Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Expectativa pelo retorno dominava roda de conversa no sindicato


Fábio Martins
Do dgabc.com.br

09/11/2019 | 07:00


No Bar da Rosa, tradicional estabelecimento atrás do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na região central de São Bernardo, o clima era de expectativa pela volta do mais famoso representante da categoria.

Até mesmo altos dirigentes da entidade celebravam a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O assunto dominava as conversas, a exemplo de Vagner Freitas, ex-presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), e seu sucessor à frente da entidade, Sérgio Nobre. Eles projetavam como seria o ato pró-Lula em frente ao sindicato – marcado para hoje, a partir das 10h – e os efeitos políticos de sua liberdade. “Ato é cumprimento da Justiça. Não é só isso que queremos para a democracia. Lula tem que ser inocentado e seus processos, anulados”, disse Freitas.

Em frente ao apartamento de Lula, na Avenida Francisco Prestes Maia, o movimento era intenso de jornalistas e de alguns policiais. Mas como o petista decidiu não regressar ontem à cidade, os profissionais logo se dispersaram.

Na parte da tarde, quando o juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal, acatou pedido da defesa do ex-presidente para liberá-lo da carceragem da Polícia Federal na capital paranaense, era tímida a movimentação de pessoas na avenida da residência de Lula. Mas um veículo com adesivo do governo do Estado passou pelo local e um dos ocupantes do carro não pestanejou e gritou “Lula livre”. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Expectativa pelo retorno dominava roda de conversa no sindicato

Fábio Martins
Do dgabc.com.br

09/11/2019 | 07:00


No Bar da Rosa, tradicional estabelecimento atrás do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na região central de São Bernardo, o clima era de expectativa pela volta do mais famoso representante da categoria.

Até mesmo altos dirigentes da entidade celebravam a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O assunto dominava as conversas, a exemplo de Vagner Freitas, ex-presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), e seu sucessor à frente da entidade, Sérgio Nobre. Eles projetavam como seria o ato pró-Lula em frente ao sindicato – marcado para hoje, a partir das 10h – e os efeitos políticos de sua liberdade. “Ato é cumprimento da Justiça. Não é só isso que queremos para a democracia. Lula tem que ser inocentado e seus processos, anulados”, disse Freitas.

Em frente ao apartamento de Lula, na Avenida Francisco Prestes Maia, o movimento era intenso de jornalistas e de alguns policiais. Mas como o petista decidiu não regressar ontem à cidade, os profissionais logo se dispersaram.

Na parte da tarde, quando o juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal, acatou pedido da defesa do ex-presidente para liberá-lo da carceragem da Polícia Federal na capital paranaense, era tímida a movimentação de pessoas na avenida da residência de Lula. Mas um veículo com adesivo do governo do Estado passou pelo local e um dos ocupantes do carro não pestanejou e gritou “Lula livre”. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;