Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Apesar de exterior positivo, Ibovespa cai com investidor de olho na política



15/10/2019 | 11:15


O temor de contágio da crise política envolvendo o PSL, partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, na agenda de reformas do governo gera cautela nos negócios na B3. Neste dia, em que se espera a votação do relatório da partilha dos recursos do mega leilão do pré-sal no Senado, a operação da Polícia Federal, que faz busca e apreensão em endereço ligado ao deputado federal e presidente da legenda, Luciano Bivar, pode elevar a preocupação entre investidores.

Além disso, novas dúvidas a respeito das negociações comerciais Estados Unidos e China também podem reforçar a expectativa de queda na B3, como sugere o Ibovespa (às 11h05, cedia 0,02%, aos 104.278,14 pontos).

Apesar da calmaria externa - pelo menos por ora - propiciada por balanços melhores que o esperado nos EUA e a possibilidade de um acordo sobre o Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) esta semana, a Bolsa brasileira abriu em baixa.

Lá fora, contudo, os mercados acionários europeus, com exceção de Londres, sobem, e os de Nova York também exibem ganhos. Dentre os balanços forma informados os do JPMorgan, BlackRock, UnitedHealth e Johnson & Johnson, que tiveram lucros maiores que o esperado no terceiro trimestre.

"Agora que o mercado estava começando a tirar do radar as nuvens nubladas provenientes do cenário externo, aqui começa a ficar nebuloso por causa da política", afirma Adriano Gomes, professor de Finanças da ESPM. "Houve uma primeira rodada nas negociações comerciais entre EUA e China, na sexta, que teve êxito, e tem a questão do Brexit, que caminha para um acordo amigável. Essas eram as questões cruciais para o mercado", completa.

Entretanto, aqui, ressalta Gomes, por causa da política, faz-se no Brasil um "esforço danado" para estragar esse ambiente que tende a melhorar. "O receio é que o governo possa perder seu apoio no Congresso, que já é frágil. Temos uma agenda bastante interessante pela frente, sobretudo a reforma tributária. A preocupação é que essa crise atrapalhe e não se tenha uma base sólida para evoluir nessa agenda, que começa a se esfacelar", analisa.

Porém, o acadêmico considera pouco provável que a votação do texto da cessão onerosa, esperada para hoje no Senado, sofra interferência, tampouco a da reforma previdenciária em novembro.

Em nota, o analista político da Tendências Consultoria Integrada, Rafael Cortez, reforça que, grosso modo, a celeuma entre Bolsonaro-PSL representa maior competitividade no campo conservador. Assim, escreveu, cada vez mais será custoso mobilizar agenda de reformas que irá alimentar eleitoralmente um adversário.

Já um operador acredita que a crise política entre o presidente e a legenda não terá forças para alterar a dinâmica da agenda reformista. "Só se de fato atingir mesmo o presidente. No entanto, o mercado segue mesmo atento ao Paulo Guedes ministro da Economia", diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apesar de exterior positivo, Ibovespa cai com investidor de olho na política


15/10/2019 | 11:15


O temor de contágio da crise política envolvendo o PSL, partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, na agenda de reformas do governo gera cautela nos negócios na B3. Neste dia, em que se espera a votação do relatório da partilha dos recursos do mega leilão do pré-sal no Senado, a operação da Polícia Federal, que faz busca e apreensão em endereço ligado ao deputado federal e presidente da legenda, Luciano Bivar, pode elevar a preocupação entre investidores.

Além disso, novas dúvidas a respeito das negociações comerciais Estados Unidos e China também podem reforçar a expectativa de queda na B3, como sugere o Ibovespa (às 11h05, cedia 0,02%, aos 104.278,14 pontos).

Apesar da calmaria externa - pelo menos por ora - propiciada por balanços melhores que o esperado nos EUA e a possibilidade de um acordo sobre o Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) esta semana, a Bolsa brasileira abriu em baixa.

Lá fora, contudo, os mercados acionários europeus, com exceção de Londres, sobem, e os de Nova York também exibem ganhos. Dentre os balanços forma informados os do JPMorgan, BlackRock, UnitedHealth e Johnson & Johnson, que tiveram lucros maiores que o esperado no terceiro trimestre.

"Agora que o mercado estava começando a tirar do radar as nuvens nubladas provenientes do cenário externo, aqui começa a ficar nebuloso por causa da política", afirma Adriano Gomes, professor de Finanças da ESPM. "Houve uma primeira rodada nas negociações comerciais entre EUA e China, na sexta, que teve êxito, e tem a questão do Brexit, que caminha para um acordo amigável. Essas eram as questões cruciais para o mercado", completa.

Entretanto, aqui, ressalta Gomes, por causa da política, faz-se no Brasil um "esforço danado" para estragar esse ambiente que tende a melhorar. "O receio é que o governo possa perder seu apoio no Congresso, que já é frágil. Temos uma agenda bastante interessante pela frente, sobretudo a reforma tributária. A preocupação é que essa crise atrapalhe e não se tenha uma base sólida para evoluir nessa agenda, que começa a se esfacelar", analisa.

Porém, o acadêmico considera pouco provável que a votação do texto da cessão onerosa, esperada para hoje no Senado, sofra interferência, tampouco a da reforma previdenciária em novembro.

Em nota, o analista político da Tendências Consultoria Integrada, Rafael Cortez, reforça que, grosso modo, a celeuma entre Bolsonaro-PSL representa maior competitividade no campo conservador. Assim, escreveu, cada vez mais será custoso mobilizar agenda de reformas que irá alimentar eleitoralmente um adversário.

Já um operador acredita que a crise política entre o presidente e a legenda não terá forças para alterar a dinâmica da agenda reformista. "Só se de fato atingir mesmo o presidente. No entanto, o mercado segue mesmo atento ao Paulo Guedes ministro da Economia", diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;