Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Consórcio em reconstrução


Do Diário do Grande ABC

15/10/2019 | 09:49


A reintegração de São Caetano ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, que deve ser consolidada com as duas votações previstas para hoje na Câmara, é o fato político-administrativo mais importante dos últimos tempos. A fragmentação da entidade, iniciada há pouco mais de dois anos por causa de divergências políticas, atravancou sobremaneira o desenvolvimento das sete cidades. Sem união, a região ficou fragilizada nas mesas em que se sentou para dialogar com as esferas superiores de poder, como o Estado e a União.

Tome-se como exemplo o recuo do Estado na implantação da Linha 18-Bronze do Metrô, decisão tomada exatamente no momento de maior desarticulação do Consórcio. A medida teria sido efetivada em circunstâncias normais? Difícil dizer, mas é certo que o governador João Doria (PSDB), ou qualquer outra liderança política, pensaria duas vezes antes de se posicionar contra o interesse uníssono de sete prefeitos que, juntos, dominam politicamente região responsável pelo quarto maior PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil.

Exatamente por isso é que a decisão de São Caetano de voltar ao Consórcio deve ser saudada. A recuperação do protagonismo perdido passa diretamente pela reconstrução da entidade. Os políticos e a sociedade do Grande ABC precisam compreender que muitas lideranças externas apostam no esfacelamento de mecanismos como o colegiado de prefeitos por saberem da força que a região possui quando está unida. E talvez esse poder conferido pela unidade não seja compatível com os interesses particulares delas.

Com o retorno de São Caetano, já que Rio Grande da Serra também já retomou seu assento na entidade, das sete cidades fundadoras do Consórcio somente Diadema seguirá oficialmente fora. Por enquanto. O município administrado por Lauro Michels (PV) deve merecer toda a atenção diplomática da atual gestão, capitaneada pelo andreense Paulo Serra (PSDB), para que também volte, o mais rapidamente possível, para o posto que nunca deveria ter abandonado. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Consórcio em reconstrução

Do Diário do Grande ABC

15/10/2019 | 09:49


A reintegração de São Caetano ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, que deve ser consolidada com as duas votações previstas para hoje na Câmara, é o fato político-administrativo mais importante dos últimos tempos. A fragmentação da entidade, iniciada há pouco mais de dois anos por causa de divergências políticas, atravancou sobremaneira o desenvolvimento das sete cidades. Sem união, a região ficou fragilizada nas mesas em que se sentou para dialogar com as esferas superiores de poder, como o Estado e a União.

Tome-se como exemplo o recuo do Estado na implantação da Linha 18-Bronze do Metrô, decisão tomada exatamente no momento de maior desarticulação do Consórcio. A medida teria sido efetivada em circunstâncias normais? Difícil dizer, mas é certo que o governador João Doria (PSDB), ou qualquer outra liderança política, pensaria duas vezes antes de se posicionar contra o interesse uníssono de sete prefeitos que, juntos, dominam politicamente região responsável pelo quarto maior PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil.

Exatamente por isso é que a decisão de São Caetano de voltar ao Consórcio deve ser saudada. A recuperação do protagonismo perdido passa diretamente pela reconstrução da entidade. Os políticos e a sociedade do Grande ABC precisam compreender que muitas lideranças externas apostam no esfacelamento de mecanismos como o colegiado de prefeitos por saberem da força que a região possui quando está unida. E talvez esse poder conferido pela unidade não seja compatível com os interesses particulares delas.

Com o retorno de São Caetano, já que Rio Grande da Serra também já retomou seu assento na entidade, das sete cidades fundadoras do Consórcio somente Diadema seguirá oficialmente fora. Por enquanto. O município administrado por Lauro Michels (PV) deve merecer toda a atenção diplomática da atual gestão, capitaneada pelo andreense Paulo Serra (PSDB), para que também volte, o mais rapidamente possível, para o posto que nunca deveria ter abandonado. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;