Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ata: projeção para IPCA 2019 no cenário de mercado está em 3,4%



05/11/2019 | 09:18


A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada nesta terça-feira, 5, indicou que a projeção para o IPCA de 2019 no cenário de mercado está em 3,4%. Já a projeção para 2020 é de 3,6% e, para 2021, de 3,5%.

Estes são os mesmos valores citados no comunicado que acompanhou a decisão do colegiado, na semana passada, quando a Selic (a taxa básica de juros) passou de 5,50% para 5,00% ao ano. Foi o terceiro corte consecutivo da taxa básica. O cenário de mercado utiliza como referência as projeções do Relatório de Mercado Focus para a Selic e o câmbio.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado no fim de setembro, as projeções do cenário de mercado estavam em 3,3% para 2019, 3,6% para 2020 e 3,7% para 2021.

Cenário de referência

Na ata de hoje, o BC não publicou suas projeções para o cenário de referência - que utiliza a Selic e o câmbio em valores fixos em todo o horizonte relevante para a política monetária. No comunicado da semana passada, a instituição já havia optado por não publicar o cenário de referência.

Isso ocorre porque as projeções que vinham sendo divulgadas levavam em conta a Selic praticada até o momento da decisão do Copom. Assim, o BC consideraria, no comunicado da semana passada e na ata de hoje, uma taxa básica de 5,50% ao ano - e não de 5,00% ao ano. Na prática, o cenário de referência com este parâmetro já demonstraria defasagem. O BC optou por excluí-lo das comunicações.

Cenário híbrido

No comunicado da semana passada e na ata de hoje, o BC publicou projeções de seu cenário híbrido, com câmbio constante a R$ 4,05 e Selic do relatório Focus. Neste cenário, a projeção para 2019 é de 3,4%. No caso de 2020, está em 3,7% e, para 2021, em 3,6%.

O centro da meta de inflação perseguida pela instituição este ano é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 2,75% e 5,75%). No caso de 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 2,5% a 5,5%). Já a meta para 2021 é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). Para 2022, a meta é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%).

No Relatório de Mercado Focus publicado ontem, as instituições financeiras projetaram inflação de 3,29% em 2019, 3,60 % em 2020 e 3,75% em 2021.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ata: projeção para IPCA 2019 no cenário de mercado está em 3,4%


05/11/2019 | 09:18


A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada nesta terça-feira, 5, indicou que a projeção para o IPCA de 2019 no cenário de mercado está em 3,4%. Já a projeção para 2020 é de 3,6% e, para 2021, de 3,5%.

Estes são os mesmos valores citados no comunicado que acompanhou a decisão do colegiado, na semana passada, quando a Selic (a taxa básica de juros) passou de 5,50% para 5,00% ao ano. Foi o terceiro corte consecutivo da taxa básica. O cenário de mercado utiliza como referência as projeções do Relatório de Mercado Focus para a Selic e o câmbio.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado no fim de setembro, as projeções do cenário de mercado estavam em 3,3% para 2019, 3,6% para 2020 e 3,7% para 2021.

Cenário de referência

Na ata de hoje, o BC não publicou suas projeções para o cenário de referência - que utiliza a Selic e o câmbio em valores fixos em todo o horizonte relevante para a política monetária. No comunicado da semana passada, a instituição já havia optado por não publicar o cenário de referência.

Isso ocorre porque as projeções que vinham sendo divulgadas levavam em conta a Selic praticada até o momento da decisão do Copom. Assim, o BC consideraria, no comunicado da semana passada e na ata de hoje, uma taxa básica de 5,50% ao ano - e não de 5,00% ao ano. Na prática, o cenário de referência com este parâmetro já demonstraria defasagem. O BC optou por excluí-lo das comunicações.

Cenário híbrido

No comunicado da semana passada e na ata de hoje, o BC publicou projeções de seu cenário híbrido, com câmbio constante a R$ 4,05 e Selic do relatório Focus. Neste cenário, a projeção para 2019 é de 3,4%. No caso de 2020, está em 3,7% e, para 2021, em 3,6%.

O centro da meta de inflação perseguida pela instituição este ano é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 2,75% e 5,75%). No caso de 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 2,5% a 5,5%). Já a meta para 2021 é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). Para 2022, a meta é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%).

No Relatório de Mercado Focus publicado ontem, as instituições financeiras projetaram inflação de 3,29% em 2019, 3,60 % em 2020 e 3,75% em 2021.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;