Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Educação financeira na infância ajuda a família

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pesquisa aponta que 71% das crianças que têm acesso à metodologia auxiliam os pais em uma compra consciente


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

12/10/2019 | 07:22


A educação financeira é uma maneira de conscientizar as crianças em relação aos projetos futuros e à organização com as despesas da vida adulta. Além disso, toda a família acaba inserida no contexto e, consequentemente, é auxiliada pelos pequenos nas questões relacionadas ao dinheiro. Na região, 22 escolas em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema e Mauá, com aproximadamente 4.500 alunos, participam do programa da Dsop Educação Financeira nas escolas.

Pesquisa de educação financeira nas escolas, realizada em 2017, por meio de parceria entre o Instituto de Economia da Unicamp (Universidade de Campinas), por seu Neit (Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia), o Instituto Axxus e a Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), mostram a importância desse assunto. Das famílias entrevistadas, cujos filhos tiveram acesso à educação financeira, todas responderam que eles participam de discussões financeiras, e 71% afirmaram que os pequenos também ajudam a fazer uma compra consciente.

Conforme a assessora pedagógica da Dsop, Andressa Tasso, um dos conceitos trabalhados pela capacitação é o planejamento para a realização dos sonhos. O programa pode ser aplicado desde crianças na educação infantil até adolescentes no ensino médio, sendo que materiais são utilizados em mais de 115 cidades.

“Quando eu tenho um sonho, como eu me comporto financeiramente? A criança aprende que precisa abrir mão de algo para ter outra coisa maior. Ou seja, em vez de comprar uma casquinha de sorvete, ela vai juntar o dinheiro para comprar outro objeto que queira. É a partir daí que o filho começa a educar o pai e começa a perguntar qual compra é desejo e qual é necessidade. Eles começam a se questionar se, ao economizar na conta de luz, dá para realizar o sonho de ir para Disney”, afirmou.

Ou seja, os filhos podem auxiliar os pais nas compras por impulso, e principalmente no planejamento da vida financeira, já que as mesmas geram dívidas e a entrada no tão temido cheque especial. “Isso acontece porque a gente se esquece do planejamento”, explicou Adriana. “Temos preocupação de formar adultos sustentáveis, com novos hábitos financeiros, e fazer com que as crianças cheguem aos 30 anos de idade com sua independência financeira.”

A escola que opta por aderir ao programa tem acesso à capacitação dos professores, por meio de profissionais da Dsop. Após a certificação e habilitação do professor, ele começa a oferecer a formação aos alunos. Além disso, há exercícios para serem feitos junto com os integrantes da família. “Eles vão para casa e, como tarefa, precisam sentar e resolver um problema junto ao pai, que também começa a entender aquilo que é aplicado”, disse Andressa. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Educação financeira na infância ajuda a família

Pesquisa aponta que 71% das crianças que têm acesso à metodologia auxiliam os pais em uma compra consciente

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

12/10/2019 | 07:22


A educação financeira é uma maneira de conscientizar as crianças em relação aos projetos futuros e à organização com as despesas da vida adulta. Além disso, toda a família acaba inserida no contexto e, consequentemente, é auxiliada pelos pequenos nas questões relacionadas ao dinheiro. Na região, 22 escolas em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema e Mauá, com aproximadamente 4.500 alunos, participam do programa da Dsop Educação Financeira nas escolas.

Pesquisa de educação financeira nas escolas, realizada em 2017, por meio de parceria entre o Instituto de Economia da Unicamp (Universidade de Campinas), por seu Neit (Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia), o Instituto Axxus e a Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), mostram a importância desse assunto. Das famílias entrevistadas, cujos filhos tiveram acesso à educação financeira, todas responderam que eles participam de discussões financeiras, e 71% afirmaram que os pequenos também ajudam a fazer uma compra consciente.

Conforme a assessora pedagógica da Dsop, Andressa Tasso, um dos conceitos trabalhados pela capacitação é o planejamento para a realização dos sonhos. O programa pode ser aplicado desde crianças na educação infantil até adolescentes no ensino médio, sendo que materiais são utilizados em mais de 115 cidades.

“Quando eu tenho um sonho, como eu me comporto financeiramente? A criança aprende que precisa abrir mão de algo para ter outra coisa maior. Ou seja, em vez de comprar uma casquinha de sorvete, ela vai juntar o dinheiro para comprar outro objeto que queira. É a partir daí que o filho começa a educar o pai e começa a perguntar qual compra é desejo e qual é necessidade. Eles começam a se questionar se, ao economizar na conta de luz, dá para realizar o sonho de ir para Disney”, afirmou.

Ou seja, os filhos podem auxiliar os pais nas compras por impulso, e principalmente no planejamento da vida financeira, já que as mesmas geram dívidas e a entrada no tão temido cheque especial. “Isso acontece porque a gente se esquece do planejamento”, explicou Adriana. “Temos preocupação de formar adultos sustentáveis, com novos hábitos financeiros, e fazer com que as crianças cheguem aos 30 anos de idade com sua independência financeira.”

A escola que opta por aderir ao programa tem acesso à capacitação dos professores, por meio de profissionais da Dsop. Após a certificação e habilitação do professor, ele começa a oferecer a formação aos alunos. Além disso, há exercícios para serem feitos junto com os integrantes da família. “Eles vão para casa e, como tarefa, precisam sentar e resolver um problema junto ao pai, que também começa a entender aquilo que é aplicado”, disse Andressa. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;