Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Santo André reabrirá Faisa em 2020

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Unidade especializada no atendimento infantil voltará a funcionar em seu local de origem, na UPA Central; início do serviço será em março


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

09/11/2019 | 07:00


Um antigo símbolo de Santo André promete ser reativado em março de 2020. A Prefeitura vai reabrir a Faisa (Fundação de Assistência à Infância de Santo André), que volta ao seu prédio inicial quando foi criada, em 1965, e onde hoje funciona a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Central, no Centro da cidade.

A partir de hoje, a administração municipal inicia as reformas e adequações para transformar a UPA em uma unidade infantil. Segundo o prefeito Paulo Serra (PSDB), há cerca de um ano o credenciamento do equipamento junto ao Ministério da Saúde está em curso e, agora, entra em sua reta final.

Assim como ocorre com as UPAs convencionais, o governo federal vai ser responsável por metade do custeio, estimado em R$ 1,5 milhão ao mês. A Prefeitura vai investir R$ 1 milhão nas melhorias, que vão contemplar pinturas interna e externa, revisão da parte elétrica e ampliação de leitos.

Quando estiver concluída, a UPA Infantil/Faisa vai contar com cinco consultórios e duas salas de classificação de risco, 15 leitos na área amarela, seis na área vermelha e quatro no isolamento, além de recepção central. A expectativa é a de sejam realizados 15 mil atendimentos mensais.

“Temos trabalhado no resgate dos bons simbolos da cidade, A Feira da Fraternidade, o Parque do Pedroso, Paranapiacaba e, também, pensando na boa qualidade e na modernização da saúde da cidade”, explicou o prefeito.

Segundo Paulo Serra, além de ter sido compromisso de campanha, a reabertura da Faisa – que deixou de funcionar em 2005 – ocorre porque foi identificada a necessidade de um equipamento especializado em atendimento infantil, principalmente aos fins de semana e na madrugada.

Durante as obras, a UPA Central não será fechada, mas, gradualmente, os munícipes serão orientados a procurar a UPA Perimetral (longe 1,5 quilômetro). “Não há necessidade de ter dois equipamentos com o mesmo perfil tão próximos um do outro. No Centro, a UPA Perimetral dá conta da demanda. No 2º Subdistrito, a UPA Bangu tem cumprido seu papel e, com a ampliação do PA (Pronto Atendimento) da Vila Luzita, a gente segue qualificando a rede de saúde, relatou.

A Faisa ainda existe juridicamente e tem 300 médicos contratados, que atuam na rede municipal de saúde. Em janeiro, serão admitidos mais profissionais pela FUABC (Fundação do ABC), que gerencia o serviço, para reforço da equipe. “É importante destacar que nenhum atendimeto pediátrico que existe hoje será fechado. Mas, a partir de março, a cidade volta a ter a referência em atendimento médico infantil”, destacou Paulo Serra. O público da UPA Infantil/Faisa será composto por crianças de zero a 12 anos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Santo André reabrirá Faisa em 2020

Unidade especializada no atendimento infantil voltará a funcionar em seu local de origem, na UPA Central; início do serviço será em março

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

09/11/2019 | 07:00


Um antigo símbolo de Santo André promete ser reativado em março de 2020. A Prefeitura vai reabrir a Faisa (Fundação de Assistência à Infância de Santo André), que volta ao seu prédio inicial quando foi criada, em 1965, e onde hoje funciona a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Central, no Centro da cidade.

A partir de hoje, a administração municipal inicia as reformas e adequações para transformar a UPA em uma unidade infantil. Segundo o prefeito Paulo Serra (PSDB), há cerca de um ano o credenciamento do equipamento junto ao Ministério da Saúde está em curso e, agora, entra em sua reta final.

Assim como ocorre com as UPAs convencionais, o governo federal vai ser responsável por metade do custeio, estimado em R$ 1,5 milhão ao mês. A Prefeitura vai investir R$ 1 milhão nas melhorias, que vão contemplar pinturas interna e externa, revisão da parte elétrica e ampliação de leitos.

Quando estiver concluída, a UPA Infantil/Faisa vai contar com cinco consultórios e duas salas de classificação de risco, 15 leitos na área amarela, seis na área vermelha e quatro no isolamento, além de recepção central. A expectativa é a de sejam realizados 15 mil atendimentos mensais.

“Temos trabalhado no resgate dos bons simbolos da cidade, A Feira da Fraternidade, o Parque do Pedroso, Paranapiacaba e, também, pensando na boa qualidade e na modernização da saúde da cidade”, explicou o prefeito.

Segundo Paulo Serra, além de ter sido compromisso de campanha, a reabertura da Faisa – que deixou de funcionar em 2005 – ocorre porque foi identificada a necessidade de um equipamento especializado em atendimento infantil, principalmente aos fins de semana e na madrugada.

Durante as obras, a UPA Central não será fechada, mas, gradualmente, os munícipes serão orientados a procurar a UPA Perimetral (longe 1,5 quilômetro). “Não há necessidade de ter dois equipamentos com o mesmo perfil tão próximos um do outro. No Centro, a UPA Perimetral dá conta da demanda. No 2º Subdistrito, a UPA Bangu tem cumprido seu papel e, com a ampliação do PA (Pronto Atendimento) da Vila Luzita, a gente segue qualificando a rede de saúde, relatou.

A Faisa ainda existe juridicamente e tem 300 médicos contratados, que atuam na rede municipal de saúde. Em janeiro, serão admitidos mais profissionais pela FUABC (Fundação do ABC), que gerencia o serviço, para reforço da equipe. “É importante destacar que nenhum atendimeto pediátrico que existe hoje será fechado. Mas, a partir de março, a cidade volta a ter a referência em atendimento médico infantil”, destacou Paulo Serra. O público da UPA Infantil/Faisa será composto por crianças de zero a 12 anos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;