Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Acusado de matar morador de rua é preso na Argentina

Crime foi cometido em maio na Vila Assunção, em Santo André; empresário será extraditado ao Brasil, mas data não foi informada


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

28/09/2019 | 07:00


 A polícia Argentina prendeu ontem o empresário Marcelo Pereira Aguiar, 36 anos, acusado pela morte do morador de rua Sebastião Lopes dos Santos, 40, em 11 de maio, na Vila Assunção, em Santo André. O criminoso – que estava foragido desde maio – foi encontrado na cidade de Paso de los Libres, na fronteira com o Brasil.

A equipe de reportagem do Diário apurou que Aguiar deve ser extraditado. A tramitação, entretanto, fica a cargo da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) e da PF (Polícia Federal) brasileira. O prazo ainda não foi divulgado.

Na época, o empresário teve a prisão temporária decretada pela Polícia Civil, cerca de dez dias depois de ser reconhecido como o autor dos disparos. A equipe de investigação chegou à identidade de Aguiar por meio de câmeras de segurança que filmaram o momento exato do crime. Como não foi encontrado, o criminoso ficou registrado como procurado da Justiça, o que fez com que fosse relocalizado no país vizinho.

Quando do crime, a polícia conseguiu mandado para buscas na residência do empresário, também na Vila Assunção, onde foram apreendidas duas armas de fogo, sendo uma espingarda calibre 12 e uma carabina ponto 16, imitação de uma modelo AR-15, além de munição. A arma do crime não foi localizada. Conforme a polícia, embora o empresário seja colecionador de armas, não possui autorização para andar armado.

O empresário, porém, já tinha sido detido em março, em São Bernardo, por falsidade ideológica e porte ilegal de arma. Na ocasião, ele se apresentou como policial em um bar e portava uma pistola 380.

Aguiar é dono de uma pizzaria próximo ao local do assassinato e tem outras duas empresas em seu nome, uma em São Bernardo e outra em Santa Catarina, ambas de assessoria em software. Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, o motivo do desentendimento entre o empresário e o morador de rua se deu porque Aguiar não gostava da presença de Santos perto de seu restaurante, e se sentia incomodado pelo fato de o homem pedir dinheiro aos seus clientes.

O CRIME

Na noite do dia 11 de maio, Sebastião Lopes dos Santos foi morto a tiros na Rua Visconde de Mauá, altura do número 554, na Vila Assunção, em Santo André. O morador de rua foi atingido no abdômen e braço direito.

Em depoimento à polícia, testemunhas afirmaram que Santos caminhava pela rua quando um homem desceu de um carro Mercedes-Benz, prata, e foi na direção da vítima disparando seis tiros. Os vizinhos disseram ainda que Santos tentou correr, mas caiu poucos metros depois. Os relatos foram confirmados posteriormente por câmeras de segurança das casas.

Os vizinhos afirmam ainda que Santos era alcoólatra e, ocasionalmente, dormia em casa vazia na mesma rua, próximo ao local do crime, além de que costumava pedir cobertores e alimentos em casas da redondeza.

O caso foi registrado no 1º DP (Centro) de Santo André, mas a investigação ficou a cargo da Delegacia de Homicídios do município.

Família não foi avisada sobre captura do criminoso

A família do morador de rua Sebastião Lopes dos Santos, 40 anos, assassinado a tiros no dia 11 de maio, não foi avisada que o responsável pelos disparos foi preso na Argentina. O <CF52>Diário</CF> procurou sua companheira, Dalva de Araújo Costa, 53, e o enteado, José Maiki de Araújo Costa, 26, que se disseram “surpresos” com a informação.

“Queremos que a Justiça seja feita. O coração pelo menos vai ficar mais sossegado sabendo que o cara que matou meu padastro vai pagar pelo que fez”, afirmou o enteado, ao saber da prisão.

Já sua companheira relatou diversos problemas de saúde que apareceram após a morte de Santos, o que ela atrela à não superação da perda. “Sinto muita falta dele. Espero que esse homem que o matou pague pelo que fez e a memória do Sebastião ficará guardada em paz”, afirmou Dalva.

O Diário não conseguiu contato com o advogado criminalista responsável pelo caso, Ademar Gomes.

Outros três casos com morte foram registrados no município

No dia 4 de abril, policiais civis do 2º DP (Parque das Nações) prenderam o morador de rua José Severino Vieira, 59 anos, responsável por matar um colega na noite anterior, também em situação de rua, conhecido como Diego. Em depoimento à polícia, o acusado assumiu ter cometido o crime após discussão. Ele usou um porrete com pregos para atingir a vítima, que dormia em área do Tersa (Terminal Rodoviário de Santo André), no bairro Campestre, e depois ateou fogo.

Em janeiro do ano passado, dois mendigos tiveram os corpos queimados após disputa por espaço para dormir. Três dias depois, Adaildo de Jesus, 43, morreu no Hospital Geral de São Mateus, na Zona Leste da Capital. A mulher dele, Ducineia da Costa, 47, também foi queimada e permaneceu internada por mais de um mês, até se recuperar. Eles foram alvo do colega de rua Damião Batista de Oliveira, 48, que, após discussão, se dirigiu a um posto de combustível e comprou álcool e isqueiro. Ao retornar ao local, ateou fogo no casal, que estava dormindo e não teve tempo de se defender. O caso ocorreu na Avenida Dom Pedro I.

