Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Por enquanto, tudo bem; não tem crise', diz Bolsonaro sobre PSL

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Bolsonaro afirmou ainda que a insatisfação de uma parte da bancada não é um problema seu



09/10/2019 | 20:38


O presidente Jair Bolsonaro reduziu o tom em relação ao PSL no início da noite desta quarta-feira, 9. Após agravar a celeuma com a cúpula do partido ao dizer a um simpatizante para que esquecesse da sigla, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta noite que "por enquanto, está tudo bem" e que não há crise com a legenda pelo qual ele se elegeu no ano passado.

"Por enquanto, tudo bem. Não tem crise. Briga de marido e mulher, de vez em quando acontece. ... Não tem crise, não tem o que alimentar. Não tem confusão nenhuma", disse ao deixar o Palácio do Planalto nesta noite por uma das saídas de funcionários e visitantes próxima ao comitê de imprensa. Normalmente, o presidente utiliza uma saída privativa.

Logo em seguida, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente "não pretende deixar o PSL de livre e espontânea vontade". "Qualquer decisão desse partido seria unilateral", disse.

Rêgo Barros também disse que o presidente quer que o PSL seja "um diferencial na política" e que tenha "firmeza na defesa das bandeiras de campanha". "O que ele deseja do partido é que ele seja uma referência nacional no âmbito da política nacional", disse.

Bolsonaro afirmou ainda que a insatisfação de uma parte da bancada com a direção do PSL, principalmente com o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), não é um problema seu. "O pessoal quer um partido diferente, atuante. Este partido está estagnado", afirmou.

O presidente ainda afirmou que a sua declaração a um apoiador que se apresentou como pré-candidato pelo PSL no Recife para que esquecesse a legenda foi um alerta de que a fala do rapaz poderia configurar campanha eleitoral antecipada.

"Falei para o garoto: ''''Esquece o PSL''''. Por que? Ele é pré-candidato a vereador, se começar a falar em partido é campanha antecipada, isso que eu falei para ele", explicou.

Ao abordar Bolsonaro na porta do Palácio da Alvorada nesta terça-feira, o rapaz gravou um vídeo ao lado do presidente dizendo: "eu, Bolsonaro e Bivar, juntos por um novo Recife". Bolsonaro, então, pediu para que ele não divulgasse a gravação. "Oh, cara, não divulga isso não. O cara (Bivar) está queimado para caramba lá. Vai queimar o meu filme também. Esquece esse cara, esquece o partido", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Por enquanto, tudo bem; não tem crise', diz Bolsonaro sobre PSL

Bolsonaro afirmou ainda que a insatisfação de uma parte da bancada não é um problema seu


09/10/2019 | 20:38


O presidente Jair Bolsonaro reduziu o tom em relação ao PSL no início da noite desta quarta-feira, 9. Após agravar a celeuma com a cúpula do partido ao dizer a um simpatizante para que esquecesse da sigla, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta noite que "por enquanto, está tudo bem" e que não há crise com a legenda pelo qual ele se elegeu no ano passado.

"Por enquanto, tudo bem. Não tem crise. Briga de marido e mulher, de vez em quando acontece. ... Não tem crise, não tem o que alimentar. Não tem confusão nenhuma", disse ao deixar o Palácio do Planalto nesta noite por uma das saídas de funcionários e visitantes próxima ao comitê de imprensa. Normalmente, o presidente utiliza uma saída privativa.

Logo em seguida, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente "não pretende deixar o PSL de livre e espontânea vontade". "Qualquer decisão desse partido seria unilateral", disse.

Rêgo Barros também disse que o presidente quer que o PSL seja "um diferencial na política" e que tenha "firmeza na defesa das bandeiras de campanha". "O que ele deseja do partido é que ele seja uma referência nacional no âmbito da política nacional", disse.

Bolsonaro afirmou ainda que a insatisfação de uma parte da bancada com a direção do PSL, principalmente com o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), não é um problema seu. "O pessoal quer um partido diferente, atuante. Este partido está estagnado", afirmou.

O presidente ainda afirmou que a sua declaração a um apoiador que se apresentou como pré-candidato pelo PSL no Recife para que esquecesse a legenda foi um alerta de que a fala do rapaz poderia configurar campanha eleitoral antecipada.

"Falei para o garoto: ''''Esquece o PSL''''. Por que? Ele é pré-candidato a vereador, se começar a falar em partido é campanha antecipada, isso que eu falei para ele", explicou.

Ao abordar Bolsonaro na porta do Palácio da Alvorada nesta terça-feira, o rapaz gravou um vídeo ao lado do presidente dizendo: "eu, Bolsonaro e Bivar, juntos por um novo Recife". Bolsonaro, então, pediu para que ele não divulgasse a gravação. "Oh, cara, não divulga isso não. O cara (Bivar) está queimado para caramba lá. Vai queimar o meu filme também. Esquece esse cara, esquece o partido", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;