Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Se tudo der certo, País será o 1º a ter lei de competitividade, diz secretário



18/10/2019 | 14:08


O secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira, 18, que "se tudo der certo" o Brasil será o primeiro país do mundo a ter uma lei de competitividade, para impulsionar o setor privado no País. "Quem gera emprego e renda é o setor privado", afirmou Costa durante evento de divulgação do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), na B3, em São Paulo.

Para o secretário, o que fez com que a economia brasileira ficasse "desestruturada" foi o "excesso de Estado". "Como o presidente Bolsonaro fala, o Estado fica no cangote das empresas, e as empresas ficaram anêmicas", acrescentou Costa, reforçando que a visão do governo federal é de que há necessidade de um ambiente de negócios melhor, de mercados mais competitivos no País e de "uma infraestrutura que só virá com investimento privada".

Emprega+

Costa afirmou que o presidente Jair Bolsonaro deve assinar "em breve" o programa de qualificação Emprega+, que terá um sistema de vouchers para acesso a recursos do Sistema S e que, segundo o secretário, irá qualificar mais de 10 milhões de trabalhadores. "A melhor política de emprego é uma política de qualificação. O mundo está mudando e precisamos qualificar as pessoas para o que está surgindo", destacou Costa.

Marco legal do saneamento

O secretário salientou ainda a importância do novo marco legal do saneamento que, segundo ele, irá "trazer R$ 500 bilhões em investimentos nos próximos anos" e proporcionar "enorme prosperidade financiada pelo setor privado".

Licenciamentos ambientais

Costa criticou, ainda, a demora na liberação de alvarás de construção e licenciamentos ambientais no Brasil e disse que o "discurso de antropologia" no País "muitas vezes, forma pessoas que são contra a iniciativa privada".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Se tudo der certo, País será o 1º a ter lei de competitividade, diz secretário


18/10/2019 | 14:08


O secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira, 18, que "se tudo der certo" o Brasil será o primeiro país do mundo a ter uma lei de competitividade, para impulsionar o setor privado no País. "Quem gera emprego e renda é o setor privado", afirmou Costa durante evento de divulgação do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), na B3, em São Paulo.

Para o secretário, o que fez com que a economia brasileira ficasse "desestruturada" foi o "excesso de Estado". "Como o presidente Bolsonaro fala, o Estado fica no cangote das empresas, e as empresas ficaram anêmicas", acrescentou Costa, reforçando que a visão do governo federal é de que há necessidade de um ambiente de negócios melhor, de mercados mais competitivos no País e de "uma infraestrutura que só virá com investimento privada".

Emprega+

Costa afirmou que o presidente Jair Bolsonaro deve assinar "em breve" o programa de qualificação Emprega+, que terá um sistema de vouchers para acesso a recursos do Sistema S e que, segundo o secretário, irá qualificar mais de 10 milhões de trabalhadores. "A melhor política de emprego é uma política de qualificação. O mundo está mudando e precisamos qualificar as pessoas para o que está surgindo", destacou Costa.

Marco legal do saneamento

O secretário salientou ainda a importância do novo marco legal do saneamento que, segundo ele, irá "trazer R$ 500 bilhões em investimentos nos próximos anos" e proporcionar "enorme prosperidade financiada pelo setor privado".

Licenciamentos ambientais

Costa criticou, ainda, a demora na liberação de alvarás de construção e licenciamentos ambientais no Brasil e disse que o "discurso de antropologia" no País "muitas vezes, forma pessoas que são contra a iniciativa privada".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;