Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O sindicato patronal e o seu negócio


Do Diário do Grande ABC

12/10/2019 | 11:37


Muitas vezes, o sindicato patronal só é lembrado quando o boleto de pagamento das contribuições chega na empresa ou no momento da renovação da convenção coletiva de trabalho. Mas isso está muito longe de ser o ideal. Você já se perguntou por que a empresa deveria ser filiada a um sindicato? Um dos principais motivos para aderir ao sindicato é participar do poder que ele tem, pois serve como representante da categoria junto ao governo, também discute dificuldades, informa sobre as inovações e propõe novos caminhos. 

O Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação) do Grande ABC, que tem sede em Santo André, representa os estabelecimentos do setor de hospedagem e alimentação nas cidades do Grande ABC. Estamos falando de universo em torno de 8.000 empreendimentos, que geram mais de 100 mil empregos. O setor inclui hotéis, motéis, hospedarias, pensões, bares, restaurantes, churrascarias, lanchonetes, pizzarias, cafés, buffets, fast-foods e similares.

Os sindicatos são organizações que possuem papel de extrema importância na vida daqueles que ele representa. Com a reforma trabalhista em 2017, as contribuições sindicais patronais deixaram de ser obrigatórias e passaram a ter necessidade de consentimento do contribuinte. No entanto, a representação da categoria continua sendo muito importante.

Em se tratando de setor tão representativo, somos o principal apoio aos empresários do segmento. Atuamos com estratégias para o crescimento e conquistas dos empresários, para melhor ambiente de trabalho, que é o foco de nossa entidade. Sempre atentos às constantes mudanças, que em tempos atuais vêm em velocidade fantástica, nós sempre buscamos a modernização. O nosso site foi reformulado e está mais interativo para melhorar o atendimento e a informação aos empresários, passamos a utilizar mais as redes sociais, o Facebook, Instagram e WhatsApp, como ferramentas de marketing, o que possibilita relacionamento mais próximo com o nosso público. 

Filiar-se ao sindicato patronal é muito importante. O associado tem acesso a diversas informações e ações, podendo, inclusive, discutir e interagir nas questões importantes da categoria. Fundado em 12 de julho de 1943, portanto, há sete décadas e meia, o sindicato, que é entidade sem fins lucrativos, continua no firme propósito de apoiar os empresários de todos os segmentos.

No Sehal, os associados dispõem de assessorias e consultorias jurídica, sanitária, arquitetura e comunicação, além de cursos, palestras e workshops. Há ainda benefícios oferecidos, como clube de vantagens. E nos aguardem, em breve anunciaremos novas parcerias em benefício dos nossos associados!

Roberto Moreira é presidente do Sehal.

Exagero

Dia 5 houve festividade no Paço de Santo André e o ruído da música estava tão absurdo que as paredes do prédio tremiam, meu estômago revirava com o desespero de não ter para onde fugir. Telefonei ao Semasa e, após duas horas e pouco, chegou rapaz para medir a intensidade do som. Só que a festa estava acabando e finalmente consegui repousar. Imaginem, leitores, que esse ruído exagerado se encontra a um quarteirão do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa. No Natal passado, estava internado no Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa, de Santo André, quando teve a festa da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André) em frente à Câmara Municipal. Foi horrível. Enquanto escrevia com intenção de tornar público meu desespero, iniciou a música, um pouquinho mais baixo, pois talvez, conforme prometeu o rapaz do Semasa, deve ter solicitado aos responsáveis maior moderação. Nos bairros há o combate aos pancadões. Vamos cuidar para que não venham para o Centro e sob os auspícios da administração pública. 

Felix Saverio Majorana

Santo André

Proibidas

O problema da ocupação indevida das calçadas é bem mais amplo do que se possa imaginar (Setecidades, dia 7). É comum, por exemplo, veículos de passeio ou de cargas estacionados nas calçadas, forçando os pedestres a desviarem para a pista, correndo o risco de serem atropelados. Calçadas esburacadas ou mesmo com degraus, quando a via pública tem declive acentuado. Mas, no caso dos bares e restaurantes, interessante é a alegação do presidente do Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação) do Grande ABC, Roberto Moreira, de que os proprietários de restaurantes colocam o mobiliário do lado de fora para agradar a clientela. A legislação prevê que bares e restaurantes devem deixar espaço de 1,20 m a 1,50 m para livre trânsito dos pedestres. Só que é comum quando mulheres passam por esse apertado espaço serem importunadas pelos clientes ocupantes dessas mesas, principalmente aqueles que já abusaram de bebidas alcoólicas. E parece que, em defesa do poder econômico, as calçadas dos Grande ABC tendem a continuar proibidas para uso dos pedestres.

