Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Apesar de otimismo com acordo, tensões afetarão exportações da China, diz Oxford



08/11/2019 | 05:01


Embora haja otimismo sobre um acordo preliminar entre Estados Unidos e China e uma possível remoção parcial das tarifas, as tensões comerciais continuarão a pesar sobre a perspectiva para as exportações chinesas, avalia a Oxford Economics.

"Apesar das visões positivas sobre um acordo 'fase um' com os EUA, ainda é pouco provável que a maior parte das tarifas seja removida em breve", analisam o economista sênior Tommy Wu e o chefe de economia asiática Louis Kujis, da Oxford, em relatório enviado a clientes. "Também há uma lacuna nas percepções sobre o que cada lado concedeu e ganhou, o que implica em alto risco de reescalada das tensões em 2020".

Os especialistas ressaltam que as exportações chinesas aos americanos tiveram baixa de 16,2% na comparação anual de outubro. Por outro lado, eles estimam que os volumes de exportações tiveram ligeira alta de 0,3% no período. Em valores, as vendas chinesas para a União Europeia cresceram 3,1%, e para países do Sudeste Asiático, 15,8%, ante outubro de 2018.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apesar de otimismo com acordo, tensões afetarão exportações da China, diz Oxford


08/11/2019 | 05:01


Embora haja otimismo sobre um acordo preliminar entre Estados Unidos e China e uma possível remoção parcial das tarifas, as tensões comerciais continuarão a pesar sobre a perspectiva para as exportações chinesas, avalia a Oxford Economics.

"Apesar das visões positivas sobre um acordo 'fase um' com os EUA, ainda é pouco provável que a maior parte das tarifas seja removida em breve", analisam o economista sênior Tommy Wu e o chefe de economia asiática Louis Kujis, da Oxford, em relatório enviado a clientes. "Também há uma lacuna nas percepções sobre o que cada lado concedeu e ganhou, o que implica em alto risco de reescalada das tensões em 2020".

Os especialistas ressaltam que as exportações chinesas aos americanos tiveram baixa de 16,2% na comparação anual de outubro. Por outro lado, eles estimam que os volumes de exportações tiveram ligeira alta de 0,3% no período. Em valores, as vendas chinesas para a União Europeia cresceram 3,1%, e para países do Sudeste Asiático, 15,8%, ante outubro de 2018.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;