Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Globo inicia segunda temporada de ‘Filhos da Pátria’ hoje

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Série mostra realidade da sociedade brasileira no início dos anos 1930


Miriam Gimenes
Do Diário do Grande Abc

08/10/2019 | 07:58


É início dos anos 1930 e o Brasil vive a chamada Era Vargas. Trata-se do período histórico em que Getúlio governou, ininterruptamente, o País, por 15 anos – até 1945. Dependente da exportação do café, a economia brasileira está em frangalhos e a sociedade civil espera por mudanças, o que denuncia uma possível revolução. Preocupado, o presidente prepara suas tropas para pôr fim à política do café com leite.

Este é o pano de fundo da segunda temporada da série Filhos da Pátria, que entra no ar hoje após A Dona do Pedaço. Escrita e criada por Bruno Mazzeo, a produção tem direção artística de Felipe Joffily e direção-geral de Henrique Sauer.

Se na primeira temporada da série a trama se passava no Brasil de 1822 – um País recém-independente e otimista –, na segunda, o contexto inclui as tropas de Getúlio tomando o poder e enchendo o Brasil de esperança, com promessas de modernidade diante da estagnação após anos da hegemonia da elite. A trama conversa com o momento atual do País.

Agora, na década de 1930, Geraldo Bulhosa faz carreira no funcionalismo público, enquanto sua mulher, Maria Teresa, segue obcecada por fazer parte da alta sociedade. O primogênito da família, Geraldinho, continua inconsequente, amante da subversão ideológica e um exímio ‘matador de aulas’. Já Catarina chega de uma temporada em São Paulo, sonhadora e feminista, lutando por salários iguais entre homens e mulheres, o que irrita sua mãe.

As gravações de Filhos da Pátria foram realizadas em locações importantes da época, no Rio de Janeiro, valorizando o que restou na cidade deste período e conservando detalhadamente o que se preservou das décadas passadas: fachadas de prédios, calçamentos, praças, o Theatro Municipal, a Confeitaria Colombo, o Palácio Tiradentes, e, claro, o Palácio do Catete, que tem status de protagonista nesta segunda temporada.

O Arsenal de Guerra da Marinha também foi utilizado como recurso de ambientação cênica, aplicado naquilo a que o texto se refere como o Centro da cidade. Nos estúdios da Globo, além das gravações internas em estúdio, a série contou com duas cidades cenográficas: uma que reproduz o bairro da Tijuca, onde vive a família Bulhosa, e outra, com a favela onde mora Domingos (Serjão Loroza), ex-escravo deles. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Globo inicia segunda temporada de ‘Filhos da Pátria’ hoje

Série mostra realidade da sociedade brasileira no início dos anos 1930

Miriam Gimenes
Do Diário do Grande Abc

08/10/2019 | 07:58


É início dos anos 1930 e o Brasil vive a chamada Era Vargas. Trata-se do período histórico em que Getúlio governou, ininterruptamente, o País, por 15 anos – até 1945. Dependente da exportação do café, a economia brasileira está em frangalhos e a sociedade civil espera por mudanças, o que denuncia uma possível revolução. Preocupado, o presidente prepara suas tropas para pôr fim à política do café com leite.

Este é o pano de fundo da segunda temporada da série Filhos da Pátria, que entra no ar hoje após A Dona do Pedaço. Escrita e criada por Bruno Mazzeo, a produção tem direção artística de Felipe Joffily e direção-geral de Henrique Sauer.

Se na primeira temporada da série a trama se passava no Brasil de 1822 – um País recém-independente e otimista –, na segunda, o contexto inclui as tropas de Getúlio tomando o poder e enchendo o Brasil de esperança, com promessas de modernidade diante da estagnação após anos da hegemonia da elite. A trama conversa com o momento atual do País.

Agora, na década de 1930, Geraldo Bulhosa faz carreira no funcionalismo público, enquanto sua mulher, Maria Teresa, segue obcecada por fazer parte da alta sociedade. O primogênito da família, Geraldinho, continua inconsequente, amante da subversão ideológica e um exímio ‘matador de aulas’. Já Catarina chega de uma temporada em São Paulo, sonhadora e feminista, lutando por salários iguais entre homens e mulheres, o que irrita sua mãe.

As gravações de Filhos da Pátria foram realizadas em locações importantes da época, no Rio de Janeiro, valorizando o que restou na cidade deste período e conservando detalhadamente o que se preservou das décadas passadas: fachadas de prédios, calçamentos, praças, o Theatro Municipal, a Confeitaria Colombo, o Palácio Tiradentes, e, claro, o Palácio do Catete, que tem status de protagonista nesta segunda temporada.

O Arsenal de Guerra da Marinha também foi utilizado como recurso de ambientação cênica, aplicado naquilo a que o texto se refere como o Centro da cidade. Nos estúdios da Globo, além das gravações internas em estúdio, a série contou com duas cidades cenográficas: uma que reproduz o bairro da Tijuca, onde vive a família Bulhosa, e outra, com a favela onde mora Domingos (Serjão Loroza), ex-escravo deles. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;