Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Petrobras já recolheu 200 toneladas de resíduos de petróleo em praias do Nordeste



16/10/2019 | 16:38


A Petrobras anunciou que já recolheu mais de 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste desde 12 de setembro. Segundo a estatal, foram mobilizados pelo menos 1,7 mil agentes para fazer a limpeza do material e outros 50 para planejamento das ações de respostas ao episódio.

As ações da empresa ocorrem em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), responsável pelas estratégias de contenção do petróleo. O órgão solicita à estatal o apoio técnico para realizar a limpeza do material.

Em nota oficial, a estatal reforçou que "o óleo nas praias do Nordeste não tem origem nas operações da companhia e os custos das atividades de limpeza serão ressarcidos, conforme informado pelo Ibama".

Análises feitas pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) atestaram que o material tem a mesma "assinatura" do óleo produzido na Venezuela.

Desde a primeira aparição, em 30 de agosto, manchas de óleo já foram encontradas em 161 pontos do litoral de todos os Estados do Nordeste.

A origem do material ainda está sob investigação. A hipótese da Marinha e da Polícia Federal é que o poluente tenha sido jogado no mar por um "navio fantasma", ou seja, uma embarcação clandestina.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Petrobras já recolheu 200 toneladas de resíduos de petróleo em praias do Nordeste


16/10/2019 | 16:38


A Petrobras anunciou que já recolheu mais de 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste desde 12 de setembro. Segundo a estatal, foram mobilizados pelo menos 1,7 mil agentes para fazer a limpeza do material e outros 50 para planejamento das ações de respostas ao episódio.

As ações da empresa ocorrem em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), responsável pelas estratégias de contenção do petróleo. O órgão solicita à estatal o apoio técnico para realizar a limpeza do material.

Em nota oficial, a estatal reforçou que "o óleo nas praias do Nordeste não tem origem nas operações da companhia e os custos das atividades de limpeza serão ressarcidos, conforme informado pelo Ibama".

Análises feitas pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) atestaram que o material tem a mesma "assinatura" do óleo produzido na Venezuela.

Desde a primeira aparição, em 30 de agosto, manchas de óleo já foram encontradas em 161 pontos do litoral de todos os Estados do Nordeste.

A origem do material ainda está sob investigação. A hipótese da Marinha e da Polícia Federal é que o poluente tenha sido jogado no mar por um "navio fantasma", ou seja, uma embarcação clandestina.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;