, que Carrie Lam (líder de Hong Kong) está se escondendo atrás da polícia e agora utiliza o sistema legal contra o movimento popular."

O secretário para Assuntos Constitucionais de Hong Kong, Patrick Nip, negou que as prisões estejam ligadas à eleição. Nip afirmou que o governo pretende conduzir a votação de maneira tranquila e pacífica.

Na sexta-feira, centenas de pessoas participaram de manifestações, pedindo verdade e justiça em nome de Alex Chow, o estudante que morreu em decorrência de repressão policial.

Mais protestos são aguardados para este fim de semana. Embora as circunstâncias da morte de Chow ainda não tenham sido completamente esclarecidas, muitos cidadãos culpam a polícia, acusada de aplicar táticas violentas contra a população, como o uso frequente de gás lacrimogêneo e spray de pimenta.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Parlamentares pró-democracia são intimados e presos em Hong Kong


09/11/2019 | 10:26


Sete parlamentares pró-democracia de Hong Kong estão presos ou poderão ser presos neste sábado, 9, na mais recente ação da polícia local, aumentando a indignação popular na ex-colônia britânica. Na sexta-feira, 8, a morte do estudante Alex Chow em decorrência de repressão policial gerou mais protestos contra o governo.

Segundo comunicado da polícia, três dos sete parlamentares foram em maio, acusados de obstruir uma assembleia local sobre um projeto lei de extradição de cidadãos suspeitos à China. Os outros legisladores foram intimados a se apresentarem em delegacias neste sábado para serem presos.

Os parlamentares criticaram a repressão do governo e avaliam que o movimento foi calculado, com o objetivo de provocar mais violência e resultar no adiamento ou cancelamento das eleições locais, marcadas para 24 de novembro. A votação é vista como termômetro do sentimento da população a respeito do território semi-autônomo chinês.

"Diremos não a seus planos", afirmou a parlamentar Tanya Chan, durante coletiva. "É um referendo de fato para todos os eleitores de Hong Kong votarem e dizerem não à brutalidade policial e ao nosso sistema injusto", destacou.

Segundo ela, a eleição também será uma mensagem crucial a Pequim, acusada por manifestantes de interferir nas liberdades e direitos de Hong Kong, estabelecidos quando a ex-colônia britânica voltou ao controle chinês, em 1997.

Gary Fan, um dos legisladores que foi intimado pela polícia, afirmou que sua prisão é uma tática para aumentar os ânimos e indignação popular. "As pessoas podem ver, claramente, que Carrie Lam (líder de Hong Kong) está se escondendo atrás da polícia e agora utiliza o sistema legal contra o movimento popular."

O secretário para Assuntos Constitucionais de Hong Kong, Patrick Nip, negou que as prisões estejam ligadas à eleição. Nip afirmou que o governo pretende conduzir a votação de maneira tranquila e pacífica.

Na sexta-feira, centenas de pessoas participaram de manifestações, pedindo verdade e justiça em nome de Alex Chow, o estudante que morreu em decorrência de repressão policial.

Mais protestos são aguardados para este fim de semana. Embora as circunstâncias da morte de Chow ainda não tenham sido completamente esclarecidas, muitos cidadãos culpam a polícia, acusada de aplicar táticas violentas contra a população, como o uso frequente de gás lacrimogêneo e spray de pimenta.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;