Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Watchmen' trouxe maturidade aos quadrinhos de super-heróis



16/10/2019 | 08:35


Nas Sátiras, o poeta romano Juvenal cravou a seguinte frase: "Quis custodiet ipsos custodes?" ("Quem vigia os vigilantes?") Esse é o mote de Watchmen, quadrinho publicado em 12 edições entre 1986 e 1987. Com roteiro de Alan Moore e arte de Dave Gibbons, a obra decretou a maturidade das histórias de super-heróis ao questionar suas convenções e subverter padrões estéticos e narrativos do gênero.

Watchmen se passa no contexto da Guerra Fria, em uma cidade onde costumava haver justiceiros mascarados vagando pelas ruas, combatendo o crime com as próprias mãos, o que é ilegal. Os heróis já estão em decadência e aposentados quando a trama se inicia, com a morte de um deles - o Comediante, um sujeito amoral que foi uma espécie de garoto-propaganda dos EUA no Vietnã, onde matou e estuprou sem escrúpulos.

Quem investiga o caso e serve como fio condutor para a história é Rorschach, um "herói" detetivesco e também com pouco apreço ao devido processo penal. Ele começa a perceber uma ameaça e tenta avisar seus antigos colegas, que não dão muito crédito a um louco paranoico.

Em Watchmen, todos são anti-heróis repletos de falhas de caráter, tentando moralizar um mundo tão corrupto quanto eles. Ninguém tem superpoderes, com exceção do Dr. Manhattan, um cientista exposto a um acidente radioativo que se tornou uma figura divinal que transcende o tempo e o espaço - e que, por isso, não se importa com o destino da humanidade.

Em sua investigação, Rorschach descobre que o assassinato do Comediante está ligado a uma conspiração muito maior para frear a escalada de tensão nuclear da Guerra Fria - e que consistiria em "matar milhões para salvar bilhões", segundo o idealizador desse plano. Os fins justificam os meios?

Da mesma forma, a obra de Moore e Gibbons sugere que vestir uma máscara e fazer justiça com as próprias mãos em um beco escuro seria tão condenável quanto o crime que se pretende combater. O que Watchmen faz é desmascarar figurativamente os heróis com seus mantos coloridos para mostrar que ídolos sempre têm pés de barro. Em um tempo politicamente conturbado, no qual as pessoas buscam proteção em mitos e figuras messiânicas, relevam ações violentas que supostamente combatem o crime, ou creem que os fins justificam os meios, Watchmen torna-se ainda mais relevante do que na época de sua publicação original. Alan Moore sussurra no ouvido do leitor: "Quem vigia os vigilantes?"

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Watchmen' trouxe maturidade aos quadrinhos de super-heróis


16/10/2019 | 08:35


Nas Sátiras, o poeta romano Juvenal cravou a seguinte frase: "Quis custodiet ipsos custodes?" ("Quem vigia os vigilantes?") Esse é o mote de Watchmen, quadrinho publicado em 12 edições entre 1986 e 1987. Com roteiro de Alan Moore e arte de Dave Gibbons, a obra decretou a maturidade das histórias de super-heróis ao questionar suas convenções e subverter padrões estéticos e narrativos do gênero.

Watchmen se passa no contexto da Guerra Fria, em uma cidade onde costumava haver justiceiros mascarados vagando pelas ruas, combatendo o crime com as próprias mãos, o que é ilegal. Os heróis já estão em decadência e aposentados quando a trama se inicia, com a morte de um deles - o Comediante, um sujeito amoral que foi uma espécie de garoto-propaganda dos EUA no Vietnã, onde matou e estuprou sem escrúpulos.

Quem investiga o caso e serve como fio condutor para a história é Rorschach, um "herói" detetivesco e também com pouco apreço ao devido processo penal. Ele começa a perceber uma ameaça e tenta avisar seus antigos colegas, que não dão muito crédito a um louco paranoico.

Em Watchmen, todos são anti-heróis repletos de falhas de caráter, tentando moralizar um mundo tão corrupto quanto eles. Ninguém tem superpoderes, com exceção do Dr. Manhattan, um cientista exposto a um acidente radioativo que se tornou uma figura divinal que transcende o tempo e o espaço - e que, por isso, não se importa com o destino da humanidade.

Em sua investigação, Rorschach descobre que o assassinato do Comediante está ligado a uma conspiração muito maior para frear a escalada de tensão nuclear da Guerra Fria - e que consistiria em "matar milhões para salvar bilhões", segundo o idealizador desse plano. Os fins justificam os meios?

Da mesma forma, a obra de Moore e Gibbons sugere que vestir uma máscara e fazer justiça com as próprias mãos em um beco escuro seria tão condenável quanto o crime que se pretende combater. O que Watchmen faz é desmascarar figurativamente os heróis com seus mantos coloridos para mostrar que ídolos sempre têm pés de barro. Em um tempo politicamente conturbado, no qual as pessoas buscam proteção em mitos e figuras messiânicas, relevam ações violentas que supostamente combatem o crime, ou creem que os fins justificam os meios, Watchmen torna-se ainda mais relevante do que na época de sua publicação original. Alan Moore sussurra no ouvido do leitor: "Quem vigia os vigilantes?"

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;