Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY sobem com balanços e Brexit ofuscando dúvidas sobre EUA-China



15/10/2019 | 19:09


As bolsas de Nova York fecharam em altas em torno de 1% nesta terça-feira à medida que a boa recepção dos mercados a alguns balanços nos Estados Unidos e o noticiário sobre o Brexit, com especulação sobre o acerto de um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) ainda nesta terça, ofuscaram a cautela imposta a investidores por sinais de que há alguns obstáculos no caminho até a "fase 1" do entendimento americano com a China.

O Dow Jones fechou em alta de 0,89%, aos 27.024,80 pontos, o S&P 500 avançou 1,00%, aos 2.995,68 pontos, e o Nasdaq subiu 1,24%, aos 8.148,71 pontos.

Desde que o presidente americano, Donald Trump, comemorou, ao lado do vice-premiê chinês, Liu He, o acerto de uma chamada "fase 1" do acordo entre os seus dois países, vêm surgindo algumas notícias de bastidores que diluem a euforia com o cessar-fogo comercial. Nesta terça, veio à tona que Pequim até poderia recorrer novamente à concessão de isenções para empresas chinesas começarem a aumentar as compras agrícolas junto aos EUA, mas, para alcançar a cifra de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões em produtos alardeada por Trump, quer uma reversão de tarifas impostas por Washington a importados chineses, segundo fontes ouvidas pela Bloomberg.

A informação impôs alguma cautela a agentes. A combinação de resultados trimestrais melhores que o esperado de empresas como JPMorgan e UnitedHealth com noticiário positivo sobre o Brexit, contudo, levou os índices nova-iorquinos para cima desde mais cedo.

O banco americano informou que teve lucro líquido de US$ 9,08 bilhões no terceiro trimestre de 2019, ou US$ 2,68 por ação, superando a expectativa de analistas consultados pela FactSet, de US$ 2,45 por ação. Já a controladora da Amil no Brasil registrou lucro por ação ajustado de US$ 3,88, também acima da projeção de US$ 3,75.

Sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, a Bloomberg trouxe que negociadores das duas partes em Bruxelas estariam concluindo um rascunho de acordo para o Brexit, com otimismo de que haverá um avanço antes do fim do dia, de acordo com duas fontes do bloco de países.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY sobem com balanços e Brexit ofuscando dúvidas sobre EUA-China


15/10/2019 | 19:09


As bolsas de Nova York fecharam em altas em torno de 1% nesta terça-feira à medida que a boa recepção dos mercados a alguns balanços nos Estados Unidos e o noticiário sobre o Brexit, com especulação sobre o acerto de um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) ainda nesta terça, ofuscaram a cautela imposta a investidores por sinais de que há alguns obstáculos no caminho até a "fase 1" do entendimento americano com a China.

O Dow Jones fechou em alta de 0,89%, aos 27.024,80 pontos, o S&P 500 avançou 1,00%, aos 2.995,68 pontos, e o Nasdaq subiu 1,24%, aos 8.148,71 pontos.

Desde que o presidente americano, Donald Trump, comemorou, ao lado do vice-premiê chinês, Liu He, o acerto de uma chamada "fase 1" do acordo entre os seus dois países, vêm surgindo algumas notícias de bastidores que diluem a euforia com o cessar-fogo comercial. Nesta terça, veio à tona que Pequim até poderia recorrer novamente à concessão de isenções para empresas chinesas começarem a aumentar as compras agrícolas junto aos EUA, mas, para alcançar a cifra de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões em produtos alardeada por Trump, quer uma reversão de tarifas impostas por Washington a importados chineses, segundo fontes ouvidas pela Bloomberg.

A informação impôs alguma cautela a agentes. A combinação de resultados trimestrais melhores que o esperado de empresas como JPMorgan e UnitedHealth com noticiário positivo sobre o Brexit, contudo, levou os índices nova-iorquinos para cima desde mais cedo.

O banco americano informou que teve lucro líquido de US$ 9,08 bilhões no terceiro trimestre de 2019, ou US$ 2,68 por ação, superando a expectativa de analistas consultados pela FactSet, de US$ 2,45 por ação. Já a controladora da Amil no Brasil registrou lucro por ação ajustado de US$ 3,88, também acima da projeção de US$ 3,75.

Sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, a Bloomberg trouxe que negociadores das duas partes em Bruxelas estariam concluindo um rascunho de acordo para o Brexit, com otimismo de que haverá um avanço antes do fim do dia, de acordo com duas fontes do bloco de países.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;