Arlindo Ligeirinho Ribeiro

Diadema

Irmã Dulce

Canonização de irmã Dulce é por milagres, é o reconhecimento por suas obras. Deputados e senadores, presidentes do Senado, da Câmara e do STF (Supremo Tribunal Federal), que foram com ajuda de US$ 470 mais passagens pagas pelo erário, devem ficar constrangidos ao saberem de perto como era o trabalho de irmã Dulce. Se esse evento tocar o coração desses visitantes, o Brasil mudará seu rumo, pois ouvirão exemplos de dedicação, compromisso e justiça. Renovados no espírito de santidade, votarão as reformas da Previdência, administrativa, tributária, o pacote anticrime e a lei de abuso de autoridade, sem toma lá dá cá, pensando no melhor para o País e seu povo, e aí pode se dizer que a bondade de irmã Dulce foi transmitida por osmose. Todos esses milagres poderemos conferir a partir da próxima semana. 

Izabel Avallone

Capital

Bibliotecas

Com relação à reportagem ‘Playground Cultural’ (Revista Dia-a-Dia, dia 6), a Secretaria de Cultura de Santo André esclarece que é parceira atuante do projeto Rede de Bibliotecas Vivas, inaugurada em abril de 2018, fruto da parceria entre Fundação Santo André, SP Leituras e gerência de bibliotecas da secretaria. A gerência atua com empréstimo e doação de acervo, capacitação e atividades culturais como espetáculos teatrais e contações de histórias. Disponibiliza ainda às bibliotecas vivas da cidade sistema informatizado para controle e divulgação do acervo das unidades via internet. Atualmente, duas bibliotecas da Secretaria de Cultura integram a Rede de Bibliotecas Vivas, a Biblioteca Vila Palmares e a Biblioteca Cata Preta, com previsão de inclusão de mais duas unidades até o primeiro semestre de 2020.

Secretaria de Cultura –

Prefeitura de Santo André

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O sindicato patronal e o seu negócio

Do Diário do Grande ABC

12/10/2019 | 11:37


Muitas vezes, o sindicato patronal só é lembrado quando o boleto de pagamento das contribuições chega na empresa ou no momento da renovação da convenção coletiva de trabalho. Mas isso está muito longe de ser o ideal. Você já se perguntou por que a empresa deveria ser filiada a um sindicato? Um dos principais motivos para aderir ao sindicato é participar do poder que ele tem, pois serve como representante da categoria junto ao governo, também discute dificuldades, informa sobre as inovações e propõe novos caminhos. 

O Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação) do Grande ABC, que tem sede em Santo André, representa os estabelecimentos do setor de hospedagem e alimentação nas cidades do Grande ABC. Estamos falando de universo em torno de 8.000 empreendimentos, que geram mais de 100 mil empregos. O setor inclui hotéis, motéis, hospedarias, pensões, bares, restaurantes, churrascarias, lanchonetes, pizzarias, cafés, buffets, fast-foods e similares.

Os sindicatos são organizações que possuem papel de extrema importância na vida daqueles que ele representa. Com a reforma trabalhista em 2017, as contribuições sindicais patronais deixaram de ser obrigatórias e passaram a ter necessidade de consentimento do contribuinte. No entanto, a representação da categoria continua sendo muito importante.

Em se tratando de setor tão representativo, somos o principal apoio aos empresários do segmento. Atuamos com estratégias para o crescimento e conquistas dos empresários, para melhor ambiente de trabalho, que é o foco de nossa entidade. Sempre atentos às constantes mudanças, que em tempos atuais vêm em velocidade fantástica, nós sempre buscamos a modernização. O nosso site foi reformulado e está mais interativo para melhorar o atendimento e a informação aos empresários, passamos a utilizar mais as redes sociais, o Facebook, Instagram e WhatsApp, como ferramentas de marketing, o que possibilita relacionamento mais próximo com o nosso público. 

Filiar-se ao sindicato patronal é muito importante. O associado tem acesso a diversas informações e ações, podendo, inclusive, discutir e interagir nas questões importantes da categoria. Fundado em 12 de julho de 1943, portanto, há sete décadas e meia, o sindicato, que é entidade sem fins lucrativos, continua no firme propósito de apoiar os empresários de todos os segmentos.

