Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Demissão de servidores subordinados a Alvim é revogada



10/10/2019 | 09:30


O ministro da Cidadania, Osmar Terra, revogou a exoneração de 19 servidores do Centro das Artes Cênicas (Ceacen) da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

O grupo tinha sido dispensado na sexta-feira, 4, mas na terça-feira, cinco dias após o desligamento, o Diário Oficial da União (DOU) publicou novas portarias do ministro que tornam as exonerações sem efeito.

Os servidores - que agora retomam os postos - são subordinados ao diretor do Ceacen, Roberto Alvim, que recentemente atacou com ofensas a atriz Fernanda Montenegro.

Alvim chamou Fernanda de "mentirosa" e "sórdida" em uma postagem no Facebook, o que provocou a reação da classe artística em defesa da atriz.

Com a anulação dos atos de exoneração e dispensa, os 19 servidores reassumem seus cargos, todos de confiança. Eles são titulares de funções de chefia, coordenação e subgerência no Ceacen.

Polêmicas

Desde que assumiu o cargo, no final de julho deste ano, Alvim tem se envolvido em polêmicas. A sua gestão tem como marca críticas à esquerda e ao que chama de "marxismo cultural".

No início de setembro, pouco depois de atacar Fernanda Montenegro, ele se envolveu em outra embate com a classe artística, ao suspender a temporada da peça Res pública e exonerar a então coordenadora da Funarte em São Paulo Maria Ester Moreira, que não concordou com o cancelamento do espetáculo. Alvim respondeu às críticas com um post no Facebook.

"Reduções do conceito de arte a ativismos políticos, discursos diretos ou propagandas partidárias/ideológicas não terão mais lugar em nossos equipamentos culturais. É uma questão de escolha conceitual", escreveu o diretor. "Isso, amiguinhos, não é censura. Nada impede de que se faça ativismo político no palco em outros espaços. Mas nos espaços da Funarte, só trabalharemos com obras de arte", postou.

O diretor costuma também teorizar suas ideias e diferenciar os tipos de arte: "arte de esquerda é doutrinação de todos os espectadores; arte de direita é emancipação poética".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Demissão de servidores subordinados a Alvim é revogada


10/10/2019 | 09:30


O ministro da Cidadania, Osmar Terra, revogou a exoneração de 19 servidores do Centro das Artes Cênicas (Ceacen) da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

O grupo tinha sido dispensado na sexta-feira, 4, mas na terça-feira, cinco dias após o desligamento, o Diário Oficial da União (DOU) publicou novas portarias do ministro que tornam as exonerações sem efeito.

Os servidores - que agora retomam os postos - são subordinados ao diretor do Ceacen, Roberto Alvim, que recentemente atacou com ofensas a atriz Fernanda Montenegro.

Alvim chamou Fernanda de "mentirosa" e "sórdida" em uma postagem no Facebook, o que provocou a reação da classe artística em defesa da atriz.

Com a anulação dos atos de exoneração e dispensa, os 19 servidores reassumem seus cargos, todos de confiança. Eles são titulares de funções de chefia, coordenação e subgerência no Ceacen.

Polêmicas

Desde que assumiu o cargo, no final de julho deste ano, Alvim tem se envolvido em polêmicas. A sua gestão tem como marca críticas à esquerda e ao que chama de "marxismo cultural".

No início de setembro, pouco depois de atacar Fernanda Montenegro, ele se envolveu em outra embate com a classe artística, ao suspender a temporada da peça Res pública e exonerar a então coordenadora da Funarte em São Paulo Maria Ester Moreira, que não concordou com o cancelamento do espetáculo. Alvim respondeu às críticas com um post no Facebook.

"Reduções do conceito de arte a ativismos políticos, discursos diretos ou propagandas partidárias/ideológicas não terão mais lugar em nossos equipamentos culturais. É uma questão de escolha conceitual", escreveu o diretor. "Isso, amiguinhos, não é censura. Nada impede de que se faça ativismo político no palco em outros espaços. Mas nos espaços da Funarte, só trabalharemos com obras de arte", postou.

O diretor costuma também teorizar suas ideias e diferenciar os tipos de arte: "arte de esquerda é doutrinação de todos os espectadores; arte de direita é emancipação poética".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;