Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Establishment político tenta se proteger das mudanças', diz Huck

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


30/10/2019 | 11:05


Durante o evento Estadão Summit Brasil nesta quarta-feira, dia 30, o apresentador de TV Luciano Huck, apontado como possível candidato a presidente em 2022, disse que o establishment político no Brasil "tenta se proteger de qualquer forma das mudanças".

Em discurso permeado por exemplos de conversas que teve com pessoas ao redor do País, Huck disse que decidiu entrar no debate político, por meio de movimentos cívicos como o Agora, porque "a conjuntura geopolítica do mundo" o colocou nessa posição. "Eu tinha dois caminhos: ou eu fingia que não era comigo ou eu contribuía de alguma forma", disse o apresentador de TV, afirmando que decidiu contribuir. Huck criticou a polarização no Brasil. Em sua avaliação, ela impede a continuidade de políticas públicas que deram certo no passado.

Gestão eficiente

O apresentador de TV também defendeu a austeridade do Estado, mas disse que o governo precisa olhar para a questão social. "A gente vive em um país extremamente desigual. Se a gente não fizer nada, vamos ter a perpetuação da pobreza no Brasil", disse. "A gente tem que ganhar eficiência na gestão, e a tecnologia vem para ajudar muito. O Estado tem um papel importante, mas não acho que tem que ser Estado empresário", ponderou.

"Só vai conseguir cuidar das pessoas quem cuidar das suas contas", continuou o apresentador, acrescentando que o Estado precisa ter o tamanho necessário e que há questões complexas, como a desigualdade, que precisam ser resolvidas.

Luciano Huck afirmou que não vê necessidade de se rotular politicamente e que vê coisas positivas na esquerda, como a preocupação com o social, e na direita, como o foco na eficiência. "O marxismo não deu certo e liberalismo puro, também não."

Huck defendeu, ainda, que é preciso qualificar a política para se ter um Estado eficiente, porque são os políticos que comandam o Estado. "Meu papel é jogar luz no debate e trazer gente para a política".

Sobre ter financiado um jatinho com recursos do BNDES, fato que já foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro, Huck disse que "não há nada errado". "Pago meus impostos", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Establishment político tenta se proteger das mudanças', diz Huck


30/10/2019 | 11:05


Durante o evento Estadão Summit Brasil nesta quarta-feira, dia 30, o apresentador de TV Luciano Huck, apontado como possível candidato a presidente em 2022, disse que o establishment político no Brasil "tenta se proteger de qualquer forma das mudanças".

Em discurso permeado por exemplos de conversas que teve com pessoas ao redor do País, Huck disse que decidiu entrar no debate político, por meio de movimentos cívicos como o Agora, porque "a conjuntura geopolítica do mundo" o colocou nessa posição. "Eu tinha dois caminhos: ou eu fingia que não era comigo ou eu contribuía de alguma forma", disse o apresentador de TV, afirmando que decidiu contribuir. Huck criticou a polarização no Brasil. Em sua avaliação, ela impede a continuidade de políticas públicas que deram certo no passado.

Gestão eficiente

O apresentador de TV também defendeu a austeridade do Estado, mas disse que o governo precisa olhar para a questão social. "A gente vive em um país extremamente desigual. Se a gente não fizer nada, vamos ter a perpetuação da pobreza no Brasil", disse. "A gente tem que ganhar eficiência na gestão, e a tecnologia vem para ajudar muito. O Estado tem um papel importante, mas não acho que tem que ser Estado empresário", ponderou.

"Só vai conseguir cuidar das pessoas quem cuidar das suas contas", continuou o apresentador, acrescentando que o Estado precisa ter o tamanho necessário e que há questões complexas, como a desigualdade, que precisam ser resolvidas.

Luciano Huck afirmou que não vê necessidade de se rotular politicamente e que vê coisas positivas na esquerda, como a preocupação com o social, e na direita, como o foco na eficiência. "O marxismo não deu certo e liberalismo puro, também não."

Huck defendeu, ainda, que é preciso qualificar a política para se ter um Estado eficiente, porque são os políticos que comandam o Estado. "Meu papel é jogar luz no debate e trazer gente para a política".

Sobre ter financiado um jatinho com recursos do BNDES, fato que já foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro, Huck disse que "não há nada errado". "Pago meus impostos", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;