Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 11 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Mesmo com dificuldade, Mostra terá 60 filmes



17/10/2019 | 07:30


Setembro passou e não houve Festival de Brasília. O Festival do Rio, sem recursos, teve de transferir sua data para dezembro e a Première Brasil, grande vitrine do cinema brasileiro, corre o risco de sair bem menor que de costume. Por tudo, a 43.ª Mostra, que começa nesta quinta, 17, para o público - e segue até 30 -, assume uma importância maior que nunca para a produção nacional. Dos 300 filmes anunciados, 60, ou 1/5, são brasileiros, a maioria em estreia nacional. Um e outro já passou no CineCeará, em Gramado, mas a Mostra acolhe mesmo esses títulos - a preferência é sempre para inéditos -, porque, afinal, concorrem a um prêmio em dinheiro. Sim, nesse quadro de torneiras fechadas do Governo Federal, a Mostra está conseguindo manter não só o calendário, mas a extensão e até valores agregados aos prêmios para a produção nacional.

São 60 filmes, vale repetir: 60! A programação inicia-se nesta quinta com Macabro, de Marcos Prado, fotógrafo premiado, diretor e produtor cujo nome esteve associado ao de José Padilha nos dois Tropa de Elite. O próprio Prado realizou Estamira e Paraísos Artificiais.

Estreia na Mostra Macabro, cuja trama se passa na década de 1990, contando a história de dois irmãos que foram acusados pelo assassinato de oito mulheres, um homem e uma criança na região da Serra dos Órgãos. Mais que uma contribuição do diretor ao cinema de gênero que cresce no País, Macabro centra-se na crise de consciência do sargento militar que investiga o caso. Na cola dos supostos criminosos, Renato Góes percebe que o julgamento da imprensa e o racismo da sociedade condenaram os irmãos, mesmo que ele tenha sérias dúvidas sobre o envolvimento de um deles.

Mais escancaradamente de gênero, Juízo, de Andrucha Waddington, terá sua estreia na Mostra no fim de semana - no sábado, 19. Andrucha dirige um roteiro da mulher, Fernanda Torres. Terror familiar? Felipe Camargo está em crise no casamento com Carol Castro e a vida aviltada pela bebida. Em busca de reerguimento, muda-se com a mulher e o filho - Joaquim Torres Waddington, filho do diretor e da roteirista, estreando no cinema - para uma fazenda que herdou, e aí, sim, as coisas que já não andam boas complicam-se ainda mais. O lugar carrega um histórico de violência, com registros de traições e mortes por vingança. Entram em cena Lima Duarte e a sogra do diretor, Fernanda Montenegro, que ele já dirigiu anteriormente em Gêmeas e Casa de Areia.

Fernanda, que festejou 90 anos nesta quarta, 16, terá na sexta, 18, seu grande dia na Mostra. Em parceria com o Theatro Municipal, que fornece seu palco, haverá uma sessão - de gala, por menos que a diretora e curadora artística Renata de Almeida não goste da palavra - de A Vida Invisível, agora definitivamente sem o acréscimo de Eurídice Gusmão no título.

Eurídice é a protagonista do longa de Karim Aïnouz produzido por Rodrigo Teixeira e que foi escolhido como representante do Brasil na disputa a uma vaga no Oscar de melhor longa Internacional - nova denominação para Estrangeiro. Em maio, A Vida Invisível venceu o prêmio da mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes. Conta a história de duas irmãs separadas pela brutalidade de um pai e um marido.

Karim, grande diretor - de Madame Satã, O Céu de Suely e Praia do Futuro -, sempre quis fazer um filme sobre a geração de mulheres como sua mãe, que o criou sozinha, em Fortaleza, numa época em que o casamento, e o marido, definiam a posição social da mulher. O filme é bom, sem sombra de dúvida, mas dispara, elevando-se, no impressionante último ato, quando Fernanda entra em cena. Vale lembrar a Dora, de Central do Brasil, de Walter Salles, pelo qual Fernanda foi melhor atriz em Berlim e indicada para o Oscar. Dora escrevia aquelas cartas. Agora, outras cartas ajudam a destrinchar a história que Karim adaptou do livro de Martha Batalha. A expectativa é de que a discussão sobre a condição das mulheres, em tempos de empoderamento e #MeToo, fortaleça a candidatura do filme e o Brasil, e Fernanda - como coadjuvante -, voltem ao Oscar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mesmo com dificuldade, Mostra terá 60 filmes


