Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Cachorros realmente conseguem nadar?

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Algumas raças contam com maior agilidade para a ação, com outras apresentando dificuldade


Tauana Marin
Diário do Grande ABC

06/10/2019 | 07:00


Teoricamente, todo cão ‘sabe’ nadar de maneira natural. Por causa de seu instinto, caso os cachorros caiam na água ou se joguem nessas áreas por alguma razão, eles, automaticamente, deixam o focinho para fora e começam a mexer as patas para não afundar. É prática comum a todas as raças, com exceção às chamadas braquicefálicas (cujo focinho é achatado), a exemplos de pug, bulldog francês, boston terrier e pequinês. Para esses citados, há dificuldade para manter a respiração, além de possuírem maior densidade muscular (peso maior), o que facilita afundarem. Em certas raças, como golden retriever e labrador, o exercício aquático lhes é favorável, já que possuem tórax grande e focinhos alongados. Para os que têm aptidão para a ação, ela pode ser feita desde que são filhotes.

As únicas contraindicações para que os cachorros nadem, se assim gostarem, ocorrem quando possuem doenças ou infecção respiratória ou algo preexistente, como a cardiopatia, ou seja, em pets com problemas no coração. Condições adversas são capazes de levar os bichos a desmaiarem caso não sejam monitorados.

PRECAUÇÕES - Não é aconselhável que animais como cães e gatos se aventurem nadando em mares e rios, já que podem se afogar por causa da correnteza (força das águas) e pelo desgaste físico. O ideal é que façam a atividade aquática em uma piscina, preferencialmente tratada com ozônio, elemento que não agride a pele. No caso de ser feito uso de cloro, o animal precisa tomar banho e ser seco o quanto antes depois de sair. O cuidado com os ouvidos também é essencial para que não tenham inflamação conhecida como otite. Colocar algodão na região para proteger é uma dica útil durante a brincadeira.

O uso de colete apropriado ou peitoral (espécie de coleira) sempre que os pets estão na água é forma de prevenir acidentes, uma vez que os itens ajudam a retirá-los da água. Outro alerta é quanto ao tempo que permanecem na piscina. Assim como crianças, podem engolir líquido, o que pode ocasionar depois vômitos.

Aqueles que desejam estimular a prática em seus animais não podem se esquecer de colocar rampa ou algo parecido que os auxiliar sair do local.

Quando a maioria dos cães vê outro pet ou alguma pessoa que julga estar se afogando, instintivamente se joga dentro d’água a fim de tentar ajudar, mesmo que a ação também a coloque em risco.

Consultoria de René Monteiro Passos, médico veterinário e diretor clínico dos hospitais Dr. Hato, com unidades em Santo André e São Bernardo. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cachorros realmente conseguem nadar?

Algumas raças contam com maior agilidade para a ação, com outras apresentando dificuldade

Tauana Marin
Diário do Grande ABC

06/10/2019 | 07:00


Teoricamente, todo cão ‘sabe’ nadar de maneira natural. Por causa de seu instinto, caso os cachorros caiam na água ou se joguem nessas áreas por alguma razão, eles, automaticamente, deixam o focinho para fora e começam a mexer as patas para não afundar. É prática comum a todas as raças, com exceção às chamadas braquicefálicas (cujo focinho é achatado), a exemplos de pug, bulldog francês, boston terrier e pequinês. Para esses citados, há dificuldade para manter a respiração, além de possuírem maior densidade muscular (peso maior), o que facilita afundarem. Em certas raças, como golden retriever e labrador, o exercício aquático lhes é favorável, já que possuem tórax grande e focinhos alongados. Para os que têm aptidão para a ação, ela pode ser feita desde que são filhotes.

As únicas contraindicações para que os cachorros nadem, se assim gostarem, ocorrem quando possuem doenças ou infecção respiratória ou algo preexistente, como a cardiopatia, ou seja, em pets com problemas no coração. Condições adversas são capazes de levar os bichos a desmaiarem caso não sejam monitorados.

PRECAUÇÕES - Não é aconselhável que animais como cães e gatos se aventurem nadando em mares e rios, já que podem se afogar por causa da correnteza (força das águas) e pelo desgaste físico. O ideal é que façam a atividade aquática em uma piscina, preferencialmente tratada com ozônio, elemento que não agride a pele. No caso de ser feito uso de cloro, o animal precisa tomar banho e ser seco o quanto antes depois de sair. O cuidado com os ouvidos também é essencial para que não tenham inflamação conhecida como otite. Colocar algodão na região para proteger é uma dica útil durante a brincadeira.

O uso de colete apropriado ou peitoral (espécie de coleira) sempre que os pets estão na água é forma de prevenir acidentes, uma vez que os itens ajudam a retirá-los da água. Outro alerta é quanto ao tempo que permanecem na piscina. Assim como crianças, podem engolir líquido, o que pode ocasionar depois vômitos.

Aqueles que desejam estimular a prática em seus animais não podem se esquecer de colocar rampa ou algo parecido que os auxiliar sair do local.

Quando a maioria dos cães vê outro pet ou alguma pessoa que julga estar se afogando, instintivamente se joga dentro d’água a fim de tentar ajudar, mesmo que a ação também a coloque em risco.

Consultoria de René Monteiro Passos, médico veterinário e diretor clínico dos hospitais Dr. Hato, com unidades em Santo André e São Bernardo. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;