Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro: Parte do que acontece na política do Brasil devemos a Sérgio Moro



08/11/2019 | 12:30


Um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir pelo fim da prisão de pessoas condenadas em segunda instância, o presidente Jair Bolsonaro fez referências à Lava Jato e elogiou o ministro da Justiça, Sérgio Moro. "Parte do que acontece na política do Brasil devemos a Sérgio Moro", afirmou. Minutos antes, ele associou sua eleição para presidente da República à atuação de Moro enquanto estava na Lava Jato. As afirmações foram feitas durante a cerimônia de formatura de profissionais da Polícia Federal, realizada na manhã desta sexta-feira, 8.

Ainda no discurso, Bolsonaro afirmou ter escolhido bem sua equipe de ministros e fez referências ao fato de Moro não ter se unido à equipe ainda durante o período da campanha eleitoral. O presidente afirmou que Moro não poderia se aproximar de políticos, não poderia ter um partido. "Ele estava cumprindo uma missão. Se a missão (não) fosse bem cumprida eu também não estaria aqui."

Recebido aos gritos de "mito", Bolsonaro, afirmou aos formandos: "fico imaginando o que passa na cabeça de vocês, a vontade de acertar... Mas botem uma coisa na cabeça de vocês. Nós, pessoas de bem, somos maioria desse Brasil". Depois da cerimônia, Bolsonaro foi para o Palácio Alvorada.

Hoje, Bolsonaro fugiu à rotina de parar para conversar com populares. Pela manhã, antes de ir à cerimônia, passou direto por um grupo de apoiadores que se concentravam na frente da residência oficial. Há pouco, ele retornou para o Alvorada, também sem se pronunciar.

A decisão do STF, dada ontem à noite depois de um longo período de discussão, abre o caminho para que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva entre em liberdade. Lula está preso em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. A decisão deverá beneficiar ainda cerca de 5.000 pessoas que estão presas depois de condenação de segunda instância.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro: Parte do que acontece na política do Brasil devemos a Sérgio Moro


08/11/2019 | 12:30


Um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir pelo fim da prisão de pessoas condenadas em segunda instância, o presidente Jair Bolsonaro fez referências à Lava Jato e elogiou o ministro da Justiça, Sérgio Moro. "Parte do que acontece na política do Brasil devemos a Sérgio Moro", afirmou. Minutos antes, ele associou sua eleição para presidente da República à atuação de Moro enquanto estava na Lava Jato. As afirmações foram feitas durante a cerimônia de formatura de profissionais da Polícia Federal, realizada na manhã desta sexta-feira, 8.

Ainda no discurso, Bolsonaro afirmou ter escolhido bem sua equipe de ministros e fez referências ao fato de Moro não ter se unido à equipe ainda durante o período da campanha eleitoral. O presidente afirmou que Moro não poderia se aproximar de políticos, não poderia ter um partido. "Ele estava cumprindo uma missão. Se a missão (não) fosse bem cumprida eu também não estaria aqui."

Recebido aos gritos de "mito", Bolsonaro, afirmou aos formandos: "fico imaginando o que passa na cabeça de vocês, a vontade de acertar... Mas botem uma coisa na cabeça de vocês. Nós, pessoas de bem, somos maioria desse Brasil". Depois da cerimônia, Bolsonaro foi para o Palácio Alvorada.

Hoje, Bolsonaro fugiu à rotina de parar para conversar com populares. Pela manhã, antes de ir à cerimônia, passou direto por um grupo de apoiadores que se concentravam na frente da residência oficial. Há pouco, ele retornou para o Alvorada, também sem se pronunciar.

A decisão do STF, dada ontem à noite depois de um longo período de discussão, abre o caminho para que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva entre em liberdade. Lula está preso em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. A decisão deverá beneficiar ainda cerca de 5.000 pessoas que estão presas depois de condenação de segunda instância.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;