Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Câmara dos EUA intima Pentágono a enviar documentos sobre Trump

Shealah Craighead/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/10/2019 | 07:51


Deputados democratas, que comandam a investigação sobre o impeachment de Donald Trump, intimaram nesta segunda-feira, 7, o Pentágono e a Casa Branca a entregarem documentos relacionados à conversa do americano com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, no dia 25 de julho. No diálogo, Trump pedia para os ucranianos investigarem Joe Biden, seu maior adversário na corrida pela reeleição.

Os democratas intimaram o secretário de Defesa, Mark Esper, e o diretor de Orçamento da Casa Branca, Russell Vought, para que entreguem documentos até o dia 15. O objetivo é esclarecer as razões por trás da decisão da Casa Branca de suspender a ajuda militar crucial à Ucrânia, que havia sido autorizada pelo Congresso.

Os presidentes dos três comitês da Câmara que lideram a investigação do impeachment buscam informações sobre pressões de Trump sobre Zelenski. Diplomatas americanos também comparecerão ao Congresso nesta semana para prestar depoimentos a portas fechadas.

Entre os que devem depor estão Gordon Sondland, embaixador dos EUA para a União Europeia, que teria se envolvido nos esforços para convencer a Ucrânia a iniciar as investigações, e Masha Yovanovitch, que foi retirada abruptamente de seu posto de embaixadora americana na Ucrânia em maio, depois que assessores e conselheiros de Trump questionaram sua lealdade ao presidente.

A Casa Branca pretende comunicar formalmente à presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, que ignorará as exigências de documentos feitas pelos deputados até que a Câmara, de maioria democrata, realize uma votação no plenário para aprovar oficialmente o inquérito de impeachment.

Pelosi diz que uma votação não é necessária, porque não existe nenhuma provisão nas regras da Câmara que exija uma aprovação do plenário sobre o impeachment - embora nas duas últimas vezes, com os ex-presidentes Richard Nixon e Bill Clinton, o impeachment avançou apenas depois de ser aprovado em plenário.

Os democratas, no entanto, garantem que já têm os votos necessários para a aprovação do impeachment. O processo, se aprovado na Câmara por maioria simples de 218 deputados, seguiria para o Senado. Para a destituição de Trump, seria necessário que 20 senadores republicanos mudassem de lado, o que é considerado improvável.

Até agora, apenas três senadores republicanos criticaram publicamente o presidente: Mitt Romney, um desafeto de longa data de Trump, e dois senadores moderados, Susan Collins e Ben Sasse. Outros nomes do partido preferiram não comentar o caso ou encarar como "brincadeira" o pedido de Trump à Ucrânia para investigar Biden.

No fim de semana, Marco Rubio, senador republicano da Flórida, ofereceu sua versão sobre o pedido de Trump para que a China também investigasse seu maior adversário democrata. "Não foi um pedido de verdade", disse Rubio. "Ele só estava testando a imprensa, sabendo que vocês (jornalistas) ficariam indignados." O mesmo argumento foi repetido pelo senador Roy Blunt. "Duvido que ele (Trump) tenha falado sério", disse o republicano, no domingo, ao programa Face the Nation, da rede CBS.

Os democratas, porém, dizem acreditar que mais republicanos possam abandonar o barco à medida que a investigação avance. Os deputados confirmaram a existência de um segundo delator anônimo que estaria disposto a relatar a pressão de Trump sobre a Ucrânia.

No domingo, Mark Zaid, advogado do primeiro denunciante anônimo, anunciou que representava também um segundo informante que daria detalhes em primeira mão sobre o caso. Outro advogado do escritório de Zaid, Andrew Bakaj, sugeriu que o número de denunciantes pode aumentar. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara dos EUA intima Pentágono a enviar documentos sobre Trump


08/10/2019 | 07:51


Deputados democratas, que comandam a investigação sobre o impeachment de Donald Trump, intimaram nesta segunda-feira, 7, o Pentágono e a Casa Branca a entregarem documentos relacionados à conversa do americano com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, no dia 25 de julho. No diálogo, Trump pedia para os ucranianos investigarem Joe Biden, seu maior adversário na corrida pela reeleição.

Os democratas intimaram o secretário de Defesa, Mark Esper, e o diretor de Orçamento da Casa Branca, Russell Vought, para que entreguem documentos até o dia 15. O objetivo é esclarecer as razões por trás da decisão da Casa Branca de suspender a ajuda militar crucial à Ucrânia, que havia sido autorizada pelo Congresso.

Os presidentes dos três comitês da Câmara que lideram a investigação do impeachment buscam informações sobre pressões de Trump sobre Zelenski. Diplomatas americanos também comparecerão ao Congresso nesta semana para prestar depoimentos a portas fechadas.

Entre os que devem depor estão Gordon Sondland, embaixador dos EUA para a União Europeia, que teria se envolvido nos esforços para convencer a Ucrânia a iniciar as investigações, e Masha Yovanovitch, que foi retirada abruptamente de seu posto de embaixadora americana na Ucrânia em maio, depois que assessores e conselheiros de Trump questionaram sua lealdade ao presidente.

A Casa Branca pretende comunicar formalmente à presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, que ignorará as exigências de documentos feitas pelos deputados até que a Câmara, de maioria democrata, realize uma votação no plenário para aprovar oficialmente o inquérito de impeachment.

Pelosi diz que uma votação não é necessária, porque não existe nenhuma provisão nas regras da Câmara que exija uma aprovação do plenário sobre o impeachment - embora nas duas últimas vezes, com os ex-presidentes Richard Nixon e Bill Clinton, o impeachment avançou apenas depois de ser aprovado em plenário.

Os democratas, no entanto, garantem que já têm os votos necessários para a aprovação do impeachment. O processo, se aprovado na Câmara por maioria simples de 218 deputados, seguiria para o Senado. Para a destituição de Trump, seria necessário que 20 senadores republicanos mudassem de lado, o que é considerado improvável.

Até agora, apenas três senadores republicanos criticaram publicamente o presidente: Mitt Romney, um desafeto de longa data de Trump, e dois senadores moderados, Susan Collins e Ben Sasse. Outros nomes do partido preferiram não comentar o caso ou encarar como "brincadeira" o pedido de Trump à Ucrânia para investigar Biden.

No fim de semana, Marco Rubio, senador republicano da Flórida, ofereceu sua versão sobre o pedido de Trump para que a China também investigasse seu maior adversário democrata. "Não foi um pedido de verdade", disse Rubio. "Ele só estava testando a imprensa, sabendo que vocês (jornalistas) ficariam indignados." O mesmo argumento foi repetido pelo senador Roy Blunt. "Duvido que ele (Trump) tenha falado sério", disse o republicano, no domingo, ao programa Face the Nation, da rede CBS.

Os democratas, porém, dizem acreditar que mais republicanos possam abandonar o barco à medida que a investigação avance. Os deputados confirmaram a existência de um segundo delator anônimo que estaria disposto a relatar a pressão de Trump sobre a Ucrânia.

No domingo, Mark Zaid, advogado do primeiro denunciante anônimo, anunciou que representava também um segundo informante que daria detalhes em primeira mão sobre o caso. Outro advogado do escritório de Zaid, Andrew Bakaj, sugeriu que o número de denunciantes pode aumentar. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;