Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Copom reduz taxa básica da economia para 5% ao ano e indica novo corte

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mesmo assim, juros reais do País, de 1,65%, são o 8º maior em 40 nações


Do Dgabc.com.br

31/10/2019 | 07:30


A recuperação lenta da economia brasileira e os índices controlados de inflação levaram o BC (Banco Central) a promover ontem a terceira redução consecutiva de juros. O Copom (Comitê de Política Monetária) anunciou corte de 0,50 ponto percentual da Selic (a taxa básica da economia), de 5,5% para 5% ao ano. Com isso, a taxa está agora em novo piso da série histórica, iniciada em junho de 1996.

A decisão era largamente esperada pelo mercado financeiro. Na avaliação do Copom, as reformas econômicas têm avançado no Brasil, mas é preciso “perseverar nesse processo”. A reunião foi a primeira do colegiado desde que as mudanças na Previdência foram aprovadas no Congresso. A expectativa do BC é a de que, com o reequilíbrio das contas públicas com as reformas, a queda dos juros se consolide e a economia se recupere de forma sustentável e em ritmo gradual.

Na avaliação do Copom, o ambiente externo segue “relativamente favorável” para países emergentes, mas os riscos de uma desaceleração global mais intensa permanecem. A instituição também levou em conta os índices de inflação, que estão controlados, e deixou margem para novo corte de meio ponto porcentual em dezembro, o que faria a Selic atingir 4,5%.

Para o economista Julio Cesar Barros, da Mongeral Aegon Investimentos, “a janela para juros abaixo de 4,5% ficou bem menor do que o mercado estava esperando.” O economista-chefe do Haitong Banco de Investimentos, Flávio Serrano, segue a mesma linha. “O Copom deixa claro que haverá mais uma queda de 0,5 ponto em dezembro, mas a tendência é não fazer mais nada depois disso.”

A nova taxa básica levou Banco do Brasil, Caixa, Itaú e Bradesco a anunciarem cortes em diversas linhas, de empréstimo pessoal a crédito imobiliário.

O presidente da Foça Sindical, Miguel Torres, analisou como tímida a queda na taxa que, segundo ele, frustrou o setor produtivo e se curvou aos especuladores. “Os trabalhadores almejam por uma queda drástica na taxa de juros. A Selic continua proibitiva, e o Brasil perde outra chance de apostar na produção, consumo e geração de empregos. Vale destacar que juros altos sangram o País e inviabilizam o desenvolvimento. O pagamento de juros, por parte do governo, consome e restringe consideravelmente as possibilidades de crescimento, bem como os investimentos em educação, saúde e infraestrutura, entre outros”, avaliou.

Não à toa, mesmo com a redução, o Brasil ainda detém uma das maiores taxas reais (descontada a inflação) do mundo. Levantamento do site MoneYou e da Infinity Asset mostra que os juros reais do Brasil, de 1,65%, são o oitavo maior entre as 40 economias mais relevantes.

(com Estadão Conteúdo) 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Copom reduz taxa básica da economia para 5% ao ano e indica novo corte

Mesmo assim, juros reais do País, de 1,65%, são o 8º maior em 40 nações

Do Dgabc.com.br

31/10/2019 | 07:30


A recuperação lenta da economia brasileira e os índices controlados de inflação levaram o BC (Banco Central) a promover ontem a terceira redução consecutiva de juros. O Copom (Comitê de Política Monetária) anunciou corte de 0,50 ponto percentual da Selic (a taxa básica da economia), de 5,5% para 5% ao ano. Com isso, a taxa está agora em novo piso da série histórica, iniciada em junho de 1996.

A decisão era largamente esperada pelo mercado financeiro. Na avaliação do Copom, as reformas econômicas têm avançado no Brasil, mas é preciso “perseverar nesse processo”. A reunião foi a primeira do colegiado desde que as mudanças na Previdência foram aprovadas no Congresso. A expectativa do BC é a de que, com o reequilíbrio das contas públicas com as reformas, a queda dos juros se consolide e a economia se recupere de forma sustentável e em ritmo gradual.

Na avaliação do Copom, o ambiente externo segue “relativamente favorável” para países emergentes, mas os riscos de uma desaceleração global mais intensa permanecem. A instituição também levou em conta os índices de inflação, que estão controlados, e deixou margem para novo corte de meio ponto porcentual em dezembro, o que faria a Selic atingir 4,5%.

Para o economista Julio Cesar Barros, da Mongeral Aegon Investimentos, “a janela para juros abaixo de 4,5% ficou bem menor do que o mercado estava esperando.” O economista-chefe do Haitong Banco de Investimentos, Flávio Serrano, segue a mesma linha. “O Copom deixa claro que haverá mais uma queda de 0,5 ponto em dezembro, mas a tendência é não fazer mais nada depois disso.”

A nova taxa básica levou Banco do Brasil, Caixa, Itaú e Bradesco a anunciarem cortes em diversas linhas, de empréstimo pessoal a crédito imobiliário.

O presidente da Foça Sindical, Miguel Torres, analisou como tímida a queda na taxa que, segundo ele, frustrou o setor produtivo e se curvou aos especuladores. “Os trabalhadores almejam por uma queda drástica na taxa de juros. A Selic continua proibitiva, e o Brasil perde outra chance de apostar na produção, consumo e geração de empregos. Vale destacar que juros altos sangram o País e inviabilizam o desenvolvimento. O pagamento de juros, por parte do governo, consome e restringe consideravelmente as possibilidades de crescimento, bem como os investimentos em educação, saúde e infraestrutura, entre outros”, avaliou.

Não à toa, mesmo com a redução, o Brasil ainda detém uma das maiores taxas reais (descontada a inflação) do mundo. Levantamento do site MoneYou e da Infinity Asset mostra que os juros reais do Brasil, de 1,65%, são o oitavo maior entre as 40 economias mais relevantes.

(com Estadão Conteúdo) 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;