No Sehal, os associados dispõem de assessorias e consultorias jurídica, sanitária, arquitetura e comunicação, além de cursos, palestras e workshops. Há ainda benefícios oferecidos, como clube de vantagens. E nos aguardem, em breve anunciaremos novas parcerias em benefício dos nossos associados!

Roberto Moreira é presidente do Sehal.

Exagero

Dia 5 houve festividade no Paço de Santo André e o ruído da música estava tão absurdo que as paredes do prédio tremiam, meu estômago revirava com o desespero de não ter para onde fugir. Telefonei ao Semasa e, após duas horas e pouco, chegou rapaz para medir a intensidade do som. Só que a festa estava acabando e finalmente consegui repousar. Imaginem, leitores, que esse ruído exagerado se encontra a um quarteirão do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa. No Natal passado, estava internado no Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa, de Santo André, quando teve a festa da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André) em frente à Câmara Municipal. Foi horrível. Enquanto escrevia com intenção de tornar público meu desespero, iniciou a música, um pouquinho mais baixo, pois talvez, conforme prometeu o rapaz do Semasa, deve ter solicitado aos responsáveis maior moderação. Nos bairros há o combate aos pancadões. Vamos cuidar para que não venham para o Centro e sob os auspícios da administração pública. 

Felix Saverio Majorana

Santo André

Proibidas

O problema da ocupação indevida das calçadas é bem mais amplo do que se possa imaginar (Setecidades, dia 7). É comum, por exemplo, veículos de passeio ou de cargas estacionados nas calçadas, forçando os pedestres a desviarem para a pista, correndo o risco de serem atropelados. Calçadas esburacadas ou mesmo com degraus, quando a via pública tem declive acentuado. Mas, no caso dos bares e restaurantes, interessante é a alegação do presidente do Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação) do Grande ABC, Roberto Moreira, de que os proprietários de restaurantes colocam o mobiliário do lado de fora para agradar a clientela. A legislação prevê que bares e restaurantes devem deixar espaço de 1,20 m a 1,50 m para livre trânsito dos pedestres. Só que é comum quando mulheres passam por esse apertado espaço serem importunadas pelos clientes ocupantes dessas mesas, principalmente aqueles que já abusaram de bebidas alcoólicas. E parece que, em defesa do poder econômico, as calçadas dos Grande ABC tendem a continuar proibidas para uso dos pedestres.

Arlindo Ligeirinho Ribeiro

Diadema

Irmã Dulce

Canonização de irmã Dulce é por milagres, é o reconhecimento por suas obras. Deputados e senadores, presidentes do Senado, da Câmara e do STF (Supremo Tribunal Federal), que foram com ajuda de US$ 470 mais passagens pagas pelo erário, devem ficar constrangidos ao saberem de perto como era o trabalho de irmã Dulce. Se esse evento tocar o coração desses visitantes, o Brasil mudará seu rumo, pois ouvirão exemplos de dedicação, compromisso e justiça. Renovados no espírito de santidade, votarão as reformas da Previdência, administrativa, tributária, o pacote anticrime e a lei de abuso de autoridade, sem toma lá dá cá, pensando no melhor para o País e seu povo, e aí pode se dizer que a bondade de irmã Dulce foi transmitida por osmose. Todos esses milagres poderemos conferir a partir da próxima semana. 

Izabel Avallone

Capital

Bibliotecas

Com relação à reportagem ‘Playground Cultural’ (Revista Dia-a-Dia, dia 6), a Secretaria de Cultura de Santo André esclarece que é parceira atuante do projeto Rede de Bibliotecas Vivas, inaugurada em abril de 2018, fruto da parceria entre Fundação Santo André, SP Leituras e gerência de bibliotecas da secretaria. A gerência atua com empréstimo e doação de acervo, capacitação e atividades culturais como espetáculos teatrais e contações de histórias. Disponibiliza ainda às bibliotecas vivas da cidade sistema informatizado para controle e divulgação do acervo das unidades via internet. Atualmente, duas bibliotecas da Secretaria de Cultura integram a Rede de Bibliotecas Vivas, a Biblioteca Vila Palmares e a Biblioteca Cata Preta, com previsão de inclusão de mais duas unidades até o primeiro semestre de 2020.

Secretaria de Cultura –

Prefeitura de Santo André

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;