17/10/2019 | 07:30


Setembro passou e não houve Festival de Brasília. O Festival do Rio, sem recursos, teve de transferir sua data para dezembro e a Première Brasil, grande vitrine do cinema brasileiro, corre o risco de sair bem menor que de costume. Por tudo, a 43.ª Mostra, que começa nesta quinta, 17, para o público - e segue até 30 -, assume uma importância maior que nunca para a produção nacional. Dos 300 filmes anunciados, 60, ou 1/5, são brasileiros, a maioria em estreia nacional. Um e outro já passou no CineCeará, em Gramado, mas a Mostra acolhe mesmo esses títulos - a preferência é sempre para inéditos -, porque, afinal, concorrem a um prêmio em dinheiro. Sim, nesse quadro de torneiras fechadas do Governo Federal, a Mostra está conseguindo manter não só o calendário, mas a extensão e até valores agregados aos prêmios para a produção nacional.

São 60 filmes, vale repetir: 60! A programação inicia-se nesta quinta com Macabro, de Marcos Prado, fotógrafo premiado, diretor e produtor cujo nome esteve associado ao de José Padilha nos dois Tropa de Elite. O próprio Prado realizou Estamira e Paraísos Artificiais.

Estreia na Mostra Macabro, cuja trama se passa na década de 1990, contando a história de dois irmãos que foram acusados pelo assassinato de oito mulheres, um homem e uma criança na região da Serra dos Órgãos. Mais que uma contribuição do diretor ao cinema de gênero que cresce no País, Macabro centra-se na crise de consciência do sargento militar que investiga o caso. Na cola dos supostos criminosos, Renato Góes percebe que o julgamento da imprensa e o racismo da sociedade condenaram os irmãos, mesmo que ele tenha sérias dúvidas sobre o envolvimento de um deles.

Mais escancaradamente de gênero, Juízo, de Andrucha Waddington, terá sua estreia na Mostra no fim de semana - no sábado, 19. Andrucha dirige um roteiro da mulher, Fernanda Torres. Terror familiar? Felipe Camargo está em crise no casamento com Carol Castro e a vida aviltada pela bebida. Em busca de reerguimento, muda-se com a mulher e o filho - Joaquim Torres Waddington, filho do diretor e da roteirista, estreando no cinema - para uma fazenda que herdou, e aí, sim, as coisas que já não andam boas complicam-se ainda mais. O lugar carrega um histórico de violência, com registros de traições e mortes por vingança. Entram em cena Lima Duarte e a sogra do diretor, Fernanda Montenegro, que ele já dirigiu anteriormente em Gêmeas e Casa de Areia.

Fernanda, que festejou 90 anos nesta quarta, 16, terá na sexta, 18, seu grande dia na Mostra. Em parceria com o Theatro Municipal, que fornece seu palco, haverá uma sessão - de gala, por menos que a diretora e curadora artística Renata de Almeida não goste da palavra - de A Vida Invisível, agora definitivamente sem o acréscimo de Eurídice Gusmão no título.

Eurídice é a protagonista do longa de Karim Aïnouz produzido por Rodrigo Teixeira e que foi escolhido como representante do Brasil na disputa a uma vaga no Oscar de melhor longa Internacional - nova denominação para Estrangeiro. Em maio, A Vida Invisível venceu o prêmio da mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes. Conta a história de duas irmãs separadas pela brutalidade de um pai e um marido.

Karim, grande diretor - de Madame Satã, O Céu de Suely e Praia do Futuro -, sempre quis fazer um filme sobre a geração de mulheres como sua mãe, que o criou sozinha, em Fortaleza, numa época em que o casamento, e o marido, definiam a posição social da mulher. O filme é bom, sem sombra de dúvida, mas dispara, elevando-se, no impressionante último ato, quando Fernanda entra em cena. Vale lembrar a Dora, de Central do Brasil, de Walter Salles, pelo qual Fernanda foi melhor atriz em Berlim e indicada para o Oscar. Dora escrevia aquelas cartas. Agora, outras cartas ajudam a destrinchar a história que Karim adaptou do livro de Martha Batalha. A expectativa é de que a discussão sobre a condição das mulheres, em tempos de empoderamento e #MeToo, fortaleça a candidatura do filme e o Brasil, e Fernanda - como coadjuvante -, voltem ao Oscar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;