Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Campos Neto à CNBC: 'Há ainda espaço para juros menores'



17/10/2019 | 22:10


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçou em entrevista à emissora americana CNBC que, na comunicação oficial da autarquia, "dissemos que há ainda espaço para taxas de juros menores, baseadas em nossas projeções".

Ele apontou que a cada reunião do Copom são consideradas todas as variáveis, no contexto dos cenários externo e interno, sendo que para este último há um foco especial para o desempenho do PIB e da inflação. "Pensamos que precisamos ter taxas de juros estimulativas."

Para Campos Neto, as taxas de juros baixas de curto e longo prazo permitem que o País passe a financiar projetos de infraestrutura com recursos privados.

Campos Neto afirmou que o Brasil tem "boa posição" para crescer de forma saudável em 2020. "Tivemos 3 choques que retiraram muito do crescimento em 2019 e que não ocorrerão no próximo ano. Estamos bem posicionados para crescer de uma forma saudável, com dinheiro privado", afirmou

De acordo com o presidente do BC, os três choques foram: a crise da Argentina, que impactou o PIB nacional em cerca de 0,2 ponto porcentual; a tensão comercial internacional, que gerou efeitos negativos de 0,2 ponto porcentual; e a tragédia da barragem da Vale em Brumadinho, que reduziu o crescimento em 0,25 ponto porcentual.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Campos Neto à CNBC: 'Há ainda espaço para juros menores'


17/10/2019 | 22:10


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçou em entrevista à emissora americana CNBC que, na comunicação oficial da autarquia, "dissemos que há ainda espaço para taxas de juros menores, baseadas em nossas projeções".

Ele apontou que a cada reunião do Copom são consideradas todas as variáveis, no contexto dos cenários externo e interno, sendo que para este último há um foco especial para o desempenho do PIB e da inflação. "Pensamos que precisamos ter taxas de juros estimulativas."

Para Campos Neto, as taxas de juros baixas de curto e longo prazo permitem que o País passe a financiar projetos de infraestrutura com recursos privados.

Campos Neto afirmou que o Brasil tem "boa posição" para crescer de forma saudável em 2020. "Tivemos 3 choques que retiraram muito do crescimento em 2019 e que não ocorrerão no próximo ano. Estamos bem posicionados para crescer de uma forma saudável, com dinheiro privado", afirmou

De acordo com o presidente do BC, os três choques foram: a crise da Argentina, que impactou o PIB nacional em cerca de 0,2 ponto porcentual; a tensão comercial internacional, que gerou efeitos negativos de 0,2 ponto porcentual; e a tragédia da barragem da Vale em Brumadinho, que reduziu o crescimento em 0,25 ponto porcentual.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;