Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Moradores de Mauá protestam contra mudanças em UBS

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em reforma, unidade de saúde do Jardim Feital teve atendimentos transferidos para UBS do Itapark; munícipes se queixam da distância


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

30/10/2019 | 07:00


Moradores e conselheiros de saúde do Jardim Feital, em Mauá, estão insatisfeitos com mudanças promovidas no atendimento da atenção básica pela Prefeitura. A UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro foi fechada em 10 de outubro para reformas, com previsão de conclusão em 20 de março de 2020, e desde então, os atendimentos foram transferidos para a UBS Kennedy, no Itapark. Os munícipes se queixam que a obra foi iniciada sem aviso prévio e também da distância e da dificuldade de acesso aos serviços, especialmente para idosos e pessoas com mobilidade reduzida.

Insatisfeitos com as mudanças, grupo de moradores propõe que ao menos atendimentos mais simples, como aferição de pressão arterial e teste de glicemia, possam ser feitos no Cras (Centro de Referência em Assistência Social) que existe próximo à UBS, na comunidade católica localizada na mesma rua do equipamento, ou na sede da associação de bairro. “Para as pessoas que moram mais longe daqui, como no Capiburgo, fica quase impossível ir até a UBS Kennedy”, justificou a conselheira de saúde Rosileia de Moura Lima, 42 anos.

Para os pacientes diabéticos, que precisam medir a glicemia todos os dias, a mudança tem afetado o tratamento. O metalúrgico aposentado Francisco Rodrigues de Azevedo, 72, relatou que há duas semanas não tem feito o teste. A dona de casa Maria Djalva Gonçalves Ribeiro, 60, cuida do marido José Ilton Dantas Vieira, 65, metalúrgico aposentado, que sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e faz o acompanhamento na unidade de saúde. “De ônibus a gente precisa pegar duas conduções ou uma e andar um bom pedaço. Não sei como vai ser para levá-lo até lá”, protestou Maria Djalva.

Os moradores sugeriram, ainda, que o atendimento de referência durante a reforma pudesse ser executado na UBS São João ou que a administração municipal disponibilizasse transporte gratuito aos pacientes. “Estamos em uma região de vulnerabilidade e com grande número de desempregados. Aqui a população depende quase que 100% da saúde pública”, afirmou o operador de máquinas aposentado, Luiz Miguel Neto, 62.

Além da mudança, os munícipes também se queixaram da falta de médicos na UBS. A costureira Sirlei da Cruz Café Calazans, 46, passou em consulta em janeiro e até agora não conseguiu marcar retorno para mostrar os resultados dos exames solicitados. 

Em nota, a Prefeitura de Mauá informou que os agentes comunitários de saúde realizam atendimentos rotineiros como aferição de pressão e teste de glicemia de casa em casa, auxiliando as famílias que moram na região. Segundo a administração, a UBS São João não comporta o número de moradores da Vila Feital e, por isso, foram reencaminhados à UBS Kennedy, que possui maior espaço. 

“O transporte é estudado para melhor atender a população do bairro. Sobre as marcações de consulta, já está prevista a contratação de 32 médicos e especialistas que desafogarão as filas de espera, além das carretas que chegarão à cidade com especialidades como oftalmologia, pediatria, dentista, ginecologista e clínico geral”, relatou o comunicado municipal. A administração não informou quando os novos médicos passarão a atender na rede.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moradores de Mauá protestam contra mudanças em UBS

Em reforma, unidade de saúde do Jardim Feital teve atendimentos transferidos para UBS do Itapark; munícipes se queixam da distância

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

30/10/2019 | 07:00


Moradores e conselheiros de saúde do Jardim Feital, em Mauá, estão insatisfeitos com mudanças promovidas no atendimento da atenção básica pela Prefeitura. A UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro foi fechada em 10 de outubro para reformas, com previsão de conclusão em 20 de março de 2020, e desde então, os atendimentos foram transferidos para a UBS Kennedy, no Itapark. Os munícipes se queixam que a obra foi iniciada sem aviso prévio e também da distância e da dificuldade de acesso aos serviços, especialmente para idosos e pessoas com mobilidade reduzida.

Insatisfeitos com as mudanças, grupo de moradores propõe que ao menos atendimentos mais simples, como aferição de pressão arterial e teste de glicemia, possam ser feitos no Cras (Centro de Referência em Assistência Social) que existe próximo à UBS, na comunidade católica localizada na mesma rua do equipamento, ou na sede da associação de bairro. “Para as pessoas que moram mais longe daqui, como no Capiburgo, fica quase impossível ir até a UBS Kennedy”, justificou a conselheira de saúde Rosileia de Moura Lima, 42 anos.

Para os pacientes diabéticos, que precisam medir a glicemia todos os dias, a mudança tem afetado o tratamento. O metalúrgico aposentado Francisco Rodrigues de Azevedo, 72, relatou que há duas semanas não tem feito o teste. A dona de casa Maria Djalva Gonçalves Ribeiro, 60, cuida do marido José Ilton Dantas Vieira, 65, metalúrgico aposentado, que sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e faz o acompanhamento na unidade de saúde. “De ônibus a gente precisa pegar duas conduções ou uma e andar um bom pedaço. Não sei como vai ser para levá-lo até lá”, protestou Maria Djalva.

Os moradores sugeriram, ainda, que o atendimento de referência durante a reforma pudesse ser executado na UBS São João ou que a administração municipal disponibilizasse transporte gratuito aos pacientes. “Estamos em uma região de vulnerabilidade e com grande número de desempregados. Aqui a população depende quase que 100% da saúde pública”, afirmou o operador de máquinas aposentado, Luiz Miguel Neto, 62.

Além da mudança, os munícipes também se queixaram da falta de médicos na UBS. A costureira Sirlei da Cruz Café Calazans, 46, passou em consulta em janeiro e até agora não conseguiu marcar retorno para mostrar os resultados dos exames solicitados. 

Em nota, a Prefeitura de Mauá informou que os agentes comunitários de saúde realizam atendimentos rotineiros como aferição de pressão e teste de glicemia de casa em casa, auxiliando as famílias que moram na região. Segundo a administração, a UBS São João não comporta o número de moradores da Vila Feital e, por isso, foram reencaminhados à UBS Kennedy, que possui maior espaço. 

“O transporte é estudado para melhor atender a população do bairro. Sobre as marcações de consulta, já está prevista a contratação de 32 médicos e especialistas que desafogarão as filas de espera, além das carretas que chegarão à cidade com especialidades como oftalmologia, pediatria, dentista, ginecologista e clínico geral”, relatou o comunicado municipal. A administração não informou quando os novos médicos passarão a atender na rede.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;