Já em agosto de 2017, Fabio Netto das Neves, 48, e o inglês Michael Steer Renshaw, 50, foram assassinados pelo colega de rua Manoel Almeida da Silva, 46, no bairro Casa Branca, com golpes de barra de ferro. O autor do crime foi preso três dias depois.</CS>[08.ASSINA_PE]<TL>



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Acusado de matar morador de rua é preso na Argentina

Crime foi cometido em maio na Vila Assunção, em Santo André; empresário será extraditado ao Brasil, mas data não foi informada

Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

28/09/2019 | 07:00


 A polícia Argentina prendeu ontem o empresário Marcelo Pereira Aguiar, 36 anos, acusado pela morte do morador de rua Sebastião Lopes dos Santos, 40, em 11 de maio, na Vila Assunção, em Santo André. O criminoso – que estava foragido desde maio – foi encontrado na cidade de Paso de los Libres, na fronteira com o Brasil.

A equipe de reportagem do Diário apurou que Aguiar deve ser extraditado. A tramitação, entretanto, fica a cargo da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) e da PF (Polícia Federal) brasileira. O prazo ainda não foi divulgado.

Na época, o empresário teve a prisão temporária decretada pela Polícia Civil, cerca de dez dias depois de ser reconhecido como o autor dos disparos. A equipe de investigação chegou à identidade de Aguiar por meio de câmeras de segurança que filmaram o momento exato do crime. Como não foi encontrado, o criminoso ficou registrado como procurado da Justiça, o que fez com que fosse relocalizado no país vizinho.

Quando do crime, a polícia conseguiu mandado para buscas na residência do empresário, também na Vila Assunção, onde foram apreendidas duas armas de fogo, sendo uma espingarda calibre 12 e uma carabina ponto 16, imitação de uma modelo AR-15, além de munição. A arma do crime não foi localizada. Conforme a polícia, embora o empresário seja colecionador de armas, não possui autorização para andar armado.

O empresário, porém, já tinha sido detido em março, em São Bernardo, por falsidade ideológica e porte ilegal de arma. Na ocasião, ele se apresentou como policial em um bar e portava uma pistola 380.

Aguiar é dono de uma pizzaria próximo ao local do assassinato e tem outras duas empresas em seu nome, uma em São Bernardo e outra em Santa Catarina, ambas de assessoria em software. Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, o motivo do desentendimento entre o empresário e o morador de rua se deu porque Aguiar não gostava da presença de Santos perto de seu restaurante, e se sentia incomodado pelo fato de o homem pedir dinheiro aos seus clientes.

O CRIME

Na noite do dia 11 de maio, Sebastião Lopes dos Santos foi morto a tiros na Rua Visconde de Mauá, altura do número 554, na Vila Assunção, em Santo André. O morador de rua foi atingido no abdômen e braço direito.

Em depoimento à polícia, testemunhas afirmaram que Santos caminhava pela rua quando um homem desceu de um carro Mercedes-Benz, prata, e foi na direção da vítima disparando seis tiros. Os vizinhos disseram ainda que Santos tentou correr, mas caiu poucos metros depois. Os relatos foram confirmados posteriormente por câmeras de segurança das casas.

Os vizinhos afirmam ainda que Santos era alcoólatra e, ocasionalmente, dormia em casa vazia na mesma rua, próximo ao local do crime, além de que costumava pedir cobertores e alimentos em casas da redondeza.

O caso foi registrado no 1º DP (Centro) de Santo André, mas a investigação ficou a cargo da Delegacia de Homicídios do município.

Família não foi avisada sobre captura do criminoso

A família do morador de rua Sebastião Lopes dos Santos, 40 anos, assassinado a tiros no dia 11 de maio, não foi avisada que o responsável pelos disparos foi preso na Argentina. O <CF52>Diário</CF> procurou sua companheira, Dalva de Araújo Costa, 53, e o enteado, José Maiki de Araújo Costa, 26, que se disseram “surpresos” com a informação.

“Queremos que a Justiça seja feita. O coração pelo menos vai ficar mais sossegado sabendo que o cara que matou meu padastro vai pagar pelo que fez”, afirmou o enteado, ao saber da prisão.

Já sua companheira relatou diversos problemas de saúde que apareceram após a morte de Santos, o que ela atrela à não superação da perda. “Sinto muita falta dele. Espero que esse homem que o matou pague pelo que fez e a memória do Sebastião ficará guardada em paz”, afirmou Dalva.

O Diário não conseguiu contato com o advogado criminalista responsável pelo caso, Ademar Gomes.

Outros três casos com morte foram registrados no município

No dia 4 de abril, policiais civis do 2º DP (Parque das Nações) prenderam o morador de rua José Severino Vieira, 59 anos, responsável por matar um colega na noite anterior, também em situação de rua, conhecido como Diego. Em depoimento à polícia, o acusado assumiu ter cometido o crime após discussão. Ele usou um porrete com pregos para atingir a vítima, que dormia em área do Tersa (Terminal Rodoviário de Santo André), no bairro Campestre, e depois ateou fogo.

Em janeiro do ano passado, dois mendigos tiveram os corpos queimados após disputa por espaço para dormir. Três dias depois, Adaildo de Jesus, 43, morreu no Hospital Geral de São Mateus, na Zona Leste da Capital. A mulher dele, Ducineia da Costa, 47, também foi queimada e permaneceu internada por mais de um mês, até se recuperar. Eles foram alvo do colega de rua Damião Batista de Oliveira, 48, que, após discussão, se dirigiu a um posto de combustível e comprou álcool e isqueiro. Ao retornar ao local, ateou fogo no casal, que estava dormindo e não teve tempo de se defender. O caso ocorreu na Avenida Dom Pedro I.

Já em agosto de 2017, Fabio Netto das Neves, 48, e o inglês Michael Steer Renshaw, 50, foram assassinados pelo colega de rua Manoel Almeida da Silva, 46, no bairro Casa Branca, com golpes de barra de ferro. O autor do crime foi preso três dias depois.</CS>[08.ASSINA_PE]<TL>

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;