Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria tem melhor desempenho desde o pós-greve de caminhoneiros, diz IBGE



01/10/2019 | 10:40


A alta de 0,8% na produção industrial em agosto ante julho foi o melhor desempenho para o setor desde o pós-greve de caminhoneiros, em junho de 2018, quando cresceu 12,6%. Os resultados são da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O avanço no mês de agosto interrompeu três meses consecutivos de quedas, período em que a indústria acumulou uma perda de 0,9%.

O resultado de agosto veio acima da mediana das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, positiva em 0,2%, e dentro do intervalo das previsões, de queda de 0,5% a avanço de 1%.

Em relação a agosto de 2018, a produção caiu 2,3%. Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de uma queda de 4,0% a 1,3%, com mediana negativa de 3,15%.

No ano de 2019, a indústria teve queda de 1,7%. No acumulado em 12 meses, a produção da indústria acumulou recuo de 1,7%.

Produção de bens

A produção da indústria de bens de capital caiu 0,4% em agosto ante julho, informou o IBGE. Na comparação com agosto de 2018, o indicador recuou 3,7%.

No ano, houve elevação de 0,7% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 1,6%.

Em relação aos bens de consumo, a produção registrou queda 0,7% na passagem de julho para agosto. Na comparação com agosto de 2018, houve redução de 1,8%. No ano, a produção de bens de consumo subiu 0,3%. No acumulado em 12 meses, a produção encolheu 0,3%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, a produção diminuiu 1,8% em agosto ante julho. Em relação a agosto de 2018, houve redução de 5,6%. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve queda de 0,4% na produção em agosto ante julho. Na comparação com agosto do ano passado, a produção caiu 0,7%.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção aumentou 1,4% em agosto ante julho. Em relação a agosto do ano passado, houve uma diminuição de 2,1%. No ano, os bens intermediários tiveram redução de 2,8%. Em 12 meses, houve diminuição de 2,6% na produção.

Média móvel

O índice de Média Móvel Trimestral da indústria registrou estabilidade (0,0%) em agosto.

Revisões

O IBGE revisou o resultado da produção industrial em julho ante junho, de queda de 0,3% para recuo de 0,2%. O resultado de junho ante maio saiu de declínio de 0,7% para retração 0,6%.

Na categoria de bens de capital, a taxa de julho ante junho passou de variação negativa de 0,3% para retração de 0,1%, enquanto o desempenho de junho ante maio saiu de baixa de 0,4% para -0,6%.

O resultado dos bens intermediários em julho ante junho passou de -0,5% para zero.

A taxa dos bens de consumo duráveis em julho ante junho foi revista de 0,5% para 0,4%. O resultado de junho ante maio passou de -0,6% para -0,7%, enquanto o de maio ante abril saiu de -2,0% para -2,3%.

O desempenho dos bens de consumo semi e não duráveis em julho ante junho passou de 1,4% para 1,3%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Indústria tem melhor desempenho desde o pós-greve de caminhoneiros, diz IBGE


01/10/2019 | 10:40


A alta de 0,8% na produção industrial em agosto ante julho foi o melhor desempenho para o setor desde o pós-greve de caminhoneiros, em junho de 2018, quando cresceu 12,6%. Os resultados são da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O avanço no mês de agosto interrompeu três meses consecutivos de quedas, período em que a indústria acumulou uma perda de 0,9%.

O resultado de agosto veio acima da mediana das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, positiva em 0,2%, e dentro do intervalo das previsões, de queda de 0,5% a avanço de 1%.

Em relação a agosto de 2018, a produção caiu 2,3%. Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de uma queda de 4,0% a 1,3%, com mediana negativa de 3,15%.

No ano de 2019, a indústria teve queda de 1,7%. No acumulado em 12 meses, a produção da indústria acumulou recuo de 1,7%.

Produção de bens

A produção da indústria de bens de capital caiu 0,4% em agosto ante julho, informou o IBGE. Na comparação com agosto de 2018, o indicador recuou 3,7%.

No ano, houve elevação de 0,7% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 1,6%.

Em relação aos bens de consumo, a produção registrou queda 0,7% na passagem de julho para agosto. Na comparação com agosto de 2018, houve redução de 1,8%. No ano, a produção de bens de consumo subiu 0,3%. No acumulado em 12 meses, a produção encolheu 0,3%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, a produção diminuiu 1,8% em agosto ante julho. Em relação a agosto de 2018, houve redução de 5,6%. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve queda de 0,4% na produção em agosto ante julho. Na comparação com agosto do ano passado, a produção caiu 0,7%.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção aumentou 1,4% em agosto ante julho. Em relação a agosto do ano passado, houve uma diminuição de 2,1%. No ano, os bens intermediários tiveram redução de 2,8%. Em 12 meses, houve diminuição de 2,6% na produção.

Média móvel

O índice de Média Móvel Trimestral da indústria registrou estabilidade (0,0%) em agosto.

Revisões

O IBGE revisou o resultado da produção industrial em julho ante junho, de queda de 0,3% para recuo de 0,2%. O resultado de junho ante maio saiu de declínio de 0,7% para retração 0,6%.

Na categoria de bens de capital, a taxa de julho ante junho passou de variação negativa de 0,3% para retração de 0,1%, enquanto o desempenho de junho ante maio saiu de baixa de 0,4% para -0,6%.

O resultado dos bens intermediários em julho ante junho passou de -0,5% para zero.

A taxa dos bens de consumo duráveis em julho ante junho foi revista de 0,5% para 0,4%. O resultado de junho ante maio passou de -0,6% para -0,7%, enquanto o de maio ante abril saiu de -2,0% para -2,3%.

O desempenho dos bens de consumo semi e não duráveis em julho ante junho passou de 1,4% para 1,3%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;