Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Aziz resiste à emenda do PT e diz que cessão onerosa não pode voltar à Câmara



15/10/2019 | 12:41


O senador Omar Aziz (PSD-AM), relator do projeto de lei sobre o rateio de recursos da cessão onerosa, demonstrou nesta terça-feira, 15, resistência em aceitar uma emenda, apresentada pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa, que aumenta a quantidade de recursos destinada aos Estados do Norte e do Nordeste e ao Distrito Federal.

De acordo com a emenda, esses governos estaduais receberiam mais R$ 2,19 bilhões da parte da União, além dos repasses já previstos.

Aziz alegou que, com a alteração, se o texto retornar à Câmara dos Deputados, prefeitos e governadores correm o risco de ficar sem qualquer repasse.

"Tive agora reunião com a associação de municípios e com prefeitos, que disseram que o projeto não é o ideal", pontuou Aziz. "Mas temos um momento para criar um critério. Mas um critério nunca será bom para todos", comentou na CAE.

O projeto de rateio da cessão onerosa determina que 15% (R$ 10,95 bilhões) dos recursos que serão divididos sejam destinados para Estados, respeitando um cálculo misto: dois terços de acordo com os critérios do Fundo de Participação dos Estados - que beneficiam mais Norte e Nordeste - e um terço seguindo as regras do Fundo de Exportação e da Lei Kandir - que beneficiam Estados exportadores.

Outros 15% (R$ 10,95 bilhões) serão destinados para os municípios, segundo os critérios do Fundo de Participação dos Municípios, privilegiando municípios mais pobres. A União ficaria com R$ 49 bilhões, a Petrobras com R$ 33,6 bilhões e o Rio, R$ 2,4 bilhões.

Pelo texto, governadores devem usar os recursos prioritariamente para cobrir rombos na Previdência e, apenas se sobrar dinheiro, para investimentos. Para os prefeitos, a destinação é mais flexível. Municípios poderão escolher onde colocar os recursos primeiro, na Previdência ou em investimentos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aziz resiste à emenda do PT e diz que cessão onerosa não pode voltar à Câmara


15/10/2019 | 12:41


O senador Omar Aziz (PSD-AM), relator do projeto de lei sobre o rateio de recursos da cessão onerosa, demonstrou nesta terça-feira, 15, resistência em aceitar uma emenda, apresentada pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa, que aumenta a quantidade de recursos destinada aos Estados do Norte e do Nordeste e ao Distrito Federal.

De acordo com a emenda, esses governos estaduais receberiam mais R$ 2,19 bilhões da parte da União, além dos repasses já previstos.

Aziz alegou que, com a alteração, se o texto retornar à Câmara dos Deputados, prefeitos e governadores correm o risco de ficar sem qualquer repasse.

"Tive agora reunião com a associação de municípios e com prefeitos, que disseram que o projeto não é o ideal", pontuou Aziz. "Mas temos um momento para criar um critério. Mas um critério nunca será bom para todos", comentou na CAE.

O projeto de rateio da cessão onerosa determina que 15% (R$ 10,95 bilhões) dos recursos que serão divididos sejam destinados para Estados, respeitando um cálculo misto: dois terços de acordo com os critérios do Fundo de Participação dos Estados - que beneficiam mais Norte e Nordeste - e um terço seguindo as regras do Fundo de Exportação e da Lei Kandir - que beneficiam Estados exportadores.

Outros 15% (R$ 10,95 bilhões) serão destinados para os municípios, segundo os critérios do Fundo de Participação dos Municípios, privilegiando municípios mais pobres. A União ficaria com R$ 49 bilhões, a Petrobras com R$ 33,6 bilhões e o Rio, R$ 2,4 bilhões.

Pelo texto, governadores devem usar os recursos prioritariamente para cobrir rombos na Previdência e, apenas se sobrar dinheiro, para investimentos. Para os prefeitos, a destinação é mais flexível. Municípios poderão escolher onde colocar os recursos primeiro, na Previdência ou em investimentos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;