Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Boa tese para discutir


Márcio Bernardes

28/10/2019 | 21:19


 Discussão interessante foi estabelecida nos últimos dias. Jorge Jesus, que vem fazendo sucesso no Flamengo, deveria ser o novo técnico da seleção brasileira?! Sinal indiscutível de que Tite não está agradando.

Sobre a conduta do atual técnico nacional eu também tenho várias reservas. Ele fez uma grande Eliminatórias em 2017, recuperou o time que estava a deriva com Dunga, mas depois disso, inclusive na Copa da Rússia, não me convenceu.

Sobre Tite há muitas ressalvas. Mas Jesus, apesar de ter se transformado em Deus para os flamenguistas, faltam-lhe detalhes e qualidades ainda não demonstradas para comandar a seleção brasileira.

Tempo ao tempo. Talvez no final do ano, começo de 2020, minha opinião poderá ser modificada. Mas esse tema deve ser útil para Tite se coçar. Ele sabe que não está agradando. E pode não chegar a Copa do Catar. Apesar de Jesus ou do Espírito Santo.

Carille(s)

Os corintianos discutem as diferenças de Carille de 2017 e 2019. Os dois elencos eram ou é limitado e os jogadores tinham ou têm qualidade técnica mediana.

O esquema dos dois anos era idêntico e chegou a ser louvado pela torcida e por parte da crítica especializada. A razão disso? Antes o Corinthians foi campeão, apesar dos pesares. Quando ganha, defeito vira qualidade. Agora está ameaçado até de não se classificar para a Libertadores de 2020.

A volta de Carille para o Corinthians foi uma conveniência para o presidente Andrez Sanches, que nunca expressou admiração pelo trabalho do treinador. É que o time estava a deriva, não conseguia bons resultados com Osmar Loss e Jair Ventura. Toda torcida pedia Carille que estava voltando da Arábia Saudita, onde seu trabalho não vingou. A volta acabou ficando boa para todas as partes.

Apesar da falta de bons jogadores, o esquema de jogo está sendo muito contestado. Quando o time não ganha, como agora e ao contrário de 2017, mesmo jogando na retranca ou no ataque, o que a torcida quer é vitórias. E ponto final.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Boa tese para discutir

Márcio Bernardes

28/10/2019 | 21:19


 Discussão interessante foi estabelecida nos últimos dias. Jorge Jesus, que vem fazendo sucesso no Flamengo, deveria ser o novo técnico da seleção brasileira?! Sinal indiscutível de que Tite não está agradando.

Sobre a conduta do atual técnico nacional eu também tenho várias reservas. Ele fez uma grande Eliminatórias em 2017, recuperou o time que estava a deriva com Dunga, mas depois disso, inclusive na Copa da Rússia, não me convenceu.

Sobre Tite há muitas ressalvas. Mas Jesus, apesar de ter se transformado em Deus para os flamenguistas, faltam-lhe detalhes e qualidades ainda não demonstradas para comandar a seleção brasileira.

Tempo ao tempo. Talvez no final do ano, começo de 2020, minha opinião poderá ser modificada. Mas esse tema deve ser útil para Tite se coçar. Ele sabe que não está agradando. E pode não chegar a Copa do Catar. Apesar de Jesus ou do Espírito Santo.

Carille(s)

Os corintianos discutem as diferenças de Carille de 2017 e 2019. Os dois elencos eram ou é limitado e os jogadores tinham ou têm qualidade técnica mediana.

O esquema dos dois anos era idêntico e chegou a ser louvado pela torcida e por parte da crítica especializada. A razão disso? Antes o Corinthians foi campeão, apesar dos pesares. Quando ganha, defeito vira qualidade. Agora está ameaçado até de não se classificar para a Libertadores de 2020.

A volta de Carille para o Corinthians foi uma conveniência para o presidente Andrez Sanches, que nunca expressou admiração pelo trabalho do treinador. É que o time estava a deriva, não conseguia bons resultados com Osmar Loss e Jair Ventura. Toda torcida pedia Carille que estava voltando da Arábia Saudita, onde seu trabalho não vingou. A volta acabou ficando boa para todas as partes.

Apesar da falta de bons jogadores, o esquema de jogo está sendo muito contestado. Quando o time não ganha, como agora e ao contrário de 2017, mesmo jogando na retranca ou no ataque, o que a torcida quer é vitórias. E ponto final.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;