Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

SP: estudo sugere fim de PPP para fabricação de remédios



22/10/2019 | 07:55


Um estudo encomendado pelo governo João Doria (PSDB) propõe encerrar contrato que concedeu uma fábrica de remédios à iniciativa privada, após a unidade se tornar alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e de investigações do Ministério Público. O documento sustenta que, com o fim da concessão, o governo estancaria prejuízo e ainda conseguiria abater parte da dívida que tem com a concessionária, acusada de descumprir o contrato ao deixar de fazer investimentos em infraestrutura.

A fábrica da Fundação para o Remédio Popular (Furp), autarquia da Secretaria Estadual da Saúde, foi concedida em 2013 por meio de uma Parceria Público-Privada assinada pelo então governador Geraldo Alckmin à Concessionária Paulista de Medicamentos (CPM), controlada pela farmacêutica EMS.

Pelo contrato, o governo estadual se comprometeu na época a comprar uma cesta com 96 remédios fabricados pela concessionária, com preços calculados com base em tabela da Anvisa. A regra, porém, acabou provocando um descolamento entre esses preços e os valores de mercado - mais baixos. Por deixar de pagar o valor "cheio" de contrato, o governo acumula hoje uma dívida de ao menos R$ 72 milhões. A PPP é válida até 2028.

Elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), ligada à Universidade de São Paulo (USP), o estudo se encaixa nos planos para a autarquia anunciados por Doria, que já disse considerar extinguí-la. O governo ainda deve enviar um projeto de lei sobre o tema.

Procurada, a CPM disse que "está atendendo às determinações da Furp em relação à adequação da infraestrutura" e classificou o estudo como "unilateral e sem materialidade na relação entre CPM e Furp". A Secretaria Estadual de Saúde disse, em nota, que o estudo "é um documento técnico importante e será considerado nas tomadas de decisões" sobre o contrato e o futuro da Furp. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

SP: estudo sugere fim de PPP para fabricação de remédios


22/10/2019 | 07:55


Um estudo encomendado pelo governo João Doria (PSDB) propõe encerrar contrato que concedeu uma fábrica de remédios à iniciativa privada, após a unidade se tornar alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e de investigações do Ministério Público. O documento sustenta que, com o fim da concessão, o governo estancaria prejuízo e ainda conseguiria abater parte da dívida que tem com a concessionária, acusada de descumprir o contrato ao deixar de fazer investimentos em infraestrutura.

A fábrica da Fundação para o Remédio Popular (Furp), autarquia da Secretaria Estadual da Saúde, foi concedida em 2013 por meio de uma Parceria Público-Privada assinada pelo então governador Geraldo Alckmin à Concessionária Paulista de Medicamentos (CPM), controlada pela farmacêutica EMS.

Pelo contrato, o governo estadual se comprometeu na época a comprar uma cesta com 96 remédios fabricados pela concessionária, com preços calculados com base em tabela da Anvisa. A regra, porém, acabou provocando um descolamento entre esses preços e os valores de mercado - mais baixos. Por deixar de pagar o valor "cheio" de contrato, o governo acumula hoje uma dívida de ao menos R$ 72 milhões. A PPP é válida até 2028.

Elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), ligada à Universidade de São Paulo (USP), o estudo se encaixa nos planos para a autarquia anunciados por Doria, que já disse considerar extinguí-la. O governo ainda deve enviar um projeto de lei sobre o tema.

Procurada, a CPM disse que "está atendendo às determinações da Furp em relação à adequação da infraestrutura" e classificou o estudo como "unilateral e sem materialidade na relação entre CPM e Furp". A Secretaria Estadual de Saúde disse, em nota, que o estudo "é um documento técnico importante e será considerado nas tomadas de decisões" sobre o contrato e o futuro da Furp. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;