Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com Lula e EUA-China no radar

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/11/2019 | 09:52


O dólar opera em alta em meio a mau humor entre agentes financeiros com a expectativa de soltura do ex-presidente Lula, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão em segunda instância antes do trânsito em julgado dos processos.

"A proximidade do final de semana, com esquerda se movimentando dada a chance de Lula ser solto, pode justificar certa cautela", disse o operador Luis Felipe Laudisio dos Santos, da Renascença DTVM, em nota a clientes.

Estão no radar também a possibilidade de novas saídas financeiras do país, pela proximidade do final de ano, quando se intensificam as remessas de capitais de bancos e empresas às matrizes no exterior.

Nos mercados internacionais, as bolsas em Nova York viraram para o lado positivo há pouco, mas o índice do dólar seguia em alta de 0,16%, em 98,295 pontos, assim como a divisa dos EUA ante moedas emergentes ligadas a commodities. Os investidores adotam certa cautela após o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, ter afirmado ontem não haver no momento nenhum acerto para remover "qualquer das tarifas existentes" sobre importações da China como "condição para a fase 1 do acordo". A informação ofusca uma melhora na balança comercial chinesa em outubro.

Às 9h24, o dólar à vista subia 0,52%, a R$ 4,1143. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,38%, em R$ 4,1180.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a produção industrial recuou na maioria dos locais pesquisados em setembro deste ano em relação a setembro do ano passado. Houve crescimento em apenas seis dos 15 locais pesquisados, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional. Os avanços ocorreram no Amazonas (16,7%), Paraná (7,4%), Rio de Janeiro (7,0%), Santa Catarina (5,2%), São Paulo (3,6%) e Goiás (1,6%). A produção do Ceará ficou estável (0,0%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com Lula e EUA-China no radar


08/11/2019 | 09:52


O dólar opera em alta em meio a mau humor entre agentes financeiros com a expectativa de soltura do ex-presidente Lula, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão em segunda instância antes do trânsito em julgado dos processos.

"A proximidade do final de semana, com esquerda se movimentando dada a chance de Lula ser solto, pode justificar certa cautela", disse o operador Luis Felipe Laudisio dos Santos, da Renascença DTVM, em nota a clientes.

Estão no radar também a possibilidade de novas saídas financeiras do país, pela proximidade do final de ano, quando se intensificam as remessas de capitais de bancos e empresas às matrizes no exterior.

Nos mercados internacionais, as bolsas em Nova York viraram para o lado positivo há pouco, mas o índice do dólar seguia em alta de 0,16%, em 98,295 pontos, assim como a divisa dos EUA ante moedas emergentes ligadas a commodities. Os investidores adotam certa cautela após o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, ter afirmado ontem não haver no momento nenhum acerto para remover "qualquer das tarifas existentes" sobre importações da China como "condição para a fase 1 do acordo". A informação ofusca uma melhora na balança comercial chinesa em outubro.

Às 9h24, o dólar à vista subia 0,52%, a R$ 4,1143. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,38%, em R$ 4,1180.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a produção industrial recuou na maioria dos locais pesquisados em setembro deste ano em relação a setembro do ano passado. Houve crescimento em apenas seis dos 15 locais pesquisados, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional. Os avanços ocorreram no Amazonas (16,7%), Paraná (7,4%), Rio de Janeiro (7,0%), Santa Catarina (5,2%), São Paulo (3,6%) e Goiás (1,6%). A produção do Ceará ficou estável (0,0%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;