Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Óleo chega à orla de Ipojuca, cartão-postal do litoral de Pernambuco



19/10/2019 | 19:21


A orla de Ipojuca, onde fica Porto de Galinhas e outros destinos famosos do litoral pernambucano, amanheceu coberta por manchas de óleo neste sábado, 19. A substância voltou a aparecer na região com a força das marés e atingiu principalmente a praia de Maracaípe.

Mais de 20 toneladas do produto, que se espalhou desde o Maranhão até a Bahia, já foram retiradas das praias de Pernambuco, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade. A origem do óleo, cujo vazamento foi identificado no início de setembro, ainda não foi descoberta.

A prefeitura de Ipojuca afirma que os 33 quilômetros do litoral estão sendo monitorados com 70 câmeras e uma equipe de agentes do meio ambiente. O órgão também diz ter instalado barreiras de contenção no Rio Maracaípe, para "tentar minimizar o impacto ambiental no estuário e evitar que o óleo adentre no rio".

O Comitê Gestor de Crise da prefeitura de Ipojuca convidou voluntários para ajudar na limpeza das praias e alertou que o trabalho deve ser realizado com luvas de proteção e calças fechadas para evitar contato direto com a substância tóxica. A recomendação é para guardar o material em baldes ou sacos plásticos, que devem ser recolhidos pela prefeitura.

Para Pâmella Nogueira, mestre em Gestão de Áreas Protegidas, o desastre envolve a "segurança planetária", já que grande parte do oxigênio vem dos oceanos. "A segunda barreira de coral está no Nordeste brasileiro e os corais são ecossistemas próprios que contêm diversos organismos", explica.

"Esses corais são um banco de vida que está nos oceanos e hoje em dia a gente tem poucas áreas marinhas implementadas. É questão de segurança nacional: influencia o social, o econômico, o político e o cultural. Esses bancos de vida estão sendo mortos", lamenta a pesquisadora.

Na última sexta-feira, 18, arrecifes próximos à praia de Carneiros, em Tamandaré (a 56 quilômetros de Ipojuca), foram atingidos pelo óleo, o que influencia na produção de oxigênio, segundo a pesquisadora. "(A morte das) barreiras de corais faz com que a quantidade de peixes e fauna marinha diminua e, se outros organismos estão contaminados, a gente se contamina junto", diz Nogueira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Óleo chega à orla de Ipojuca, cartão-postal do litoral de Pernambuco


19/10/2019 | 19:21


A orla de Ipojuca, onde fica Porto de Galinhas e outros destinos famosos do litoral pernambucano, amanheceu coberta por manchas de óleo neste sábado, 19. A substância voltou a aparecer na região com a força das marés e atingiu principalmente a praia de Maracaípe.

Mais de 20 toneladas do produto, que se espalhou desde o Maranhão até a Bahia, já foram retiradas das praias de Pernambuco, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade. A origem do óleo, cujo vazamento foi identificado no início de setembro, ainda não foi descoberta.

A prefeitura de Ipojuca afirma que os 33 quilômetros do litoral estão sendo monitorados com 70 câmeras e uma equipe de agentes do meio ambiente. O órgão também diz ter instalado barreiras de contenção no Rio Maracaípe, para "tentar minimizar o impacto ambiental no estuário e evitar que o óleo adentre no rio".

O Comitê Gestor de Crise da prefeitura de Ipojuca convidou voluntários para ajudar na limpeza das praias e alertou que o trabalho deve ser realizado com luvas de proteção e calças fechadas para evitar contato direto com a substância tóxica. A recomendação é para guardar o material em baldes ou sacos plásticos, que devem ser recolhidos pela prefeitura.

Para Pâmella Nogueira, mestre em Gestão de Áreas Protegidas, o desastre envolve a "segurança planetária", já que grande parte do oxigênio vem dos oceanos. "A segunda barreira de coral está no Nordeste brasileiro e os corais são ecossistemas próprios que contêm diversos organismos", explica.

"Esses corais são um banco de vida que está nos oceanos e hoje em dia a gente tem poucas áreas marinhas implementadas. É questão de segurança nacional: influencia o social, o econômico, o político e o cultural. Esses bancos de vida estão sendo mortos", lamenta a pesquisadora.

Na última sexta-feira, 18, arrecifes próximos à praia de Carneiros, em Tamandaré (a 56 quilômetros de Ipojuca), foram atingidos pelo óleo, o que influencia na produção de oxigênio, segundo a pesquisadora. "(A morte das) barreiras de corais faz com que a quantidade de peixes e fauna marinha diminua e, se outros organismos estão contaminados, a gente se contamina junto", diz Nogueira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;