Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Após protestos, premiê libanês fecha acordo por pacote de reformas



20/10/2019 | 19:32


O premiê do Líbano, Saad al-Hariri, fechou acordo neste domingo, 20, por um pacote de reformas com aliados do governo para amenizar uma crise econômica que desencadeou protestos em todo o país, segundo fontes oficiais. A expectativa é de que a medida seja aprovada na segunda-feira em uma reunião do gabinete.

Hariri, que lidera uma coalizão do governo atingida por rivalidades sectárias e políticas, deu a seus aliados um prazo de 72 horas na sexta-feira para chegarem a um acordo sobre reformas que pudessem afastar a crise, sugerindo que, caso contrário, ele poderia renunciar.

As decisões pedem uma redução de 50% nos salários de atuais e ex-autoridades e US$ 3,3 bilhões em contribuições de bancos para atingir um "déficit perto de zero" para o orçamento de 2020. O pacote também inclui um plano de privatização para o setor de telecomunicações e uma reforma do frágil sistema elétrico.

Protestos massivos ganhavam força neste domingo em todo o Líbano em uma demonstração sem precedentes de dissidência contra a elite governante, ao passo que milhares se uniam para exigir a derrubada de um sistema que veem como assolado por corrupção e nepotismo.

Manifestantes tomaram ruas em todo o país pelo quarto dia, clamando por revolução em protestos que remetem à revolta árabe de 2011 que tirou quatro presidentes do poder.

O movimento nasceu de forma espontânea na quinta-feira, após o anúncio de uma tarifa para as ligações feitas pelo aplicativo de mensagens WhatsApp. A medida foi cancelada por pressão das ruas.

Mas a irritação dos libaneses foi canalizada em seguida para a situação econômica e política em geral, em um país onde mais de 25% da população vive abaixo da linha da pobreza, segundo o Banco Mundial. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após protestos, premiê libanês fecha acordo por pacote de reformas


20/10/2019 | 19:32


O premiê do Líbano, Saad al-Hariri, fechou acordo neste domingo, 20, por um pacote de reformas com aliados do governo para amenizar uma crise econômica que desencadeou protestos em todo o país, segundo fontes oficiais. A expectativa é de que a medida seja aprovada na segunda-feira em uma reunião do gabinete.

Hariri, que lidera uma coalizão do governo atingida por rivalidades sectárias e políticas, deu a seus aliados um prazo de 72 horas na sexta-feira para chegarem a um acordo sobre reformas que pudessem afastar a crise, sugerindo que, caso contrário, ele poderia renunciar.

As decisões pedem uma redução de 50% nos salários de atuais e ex-autoridades e US$ 3,3 bilhões em contribuições de bancos para atingir um "déficit perto de zero" para o orçamento de 2020. O pacote também inclui um plano de privatização para o setor de telecomunicações e uma reforma do frágil sistema elétrico.

Protestos massivos ganhavam força neste domingo em todo o Líbano em uma demonstração sem precedentes de dissidência contra a elite governante, ao passo que milhares se uniam para exigir a derrubada de um sistema que veem como assolado por corrupção e nepotismo.

Manifestantes tomaram ruas em todo o país pelo quarto dia, clamando por revolução em protestos que remetem à revolta árabe de 2011 que tirou quatro presidentes do poder.

O movimento nasceu de forma espontânea na quinta-feira, após o anúncio de uma tarifa para as ligações feitas pelo aplicativo de mensagens WhatsApp. A medida foi cancelada por pressão das ruas.

Mas a irritação dos libaneses foi canalizada em seguida para a situação econômica e política em geral, em um país onde mais de 25% da população vive abaixo da linha da pobreza, segundo o Banco Mundial. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;