Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cade abre processo administrativo que envolve Itaú e rede

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/10/2019 | 08:41


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou preventivamente que a Rede, empresa de meios de pagamentos, pare de exigir que seus clientes tenham conta bancária no Itaú para realizar a antecipação de pagamentos. Em uma ofensiva na guerra das maquininhas, a Rede lançou em abril uma campanha na qual antecipava para dois dias a liquidação de créditos para lojistas com conta no Itaú. Para quem não era correntista, contudo, o prazo continuou em 30 dias.

Ontem, a Superintendência-Geral do Cade instaurou um processo administrativo para investigar Rede e Itaú por conduta anticompetitiva. Em abril, o órgão havia aberto um processo preparatório, primeira etapa na investigação.

O conselho também decidiu adotar medida preventiva para evitar efeitos lesivos à concorrência. A Rede ainda terá de comunicar a todos seus clientes que não será necessário manter conta no Itaú para ter acesso à redução do prazo. "A Rede pode continuar oferecendo a promoção, desde que o consumidor possa receber no banco de sua escolha", afirmou o Cade, em nota. Em 2012, o Itaú assumiu o controle da empresa de meios de pagamento.

A medida determina ainda a retirada de circulação das peças publicitárias que fazem referência ao que o Cade chamou de "venda casada".

"Embora a campanha possa reduzir o custo de antecipação para o estabelecimento no curto prazo, há possibilidade de gerar distorções e comprometer a competição no setor em médio prazo", afirma o conselho. "A imposição de domicílio no Itaú tem grande potencial de prejudicar tanto o mercado de serviços bancários quanto o de credenciamento."

Rede e Itaú serão notificadas a apresentarem defesa. Se condenadas, poderão pagar multas de até 20% do faturamento.

Competição

Rede e Itaú disseram que operam de forma "pró-competitiva" e que beneficiam "milhões de clientes da credenciadora ao isentá-los de uma taxa que impacta de maneira relevante o pequeno e médio negócio". Rede e Itaú disseram não terem sido informados da decisão do Cade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cade abre processo administrativo que envolve Itaú e rede


26/10/2019 | 08:41


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou preventivamente que a Rede, empresa de meios de pagamentos, pare de exigir que seus clientes tenham conta bancária no Itaú para realizar a antecipação de pagamentos. Em uma ofensiva na guerra das maquininhas, a Rede lançou em abril uma campanha na qual antecipava para dois dias a liquidação de créditos para lojistas com conta no Itaú. Para quem não era correntista, contudo, o prazo continuou em 30 dias.

Ontem, a Superintendência-Geral do Cade instaurou um processo administrativo para investigar Rede e Itaú por conduta anticompetitiva. Em abril, o órgão havia aberto um processo preparatório, primeira etapa na investigação.

O conselho também decidiu adotar medida preventiva para evitar efeitos lesivos à concorrência. A Rede ainda terá de comunicar a todos seus clientes que não será necessário manter conta no Itaú para ter acesso à redução do prazo. "A Rede pode continuar oferecendo a promoção, desde que o consumidor possa receber no banco de sua escolha", afirmou o Cade, em nota. Em 2012, o Itaú assumiu o controle da empresa de meios de pagamento.

A medida determina ainda a retirada de circulação das peças publicitárias que fazem referência ao que o Cade chamou de "venda casada".

"Embora a campanha possa reduzir o custo de antecipação para o estabelecimento no curto prazo, há possibilidade de gerar distorções e comprometer a competição no setor em médio prazo", afirma o conselho. "A imposição de domicílio no Itaú tem grande potencial de prejudicar tanto o mercado de serviços bancários quanto o de credenciamento."

Rede e Itaú serão notificadas a apresentarem defesa. Se condenadas, poderão pagar multas de até 20% do faturamento.

Competição

Rede e Itaú disseram que operam de forma "pró-competitiva" e que beneficiam "milhões de clientes da credenciadora ao isentá-los de uma taxa que impacta de maneira relevante o pequeno e médio negócio". Rede e Itaú disseram não terem sido informados da decisão do Cade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;