Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Novo avanço do Ibovespa deve ficar na dependência de aprovação final da reforma



23/10/2019 | 11:12


O entusiasmo da véspera na B3, que levou o Ibovespa a um novo resultado inédito, é reduzido nesta quarta-feira, 23, enquanto investidores esperam pela votação final do texto da reforma da Previdência. Nesta manhã, o Senado vai apreciar dois destaques ao texto-base, que, se aprovados, desidratariam a reforma.

O governo acredita que a reforma deve ser aprovada ainda nesta quarta-feira. No entanto, a possibilidade de desidratação pode incomodar.

Ontem, o índice fechou em alta de 1,28%, aos 107.381,11 pontos, novo recorde. Às 10h59 desta quarta, subia 0,23%, aos 107.628,86 pontos. O sinal de elevação da maioria das bolsas externas também ajuda a compor esse quadro.

"Se houver diminuição da economia prevista, mas ficar dentro da faixa esperada, tudo bem. Caso contrário, pode gerar desconforto", diz um operador. Conforme ele, o Ibovespa pode ficar "de lado", por enquanto. Ontem à noite, o plenário do Senado aprovou, por 60 a 19, o texto-base da Previdência. Da forma como está, as mudanças garantem economia de R$ 800,3 bilhões em dez anos.

Conforme a MCM Consultores observa em nota, os mercados podem realizar lucros por conta do risco de nova desidratação do texto-base da reforma da Previdência e em meio a uma agenda fraca de indicadores.

Há pouco, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em conversa com senadores, propôs projeto de lei para resolver impasse sobre destaque do PT. Segundo ele, o governo tenta acordo para a Rede também retirar destaque sobre idade mínima.

Já o secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, em entrevista exclusiva ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), afirmou que o governo se compromete com medida provisória sobre vigilantes, com MP tratando da definição de periculosidade para vigilante armado.

Além dessa espera, o investidor monitora o noticiário corporativo que pode limitar eventuais ganhos na Bolsa, conforme analistas.

Mais cedo, a Polícia Federal deflagrou 67ª fase da Operação Lava Jato, que apura corrupção passiva, ativa e lavagem de capitais. A operação, batizada de Tango & Cash, tem como alvo um empreiteira ítalo-argentina que compunha cartel de empresas formado para vencer licitações das grandes obras da Petrobras. O grupo, por sua vez, também detém participação na Usiminas.

Ainda envolvendo a Petrobras, o Conselho Deliberativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP) se reúne hoje no Rio para decidir a estratégia para a greve por tempo indeterminado programada para começar no próximo dia 26. A paralisação é uma reação à proposta da companhia para o dissídio salarial deste ano, que não recompõe a inflação e retira direitos adquiridos ao longo dos últimos anos, como antecipação do décimo terceiro salário.

Lá fora, o petróleo cede, bem como a maioria das bolsas, com investidores monitorando os desdobramentos do Brexit e balanços de empresas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Novo avanço do Ibovespa deve ficar na dependência de aprovação final da reforma


23/10/2019 | 11:12


O entusiasmo da véspera na B3, que levou o Ibovespa a um novo resultado inédito, é reduzido nesta quarta-feira, 23, enquanto investidores esperam pela votação final do texto da reforma da Previdência. Nesta manhã, o Senado vai apreciar dois destaques ao texto-base, que, se aprovados, desidratariam a reforma.

O governo acredita que a reforma deve ser aprovada ainda nesta quarta-feira. No entanto, a possibilidade de desidratação pode incomodar.

Ontem, o índice fechou em alta de 1,28%, aos 107.381,11 pontos, novo recorde. Às 10h59 desta quarta, subia 0,23%, aos 107.628,86 pontos. O sinal de elevação da maioria das bolsas externas também ajuda a compor esse quadro.

"Se houver diminuição da economia prevista, mas ficar dentro da faixa esperada, tudo bem. Caso contrário, pode gerar desconforto", diz um operador. Conforme ele, o Ibovespa pode ficar "de lado", por enquanto. Ontem à noite, o plenário do Senado aprovou, por 60 a 19, o texto-base da Previdência. Da forma como está, as mudanças garantem economia de R$ 800,3 bilhões em dez anos.

Conforme a MCM Consultores observa em nota, os mercados podem realizar lucros por conta do risco de nova desidratação do texto-base da reforma da Previdência e em meio a uma agenda fraca de indicadores.

Há pouco, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em conversa com senadores, propôs projeto de lei para resolver impasse sobre destaque do PT. Segundo ele, o governo tenta acordo para a Rede também retirar destaque sobre idade mínima.

Já o secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, em entrevista exclusiva ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), afirmou que o governo se compromete com medida provisória sobre vigilantes, com MP tratando da definição de periculosidade para vigilante armado.

Além dessa espera, o investidor monitora o noticiário corporativo que pode limitar eventuais ganhos na Bolsa, conforme analistas.

Mais cedo, a Polícia Federal deflagrou 67ª fase da Operação Lava Jato, que apura corrupção passiva, ativa e lavagem de capitais. A operação, batizada de Tango & Cash, tem como alvo um empreiteira ítalo-argentina que compunha cartel de empresas formado para vencer licitações das grandes obras da Petrobras. O grupo, por sua vez, também detém participação na Usiminas.

Ainda envolvendo a Petrobras, o Conselho Deliberativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP) se reúne hoje no Rio para decidir a estratégia para a greve por tempo indeterminado programada para começar no próximo dia 26. A paralisação é uma reação à proposta da companhia para o dissídio salarial deste ano, que não recompõe a inflação e retira direitos adquiridos ao longo dos últimos anos, como antecipação do décimo terceiro salário.

Lá fora, o petróleo cede, bem como a maioria das bolsas, com investidores monitorando os desdobramentos do Brexit e balanços de empresas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;